Aqui se fala do som dos estados do Norte do Brasil: Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins

sábado, 5 de julho de 2014

"Mostra Tua Força, Brasil" é o hino da Copa do Mundo 2014

A regra é clara: música e futebol são duas paixões nacionais no Brasil, logo a combinação de ambas é mais do que natural numa Copa do Mundo. Tem sido assim no país desde 1938, ao menos - nas anteriores, em 1930, com a disputa no Uruguai, ninguém sabia bem se o torneio iria se firmar, e em 1934, quando a Copa foi disputada na Itália, o Brasil foi eliminado já na primeira partida. Mas com a primeira Copa disputada na França, em que tivemos craques como Leônidas e Domingos da Guia, a produção musical "copeira" já foi significativa, incluindo alguns clássicos de Ary Barroso lançados por Carmen Miranda

Mas, afora a Copa de 1950, que sediamos (e perdemos para o Uruguai no último jogo), não se registrava antigamente a composição de músicas visando especificamente incentivar o desempenho da Seleção Brasileira e o engajamento da torcida. Isto aconteceu mais a partir de 1962, com "A Taça do Mundo é Nossa" (Wagner Maugeri - Lauro Müller - Maugeri Sobrinho - Victor Dagô), porém a composição havia sido lançada ainda em 1958, logo após nossa primeira conquista, na Copa realizada na Suécia. A tendência atual tem um marco inaugural importante em 1970, com "Pra Frente Brasil", de Miguel Gustavo.

Contemporaneamente, podemos dizer que há três fontes desse tipo de música ufanista: a produção espontânea de artistas populares, jingles de emissoras de televisão e jingles elaborados para comerciais de empresas. O primeiro tipo tem sido o mais 'perecível' - quantos ainda cantam (ou lembram) de "Brasil Campeão", que Moraes Moreira e Pepeu Gomes incluíram como última faixa de seu LP Moraes e Pepeu, de 1989 (um dos versos dizia que "Em Roma vai dar Romário". O Brasil não chegou a jogar na cidade, e Romário só entrou no final do jogo em que nossa Seleção foi eliminada, quando não havia tempo pra mais nada). 

O segundo tipo acaba se firmando mais na mente do torcedor, devido à grande vantagem da execução maciça, afinal toda vez que a Copa é citada no ar, a emissora programa lá sua música exclusiva ao fundo. No caso da TV Globo, essa fixação mental fica ainda mais forte porque a emissora tem usado a mesma composição para tema de transmissões de Copa ou de qualquer ocasião que leve a Seleção Brasileira a campo desde... 1994! Até a Copa anterior, a Globo seguia a linha de um jingle por Copa, mas talvez o fracasso em 1990, ano do jingle "Papa essa, Brasil" (num infeliz trocadilho com o fato de o Papa morar no Vaticano, Estado nacional rodeado pela Itália por todos os lados, mais o verbo papar, comer, engolir, sem contar uma possível propaganda subliminar de seu caça-níqueis de então, o Papa-Tudo, uma versão global da Tele-Sena de Sílvio Santos), associado ao sucesso em 1994, quando o Brasil se sagrou tetracampeão nos Estados Unidos, fez a emissora manter a música, só alterando partes da letra a cada quatro anos. Ou é falta de imaginação mesmo, sei lá. Enfim. 

O caso é que agora em 2014, pela primeira vez um jingle empresarial fez tanto sucesso que levou à própria Globo a quase sepultar seu jingle caquético, que começa com os versos desprovidos de qualquer sentido Eu sei que vou, vou do jeito que eu sei..., e que felizmente se ouve cada vez menos (a não ser na versão instrumental, cuja introdução segue puxando as aberturas de transmissões de jogos). A façanha começou a ser obtida por um jingle interpretado por uma cantora do Norte - "Todo Mundo", música que a paraense Gaby Amarantos e o grupo carioca Monobloco gravaram para a Coca-Cola com tanta antecedência (o lançamento aconteceu em junho de 2013) que a empresa na ocasião nem chegou a assinar a campanha, só o fazendo neste ano. Veja aqui o clipe do jingle.



Maaas o jingle que se firmou nos corações e mentes dos brasileiros nesta Copa é a campanha do Banco Itaú, com "Mostra Tua Força, Brasil", música de Jair Oliveira interpretada pelo vocalista dos Titãs Paulo Miklos com a amapaense Fernanda Takai. A música foi lançada num anúncio que começou a ser veiculado em 19 de março. Já em 3 de abril, o Itaú postou no Facebook o clipe da canção, registrando sua gravação, que teve a direção musical de Wilson Simoninha, e algo de making-off.





A composição, de contornos épicos e que foi profética ao citar o "hino à capela" (um dos itens mais emocionantes. e até um pouco polêmico, do atual mundial), tem feito tanto sucesso que em 21 de junho o Itaú lançou uma nova versão, cantada por crianças e também artistas com maior apelo junto ao público, como Cláudia Leitte, Thiaguinho e Luan Santana. O diretor Simoninha aparece ao final, cantando no meio da galera. Assista aqui.


Nenhum comentário:

Postar um comentário