Aqui se fala do som dos estados do Norte do Brasil: Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins

terça-feira, 8 de dezembro de 2015

Foi Show: Dia D Fest 30 Anos Delinquentes

Texto e fotos: Raissa Lennon,
de Belém

Logo nos primeiros riffs do show de uma das bandas de hardcore mais consagradas do país, a roda punk já se formou naturalmente. A banda Delinquentes comemorou os seus 30 anos de carreira em grande estilo no Dia D Fest, que aconteceu em 28 de novembro no Insano Marina Club (Belém) e contou com mais 12 bandas dos mais variados estilos, do garage rock ao heavy metal.



Os aniversariantes do dia foram a oitava banda a se apresentar e simplesmente “quebraram” tudo em cima do palco, como já era de se esperar. Entre as músicas antigas já conhecidas do público como “Um belo dia pra morrer” ou “Lumo delinquente”, eles mostraram duas novas: “Fúria urbana” e “Mad Max now”. O show também contou com duas participações especiais, a de Raniery Pontes, baterista do Cais Virado que tocou com eles na década de 1990, e de Jacob Franco, que tocou com a banda no início dos anos 2000 e hoje lidera a banda experimental Projeto Secreto Macacos.

Mas sem dúvida o momento mais emocionante foi a bonita homenagem ao vocalista do Babyloyds, Gerson Costa, falecido em 15 de novembro em decorrência de um atropelamento na BR-316. O Delinquentes tocou “Inteligência Humana”, da banda Babyloyds, dedicada pelo vocalista Jayme Katarro a Gerson Costa.

“Posso dizer que o show foi insano. Foi um dos melhores shows em termos de resposta do público dessa formação. Chamamos alguns amigos, a ideia era chamar mais, mas o tempo e o dinheiro não permitiram”, comentou Jayme, que tocou ao lado dos parceiros de banda Pedro Bernardo (guitarra), Raphael Drums (bateria) e Pablo Cavalcante (baixista). O Delinquentes encerrou o show com a música “Planeta dos Macacos”, com o público cantando em coro e o Jayme Katarro no meio da roda punk.


A banda Navalha (ao lado) comentou sobre a relação que eles têm com o Delinquentes. “O Jayme Katarro acompanha nossa banda desde o início por isso é uma honra participar desse evento”, comentou o vocalista Eric Alvarenga que completou dizendo que esse “foi o melhor show do Navalha do ano e que superou as expectativas”. No Dia D, o grupo tocou canções do álbum O instinto, de 2012. 


Outra banda que mandou o seu som foi Blind for Giant (foto acima), que tocou músicas do EP Greetings to the Farewells, de 2013. “Eu acho que o público se divertiu bastante com o show e a gente também”, comentou o vocalista Allan Souza. Eles contaram que receberam o convite para tocar no Dia D por meio do amigo e produtor José Lucas (Sokera), que indicou a banda para o Jayme Katarro. Para Allan, “não tem como não ser influenciado pelos Delinquentes, eles são os ‘caras’ do rock paraense”.

Jayme Katarro explica que é a terceira edição do Dia D Fest e que o evento começou como um festival pequeno, mas depois tomou uma proporção maior do que o esperado. Com a ajuda do Kaká (do selo Xaninho Discos Falidos), o festival ficou no formato do Fabrikaos e do Pitiú Festival, eventos com muitas bandas na programação. “O saldo foi muito bom, pois as bandas mandaram bem, cada qual a seu estilo, e o público compareceu em peso”, destacou. O evento deste ano teve o apoio do Som do Norte.

Velhos conhecidos do festival, os integrantes da banda de heavy metal D.N.A. já se sentem parte desse evento.  “Os Delinquentes são parceiros nossos, tocamos no DVD da banda e agora nessa comemoração mais do que merecida. Eles são uma das mais importantes bandas do punk rock nacional. O Jayme é meu parceiro, meu irmão”, contou o baterista Mauro Seabra, que junto com Bruno, no vocal, Alexandre e Paulo Henrique nas guitarras e Sidney Klautau, no baixo, tocou as músicas do disco “Love and hate”, lançado em outubro de 2015.

O público também pôde banguear com as bandas Sisa, Antcorpus, Sokera, The Last Machine, Rennegados, A Red Nightmare, Briga de Bar, Insolência Públika, e para encerrar a noite teve o show da banda de death metal nipo-brasileira, Neuróticos, única da programação de fora do estado (formada por músicos de São Paulo e da cidade japonesa de Hiroshima). “O Neuróticos foi sugestão do Kaká e ele acertou em cheio. Os caras fizeram um showzão e o povo todo curtiu”, elogiou Jayme Katarro (foto abaixo). 



Nenhum comentário:

Postar um comentário