Aqui se fala do som dos estados do Norte do Brasil: Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins

domingo, 5 de outubro de 2014

Novo single dos Delinquentes condena devastação ambiental e alienação religiosa

Por Raissa Lennon,
de Belém


Durante todo o tempo de carreira da banda de hardcore de Belém, Delinquentes uma coisa é certa: sua atitude rock’in roll/ agressiva/ enérgica nunca foi perdida. O seu novo single lançado neste mês de setembro, chamado Na Zona da Amazônia é a prova viva disso. Segundo o próprio vocalista Jayme Katarro, a ideia era que o som se aproximasse daquilo que eles faziam antes com um hardcore mais direto, sem perder a linhagem crossover da fase mais atual da banda.

O vocalista também contou no Facebook do grupo, como foi o processo de construção da música, com riffes criados por Pedro Bernardo (guitarra) e Pablo Cavalcante (baixista e back vocal), e um retoque essencial de Raphael Lima (bateria), que teve a ideia de intercalar no meio das estrofes a mistura do punk rock com o hardcore. A letra é de Jayme Katarro, que também ajudou na construção da música.  

Foto: Christian Braga


Sobre a letra, ele conta que se inspirou na luta ambientalista, daqueles que arriscam suas vidas para proteger a Amazônia, e que versa também sobre a impunidade. A inspiração surgiu depois de assistir a uma reportagem do casal José Cláudio Ribeiro da Silva e Maria do Espírito Santo da Silva, ambientalistas e extrativistas considerados sucessores de Chico Mendes, e que foram executados por pistoleiros a mando de madeireiros no sudeste do Pará.

O novo single também engloba a música “Igreja Alienatória”, cujo nome já indica uma crítica as instituições religiosas. Diferente de “Na Zona da Amazônia”, essa música é de 1980, lançada anteriormente em uma demo chamada Não é ficção. A banda resolveu atualizar a música, com influencias também do thrash metal. A introdução foi ideia do baixista Pablo, depois que ele assistiu ao documentário sobre o fanático religioso Jim Jones, que influenciou 908 dos seus seguidores ao suicídio coletivo na Guiana, em 1978.

A parceria com o artista John Bogéa se repetiu mais uma vez, marcando o seu traço característico na capa do single. A árvore macabra e os troncos cortados expressa bem a mensagem dos Delinquentes, a respeito dessa Amazônia que padece. Ao longo da parceria com a banda, Bogéa também assinou a arte da demo Indiocídio, do single Formigueiro Febril, além da capa do DVD Planeta dos Macacos. 

  • Para baixar o novo single com capa, fotos, release, letras e logo da banda, clique aqui 




Ficha Técnica:
Gravado e mixado no LK Music Studio entre julho e setembro de 2014.
Mixado e masterizado por: Kleber Chaar
Produzido por: José Lucas Neves e Delinquentes.
Arte (capa/contracapa): John Bogéa
Delinquentes:
Jayme Katarro: vocal
Pedro Bernardo: guitarras
Pablo Cavalcante: baixo e backing vocal
Raphael Lima: bateria
Participação do coral piaba-core nos 2 sons: Pablo Cavalcante (Delinquentes), Alan Tyson (Fora Parte), Rafael Nagano (Necrosys Rotten), Samara Cardoso (Esgoto Surfers), Claudio Mateus (Peixe De Vala), Gilmour Souza (Mijo de Rato), Cesar Augusto (Immortal Shape), Vevé Fest (Ato Abusivo) e Alexandre “Kalado” Brito (Morte Suicida e Estorvo).

Nenhum comentário:

Postar um comentário