Aqui se fala do som dos estados do Norte do Brasil: Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins

sexta-feira, 18 de abril de 2014

Shows da Semana: Sergio Salles, Ronaldo Silva & Allan Carvalho

O Sesc Centro (Macapá) recebeu nesta terça, 15, um raro programa duplo no Projeto Botequim. Como os paraenses Ronaldo Silva e Allan Carvalho se encontravam na capital amapaense (onde já haviam feito um show na sexta, 11), o cantor e compositor Sergio Salles, que estava na pauta desse dia, ofereceu-lhes parte do seu tempo para que ambos cantassem no Sesc.

Sergio Salles (fotos: Fabio Gomes)

Sergio Salles abriu os trabalhos por volta das 22h, interpretando apenas composições próprias, como "Nada Bem" e o samba "Proverbiando", além de músicas falando de horóscopo e da vida noturna. 





O violonista Helder Melo (acima), que acompanhou Sergio, aproveitou para mostrar sua composição "Diáspora".

Em seguida, Ronaldo e Allan voltaram a apresentar seus principais sucessos, tanto do repertório do Arraial do Pavulagem quanto das respectivas carreiras solos, tendo no acompanhamento os músicos Franklin Furtado (percussão), Alan Gomes (baixo) e Paulo Bastos (percussão) - o primeiro, paraense, veio com Ronaldo e Allan para esta temporada; os outros dois, amapaenses.

O bom público presente ao SESC cantou e dançou ao sucesso de temas como "Biduin", "Represa do Querer", e várias outras toadas de boi (com homenagens aos bois Malhadinho e da Estrela, além, é claro, do Boi Pavulagem), retumbões e até reggae (sim!).


Allan Carvalho e Ronaldo Silva;
em segundo plano, Alan Gomes e Franklin Furtado


Outro destaque da noite é que a cantora Patricia Bastos fez ali sua primeira aparição pública após o anúncio de sua tripla indicação para o 25º Prêmio da Música Brasileira.

Allan Carvalho, Alan Gomes, Patrícia Bastos,
Franklin Furtado, Ronaldo Silva e Paulo Bastos

Patrícia iniciou cantando "Rodopiado", música de Ronaldo Silva que gravou no CD Zulusa (2013), tendo o autor declamando na hora do solo. Seguiu com "O Meu Grande Amor não há quem Meça" (Enrico Di Micelli - Joãozinho Gomes), do CD inédito Timbres e Temperos, que dedicou ao esposo, de aniversário naquela terça; nesta canção, Enrico Di Micelli acompanhou Patricia ao violão. Em seguida os dois, Enrico e Patricia, cantaram outra do já citado CD inédito, "Estamparia" (Enrico Di Micelli - Jorge Andrade). 


Alan Gomes, Patricia Bastos, Franklin Furtado, Paulo Bastos e Enrico Di Micelli

Ronaldo e Enrico mostraram uma antiga parceria sua, do tempo em que Enrico (que é paraense) ainda morava em Belém: "Vida Vadia", composição que lembra muito o estilo de Vital Lima.


Ronaldo Silva, Alan Gomes, Franklin Furtado, Enrico Di Micelli e Paulo Bastos

A hora da canja prosseguiu com Paulo Bastos, que chamou sua mãe Oneide Bastos para cantar uma homenagem a Danniela Ramos, bisneta de mestre Julião Ramos, patriarca do marabaixo do Laguinho, bairro do qual foi um dos fundadores. Na sequência, Paulo cantou outra música sua, na qual compara o Criador a um compositor.


Oneide Bastos, Alan Gomes e Paulo Bastos


Retomando os trabalhos, Allan Carvalho surpreendeu fazendo uma versão sensível do "Baião Psicodélico" (Zé Gonzaga) - inclusive com trechos em inglês (!) -, que emendou com "Qui nem Jiló" (Luiz Gonzaga - Humberto Teixeira). Ronaldo voltou ao palco, e a dupla mandou logo o hit "Tambor de Couro" (Ronaldo Silva), seguindo-se uma sequência de merengues (incluindo o  "Merengue Latino", também de Ronaldo, que menciona Macapá na letra). Pra encerrar, o clássico carimbó "Lua, Luar" e, apenas nas vozes de Allan e Ronaldo, "Bandeira de Ouro". 




Nenhum comentário:

Postar um comentário