Aqui se fala do som dos estados do Norte do Brasil: Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins

segunda-feira, 26 de outubro de 2015

Música do Dia: "Ele te Bate porque Ele te Ama"

A cantora e compositora rondoniense Samara Noronha postou em seu Souncloud no final da manhã desta segunda, 26, a canção "Ele te Bate porque Ele te Ama". Foi impossível (ao menos para mim) deixar de associar o título a parte do refrão de "Amor de Malandro", samba de Ismael Silva, Freire Júnior e Francisco Alves, gravado por este em 1929: "Se ele te bate/ É porque gosta de ti...". E logicamente, não há como qualquer pessoa brasileira minimamente bem informada não associar a canção de Samara ao tema da redação da prova do ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio) realizada ontem em todo o Brasil: “A persistência da violência contra a mulher na sociedade brasileira”.

Transcrevo abaixo trecho da reportagem  Violência doméstica: 80% das mulheres não querem a prisão do agressor, de Ana Flávia Oliveira, publicada no site Último Segundo/IG em 3 de maio de 2015:

De acordo com o Mapa da Violência 2012 (o mais recente), entre 1990 e 2010 foram assassinadas cerca de 91 mil mulheres – 43,5 mil só na última década. Em 30 anos, o número de assassinatos de mulheres cresceu 1.353 para 4.297, um aumento de 217,6%. Com taxa de 4,4 mortes para cada 100 mil mulheres mortas, o Brasil ocupa a 7ª colocação entre 84 países. O primeiro é El Salvador, com taxa de 10,3 mortes para cada 100 mil mulheres.

(...) O Mapa aponta ainda que no ano de 2011 o País registrou 73.633 atendimentos relativos a Violência Doméstica, Sexual e/ou outras Violências. Deste total, 48.152 (65,4%) eram de mulheres e 25.481 (34,6%) de homens. “Praticamente duas em cada três pessoas atendidas no SUS nessa área são mulheres”, diz o relatório.

Além disso, o Mapa da Violência indicou ainda que 68,8% dos casos de feminicídio aconteceram dentro de casa.  Em relação aos casos de agressão contra mulheres entre 20 e 49 anos, o levantamento indicou que em mais de 65% deles os responsáveis eram parceiros ou ex-parceiros."

Também contundente foi o relato da própria Samara, publicado em sua página pessoal do Facebook, no começo da tarde de hoje:

"Bom, já que a pauta do momento diz respeito ao tão pertinente assunto da violência contra a mulher, fiquei com vontade de compartilhar com vocês uma canção que, infelizmente, diz respeito à experiência real de violência doméstica vivida pela minha mãe. Engraçado notar como muitas mulheres acabam acionando uma espécie de mecanismo da culpa onde elas compram o jogo de inversão da situação, onde, se apanham, acabam pensando que devem mesmo ser culpadas por isso. É comum esse estigma da mulher louca, da mulher que precisa ser posta em seu lugar. Assim, aos poucos, com palavras, com gestos, com agressões, se esvai sua autoconfiança, sua autoestima e reside em seu peito a vergonha. Vergonha que te cala, culpa que te consome. E essa é só uma das agressões à mulher que presenciei ou vivi. Muito triste constatar o quão comum são essas histórias sobre assédio, violência doméstica, etc e etc... mas ampla discussão já é um passo para mudanças. Esperamos."

Esperamos!


Nenhum comentário:

Postar um comentário