Aqui se fala do som dos estados do Norte do Brasil: Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins

quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Café com Tapioca: Lívia Mendes


Estreamos hoje no Som do Norte uma nova seção de entrevistas, denominada "Café com Tapioca" em homenagem ao hábito tão ao gosto dos nortistas de consumir estas iguarias, juntas, do meio pro fim da tarde (ali por 16, 17h...); além de ser uma delícia, é uma combinação muito saudável :)

Bueno, a ideia é publicar nessa seção entrevistas breves, jogo rápido mesmo, em especial com artistas ou bandas que estiverem lançando singles, EPs, clipes, ou seja, formatos curtos que casem com a ideia de brevidade do consumo de um café e uma tapioca. 

Para a estreia, não havia opção melhor do que a cantora e compositora paraense Lívia Mendes - a música que me inspirou o nome dessa nova seção foi seu single "Café Quentinho", uma delícia de canção que você ouve ao final do post ;)
***

Som do Norte - Seu single 'Café Quentinho' já foi ouvido mais de 1.600 vezes em pouco mais de 60 dias, isso está dentro ou além das expectativas que você alimentava quando o lançou? O que te fez optar por começar a mostrar o trabalho autoral através da internet?

Lívia Mendes - Cara, isso é o máximo! Muito além de qualquer expectativa! Comecei esperando que meus amigos fossem compartilhar só pra dar aquela força (risos)... e de repente já tinha um monte de gente que eu nem conheço elogiando o trabalho. Fiquei surpresa quando atingi 500 curtidas nas primeiras 24h! Durmo sorrindo até hoje! Acho que esse é o grande trunfo da internet e por isso escolhi esse canal, por ser barato e de repercussão imediata. Tem sido lindo e muito gratificante.

Em breve deve sair seu primeiro EP, né? Já tem título e data de lançamento? Quantas músicas serão? E quando teremos um show seu?

Menino, esse EP tá sendo um filho! Estamos num processo de produção muito bonito e bem pessoal. Meu produtor e os músicos que estão gravando comigo são amigos de longa data, que conhecem bem meu estilo e minhas influências. Saio do estúdio sempre em catarse, muito satisfeita mesmo! O Fabrício (Bastos, guitarrista da B3) tá produzindo tudo com a minha cara e o Gabriel (Monteiro, também guitarrista) é meu arranjador preferido. Todas as músicas são minhas, mas sem eles não estariam tão redondinhas. Estamos decidindo juntos um nome pro EP, provavelmente o nome de uma das quatro faixas, mas ainda é surpresa.... (risos). Mas todo mundo vai poder escutar tudo pela internet, até mesmo pra poder cantar no show. O EP sai em março e já temos um marcado na Saraiva no mesmo mês. Também estamos fechando uma data no Sesc Boulevard pra abril ou maio.

Na 'vida real' você é tão romântica quanto o eu-lírico da letra de "Café Quentinho"?

Eu sou total e completamente o eu-lírico de "Café Quentinho"! (risos) Fiz muitas canções, inclusive essa, pro Marcelo, meu namorado. Sou romântica assumida, babona e muito carinhosa. Adoro falar, escrever, compor e cantar o amor. Durante muito tempo só compus sobre isso, depois veio um pouquinho mais de maturidade e a interferência de experiências mais amplas... fui pouco a pouco moldando meu jeito de fazer música. O mais legal é que sinto que isso só cresce, espero um dia ser tão plena como muitos artistas que gosto e admiro.

Quem você convidaria para tomar um café com tapioca? 

Eras! Tem tanta gente boa fazendo música boa nesse mundo que essa pergunta se torna dificílima! Mas se eu fosse tomar um café e bater um papo sobre música com alguém, convidaria a Mallu (Magalhães). Ela é uma boa parte das minhas influências pra esse projeto autoral e adoraria que ela me ensinasse algumas coisas com aquele jeitinho de ser.  Tem uma banda potiguar muito firme que inspirou até uma das minhas canções e com quem eu adoraria dividir experiências também, a Plutão Já Foi Planeta. Som muito bom pra quem curte um indie rock ou um folk, como eu. Aqui no Pará tá fervilhando de coisa bacana também! Eu convidaria a Liége, a Ana Clara e Juliana Sinimbú, cantoras que admiro demais e que estão com projetos excelentes atualmente. Tem também o Elder Effe, da Espoleta Blues, que tem um disco folk que amo. Eu reuniria todo mundo pra cantar no pátio da minha casa! (risos)


Crédito das fotos:
Abertura do post - Fabio Gomes (foto e design)
Foto 1 - Iury Vicenzo
Foto 2 - Ana Paula Rodrigues


Nenhum comentário:

Postar um comentário