Aqui se fala do som dos estados do Norte do Brasil: Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins

sábado, 19 de abril de 2014

Marabaixo do Laguinho começa Domingo de Páscoa na Casa da Tia Biló em Macapá

Por Mariléia Maciel,
de Macapá





Na casa da Tia Biló os festeiros e integrantes do grupo Raimundo Ladislau deixam tudo pronto para  Domingo de Páscoa, quando o Ciclo do Marabaixo terá início no Laguinho. Os festeiros Iury Soledade e Raimundo Ramos, respectivamente tataraneto e neto do Mestre Julião Ramos, trabalham para que o Ciclo do Marabaixo inicie e encerre dentro das perspectivas de manter a cultura secular e fortalecer a fé no Divino Espírito Santo e na Santíssima Trindade. Os festejos iniciam agora e só encerram em junho, no dia de Corpus Christi.


Iuri Soledade e Raimundo Ramos,
com a gengibirra à espera dos brincantes


No Laguinho a programação segue a tradição e durante os três meses de honrarias acontecem rodadas de marabaixo, bailes de sócios, novenas, missa e café da manhã. Desde que mestre Julião Ramos atravessou do centro de Macapá para povoar o Laguinho, estes momentos são regados a caldo, gengibirra, fogos e muitas roupas floridas e brancas. “Mantemos os costumes dos antigos para preservar nossa memória. Ainda criamos ‘ladrões’ de marabaixo contando nossa história e preservamos nossa fé”, diz Iury Soledade.

Para a abertura do Ciclo, mais de 90kg de gengibre para fazer o gengibirra foram comprados e ¼ de boi será usado com muita verdura para o caldo. “Até domingo a gengibirra está apurada. Ela está na medida, só tem que ser degustada com cuidado, mas o caldo corta o efeito e deixa todo mundo brincar no salão sem problemas até o final da festa” diz Iuri. Os fogos serão manuseados por um profissional para evitar acidentes. As fitas coloridas e as coroas que representam o Divino e a Santíssima Trindade estão limpas aguardando os devotos e promesseiros.

Desde que o Governo do Estado sancionou a Lei aprovada na Assembleia Legislativa, o Ciclo é realizado em quatro locais, dois na Favela, antigo Santa Rita, e dois no Laguinho, que são bairros tradicionais inicialmente povoado por negros. Nos últimos anos a comunidade de Campina Grande, zona rural de Macapá, também realiza as homenagens. O Governo do Estado e a Prefeitura de Macapá patrocinam os eventos. No sábado os festejos começam na Favela, na casa de Bibi Costa e Natalina Costa, e no Laguinho nas casas de Tia Biló e Mestre Pavão. Sempre a partir das 16h.



Nenhum comentário:

Postar um comentário