Aqui se fala do som dos estados do Norte do Brasil: Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins

terça-feira, 1 de abril de 2014

Shows da semana: Macapá e Belém


  • Brenda Melo - SESC Centro (Macapá), 25.3.14



Hoje uma das principais intérpretes jovens do Amapá, a cantora reapresentou no SESC seu show Brenda Melo Acústico para Elas, que já havia feito no Museu Sacaca cinco dias antes, mas com diversas modificações. Manteve-se a base do repertório, que vem do seu show Canta Brasil, com sucessos de autores amapaenses (Osmar Júnior, Val Milhomem, Joãozinho Gomes, Enrico Di Micelli) e de diversas partes do Brasil ("Vatapá", de Dorival Caymmi, ao final do qual Fabinho citou o "Brasileirinho" de Waldir Azevedo; "Quando o Amor Acontece", de João Bosco e Abel Silva; "Apenas Mais uma de Amor", de Lulu Santos, que o público cantou junto; entre outras). O show teve diversas participações especiais: com Carmem Peniche, Brenda cantou "Iná" (Adilson Alcântara); com Tayane Menezes (que, aniversariando, ganhou de Brenda um "Parabéns" em ritmo de marabaixo), "Folhetim" (Chico Buarque); com Kassya Karoline, "Lágrimas e Chuva" (Leoni); com Alexandra Moraes, "Boa Noite" (Djavan); com Jadson Mello, "Tristeza do Jeca" (Angelino de Oliveira); com Brenda Fernandes (com Brenda Melo, na foto de Kassya Karoline), "Balança Pema" (Jorge Ben). Rosane Rodrigues interpretou uma canção em francês; Brenda prometeu estudar o idioma para em breve cantar em dueto com a amiga. Já Danniela Ramos cantou marabaixos tradicionais, como "Aonde tu vai rapaz", de Raimundo Ladislau, e "Açucena". Ao final, Brenda convocou todas as convidadas, mais Rebecca Braga, para cantarem "Mão de Couro" (Val Milhomem - Joãozinho Gomes). No bis, Kassya e Loren Lua fizeram "Tajá" (Osmar Júnior - Fernando Canto), e Brenda Melo mandou "Preta Pretinha" (Moraes - Galvão). A banda estava formada pelos músicos Fabinho (violão), Taronga (violão baixo), Jefferson Silva (sanfona), Nena Silva e Fábio Mont'Alverne (percussão). 


  • Silmara Lobato - Museu Sacaca (Macapá), 27.3.14



A vocalista da banda Nenhum de Nós fez um show solo, acompanhado por dois companheiros de banda (Taronga - violão, e Fábio Mont'Alverne - percussão), e recheado de participações especiais. Dividiram o palco com Silmara as cantoras Taty Taylor, Carmem Peniche, Kassya Karoline e Josy Di Lima (que chegou a antecipar a roda de carimbó que geralmente encerra o Fim de Tarde no Museu). Silmara lembrou sucessos consagrados como "Alô Alô Marciano" (Rita Lee) e "O que é, o que é" (Gonzaguinha). O momento da poesia contou com a poeta Annie Carvalho (foto ao lado) tendo como convidada a atriz Kassia Modesto; ambas apresentaram poemas próprios, além de clássicos assinados por Vinicius de Moraes e Paulo Leminski, entre outros. Cássio Pontes fez um pré-show, abrindo para Silmara.



  • Pedro Vianna - SESC Boulevard (Belém), 28.3.14


FotoNa sexta, o cantor Pedro Vianna reapresentou, de forma compacta, seu tributo ao compositor capixaba Sérgio Sampaio (1947-94), que já fizera no dia 12 no Teatro Waldemar Henrique. Em pouco menos de uma hora, Vianna relembrou os principais sucessos do autor, com destaque para os mais conhecidos, que o público cantou junto, "Cala a Boca Zebedeu" (em realidade, de autoria do pai, de Sérgio, Raul Sampaio) e, naturalmente, "Eu Quero é Botar o Meu Bloco na Rua" (Pedro chegou a brincar dizendo que, se não cantasse este, iria apanhar da plateia). Um destaque foi "Meu Pobre Blues", canção que Sérgio fez quando o produtor da CBS lhe encomendou uma canção para o próximo disco de Roberto Carlos; Sérgio mandou esta, mesmo devendo saber que, com versos como Eu juro que tentei compor/ Uma canção de amor/ Mas tudo pareceu tão fútil/ E agora que esses detalhes/ Já estão pequenos demais/ E até o nosso calhambeque / Não te reconhece mais/ Eu trouxe um novo blues..., a canção jamais seria gravada pelo seu conterrâneo (ambos nasceram em Cachoeiro do Itapemirim). 

  • Rosa Corrêa - Espaço Cultural Boiúna (Belém), 28.3.14


Depois do show de Pedro Vianna no SESC e do de Juliana Sinimbú (que será resenhado num post à parte) no Theatro da Paz, fui ao Espaço Boiúna, o famoso Bar do Mário, onde pude ouvir a cantora Rosa Corrêa, acompanhada pelo violonista Quiure, passear por sucessos e pérolas dos anos 1960 a 80, das quais destaco "Upa Neguinho" (Edu Lobo - Gianfrancesco Guarnieri), a já citada "Meu Pobre Blues", "Negro Amor" (versão de Caetano Veloso para tema de Bob Dylan) e vários 'chicos-buarques'. Após a gig oficial, tivemos ainda a canja de Lúcio Mouzinho com Delcley Machado ao violão. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário