Aqui se fala do som dos estados do Norte do Brasil: Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Disco do Mês: Batida Brasileira 2





A cantora Euterpe inicia 2015 lançando o CD Batida Brasileira 2, o segundo de uma trilogia com a qual a artista promove a valorização da música popular brasileira, privilegiando o trabalho dos compositores da região Norte do Brasil. O novo CD é o nosso 33º Disco do Mês e o 7º de Roraima; o CD anterior da intérprete, Batida Brasileira, foi destaque em abril de 2010. 

Neste segundo disco, Euterpe se reafirma excelente intérprete, com timbre agradabilíssimo e afinação perfeita. Como compositora, expande as fronteiras de seu som, ao dialogar com o universo pop em músicas como “Alguém” e “Loura Linda” (ambas parcerias com Eliakin Rufino; a última remete ao Jorge Ben dos anos 1970, tanto por seu ritmo contagiante quanto pela letra em que uma mesma expressão inicia uma sequência de versos – o seu cabelo é ouro/ o seu cabelo é belo/ o seu cabelo é louro/ é lindo esse amarelo”). Outra composição com ritmo contagiante é o samba “Coração Campeão” (também parceria com Eliakin). Em “Fico com o presente”, a melodia pouco extensa exprime à perfeição a valorização do tempo presente, apontado como superior ao passado e ao futuro na letra de Eliakin Rufino. Já em “Viola goiana”, Euterpe renova a parceria com o poeta Gilberto Mendonça Telles, iniciada no CD anterior.

Euterpe também estreia no álbum como letrista, sendo sua a versão para o francês do poema de Odara Rufino “Oiseau noir”, dedicado à pintora mexicana Frida Kahlo, que sempre se manteve otimista apesar dos inúmeros percalços pelos quais passou. Outra homenageada, em “Casa de Cesária”, é a cantora Cesária Évora, de Cabo Verde; na letra, incorporando vocábulos do dialeto crioulo cabo-verdiano como “cretcheu” (pessoa muito querida), Eliakin Rufino descreve a sensação de visitar a casa onde a artista viveu em Mindelo, em março de 2012; Cesária falecera três meses antes.

Eliakin Rufino em Mindelo,
em frente à casa de Cesária Évora


A sintonia com o mundo é um traço marcante do disco, que consegue ser uma expressão regional sem jamais cair em clichês regionalistas. Mesmo na faixa de abertura, “Sertão das águas” (Milton Nascimento – Ronaldo Bastos), não há apenas bucolismo nas referências a igarapés, matas e seringais; a letra roga que não venha o fogo queimar/ nem trator correr arrastar/ pra que a vida queira pulsar e correr. Milton lançou “Sertão das águas” em seu LP Txai (1990), parcialmente gravado no Acre e em Rondônia. Robertinho Silva, que faz participação especial nesta faixa, também estava presente na gravação original.

Outro traço marcante do CD é o otimismo, seja no samba-exaltação “O Rio é mar”, homenagem ao Rio de Janeiro, seja ao falar de amor em “Alguém” ou na já citada “Coração Campeão” (toda as três de Euterpe e Eliakin Rufino) – nesta, ao amor se soma a liberdade individual (“deixei você com a corda solta/.../deixei você independente”), tema constante na obra poética e musical de Eliakin e que igualmente comparece em “Vagabundo”, poema de Álvares de Azevedo publicado em 1853 e musicado pelo compositor amapaense Naldo Maranhão; nesta faixa, Euterpe realiza uma das melhores interpretações do CD, com destaque para o fraseado quase falado da última estrofe do poema.

Natural de Boa Vista, Roraima, Euterpe começou a cantar aos 11 anos no Coral Canarinhos da Amazônia, participando de três CDs do grupo. De 2003 a 2006, morou em Manaus, sendo destaque na cena musical da cidade. De volta a Boa Vista, venceu diversos festivais e recebeu o Prêmio Produção do Projeto Pixinguinha, que resultou na gravação do primeiro Batida Brasileira (2009). Em 2011, fez turnê de lançamento do disco em todos os estados da Amazônia Legal e no Rio de Janeiro através do circuito SESC Amazônia das Artes. Regularmente apresenta-se em shows e festivais, já tendo dividido o palco com Leila Pinheiro, Eliakin Rufino e Elisa Maia, entre outros.


Batida Brasileira 2 foi gravado nos dias 14 e 15 de outubro de 2013, no estúdio Umuarama, no Rio de Janeiro, com direção musical de Ney Conceição, produção executiva de Jeferson Ghol, e tendo Ricardo Calafate como engenheiro de som. A direção artística coube ao poeta Eliakin Rufino. A ilustração da capa do disco é de Odara Rufino. Três músicos estão presentes em todas as faixas: o baixista Ney Conceição, também autor dos arranjos; o tecladista Luiz Otávio Paixão e o baterista  Lúcio Vieira. Também participaram das gravações: José Arimatéa (trompete), Marlon Caldeira (trombone), Mestrinho (acordeon), Robertinho Silva (percussão) e Victor Lopez (guitarra portuguesa). O disco se destina ao mercado nacional e internacional e tem o patrocínio da empresa Carmen Steffens, viabilizado através da Lei de Incentivo à Cultura do Estado de Roraima.






Nenhum comentário:

Postar um comentário