Aqui se fala do som dos estados do Norte do Brasil: Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins

sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

Lançamento: Filho de Gal - Liège



A cantora e compositora paraense Liège lança nesta sexta, 22 de janeiro, com exclusividade pelo Deezer, seu primeiro EP, Filho de Gal. Após um mês, as músicas serão disponibilizados via streaming para as demais plataformas digitais, como iTunes e Spotfy.

Com quatro faixas autorais e inéditas, o EP traz uma mistura de pop rock com MPB e ainda ritmos regionais, apresentando composições fortes e arranjos marcantes. “Filho de Gal” é um disco singular, que dá a Liège um lugar de destaque na nova safra da música popular.

O EP tem direção musical do jovem músico Dan Bordallo (Banda Blues & Cia, Jungle Band e Marcel Barreto) e foi gravado em Belém/PA no estúdio Na Music, mixado no estúdio Casarão Floresta Sonora e masterizado no estúdio O Grito, em SP. Realizado e lançado pela Editora Na Music em parceria com FUNTELPA, o EP tem apoio do blog Som do Norte. O show de lançamento do EP está previsto para o dia 20 de fevereiro.



    Faixa a faixa

    1 - GIRA SÓIS (Liège) - A composição retrata a paixão pelos olhos brilhantes de um rapaz e a curiosidade do eu lírico feminino em conhecê-lo através dos seus olhos, adivinhar seus quereres e mistérios. O ritmo é uma mistura entre o pop rock e o carimbó, ritmo paraense, com toques de eletrônico. O guitarrista da banda Strobo, Léo Chermont, fez participação especial na faixa junto com o baterista Alexandre Cunha.

    2 - CABELO (Liège) - Letra e melodia bem humoradas retratando de forma divertida a relação humana com os cabelos, a aparência e seus entremeios. O arranjo é plural, com sintetizadores eletrônicos e baixo em evidência.

    3 - CHEGA-TE A MIM (Liège) - A faixa mais doce e romântica do disco. Carrega o nome de uma famosa erva produzida no mercado do Ver-o-Peso, em Belém do Pará, que promete trazer para perto o ser amado. A letra usa frases com chamativos paraenses, como "bora" que quer dizer "vamos", além de brincar com estrofes que exaltam elementos típicos dos costumes paraenses como rede e chuva da tarde.

    4 - FILHO DE GAL (Liège) - Título do EP, essa faixa é a mais forte do disco. Estampa, em uma só música, diversos problemas sociais, com ironia, trazendo uma reflexão sobre diversas faces do preconceito. Cantada de maneira forte, afirma a força do ser humano como autor de sua própria história, como um Filho de Gal. A referência é a cantora Gal Costa, uma mulher sempre à frente de seu tempo, despudorada e transgressora, que marcou a música brasileira por seu canto e sua atitude libertária no palco e na vida.

    • Liège - A cantora e compositora paraense Liège é um exemplo de que a beleza está na diversidade. Em suas composições, ela faz uma MPB contemporânea com apelo ao pop, brincando com ritmos regionais. Saiba mais no site da artista
    Para Liège, a música está no sangue. Seu avô foi pioneiro na instalação de rádios-cipó (alto-falantes colocados em postes que retransmitiam o som produzido em uma cabine) em municípios próximos a Belém, como Mosqueiro. Os grandes sucessos tocavam nessas rádios e foi nessa atmosfera que sua mãe começou a trabalhar como locutora. Sua avó, hoje com 89 anos, ainda toca vários instrumentos como violão, cavaquinho e piano. Seu irmão também canta e seu tio-avô Hugo Lisboa era escritor, poeta, músico, compositor e foi parceiro de composições da banda paulista Demônios da Garoa. Foi nesse universo que Liège cresceu.

    Ainda criança fez teatro e começou a cantar. Na adolescência, o baterista da banda Álibi de Orfeu, Rui Paiva, descobriu o talento da artista e a levou para cantar em barzinhos. Carreira que interrompeu por três anos por conta da chegada de sua filha, Lis.

    Em 2013, Liège gravou uma versão da música "Pássaro Solto" do compositor Paulo César Pinheiro com o violonista Salomão Habib. No encontro, estee conheceu o trabalho autoral da compositora e lhe cobrou a retomada de sua carreira, agora com composições próprias. A ideia foi amadurecida e o primeiro passo é marcado pela música "Toute la Vie", composição de Liège, que tem produção do músico Dan Bordallo.

    Compondo em português e francês, a artista tem como influências Lenine, Paulinho Moska e os franceses Bem L´Oncle Soul e Charles Aznavour, além do mineiro Milton Nascimento, Gal Costa, Elis Regina e Tulipa Ruiz, grandes referências para sua carreira.

    Misturar é também uma marca de Liège, que entrelaça seu trabalho com as diversas linguagens artísticas como moda, fotografia e artes cênicas e áudio visuais. Foi assim, por meio de uma parceria com o curitibano Filipe Parolin e o paraense Marcelo Rodrigues, que surgiu o clipe da música "Toute la Vie", composição da artista que fala da chegada de sua filha, Lis. Com muita sensibilidade, a dupla de diretores de cinema retrata no vídeo a terna relação entre as duas. O lançamento aconteceu em 2013, no Gotazkaen Estúdio, em Belém.

    Em 2014, Liège fez uma temporada de shows em Belém, em homenagem aos 25 anos de carreira da também cantora e compositora Marisa Monte, intitulado “Diariamente Marisa”, com sucesso absoluto de bilheteria.

    Em 2015, a artista obteve destaque durante sua apresentação no 10º Festival Se Rasgum, após ser vencedora das Seletivas para o festival e iniciou a produção e gravação de seu primeiro EP intitulado Filho de Gal.

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário