Aqui se fala do som dos estados do Norte do Brasil: Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins

domingo, 12 de janeiro de 2014

Um carimbó para Belém em seus 398 anos

Mestre Curica comanda a roda que reúne diversos grupos de carimbó
(Foto: Fabio Gomes)


Hoje, 12 de janeiro, é o aniversário de Belém. A capital paraense completa 398 anos. Para comemorar a data, dividimos com vocês um registro exclusivo do Som do Norte - uma amostra de 23 minutos do que foi a roda de carimbó realizada no IAP nesta quinta, 9 de janeiro, para receber a ministra da Cultura, Marta Suplicy (um pequeno trecho já fôra disponibilizado nesta matéria, na própria quinta). A roda reuniu integrantes de diversos grupos de carimbó, entre eles Sancari e Uirapuru, além de personalidades do gênero como Mestre Curica, que em 1971, quando integrava o Uirapuru, participou da histórica primeira gravação de carimbó, ao lado de Mestre Verequete. 

A roda se destinava a mostrar à ministra a cultura paraense (que ela afirmou desconhecer em encontro com os carimboleiros, no ano passado) e pressionar pela promulgação do registro do carimbó como patrimônio imaterial brasileiro. O registro, conforme ela me noticiou durante a entrevista coletiva, irá ser finalizado agora em 2014.

Comemorando então duplamente - a proximidade do registro e o aniversário de Belém - resolvi então editar o material para colocar uma amostra mais significativa dessa roda de carimbó que já é histórica, dadas as circunstâncias citadas. Na abertura, um clássico, "Esse Rio é Minha Rua", de Paulo André e Ruy Barata; em seguida, Curica assume o comando da roda e já de cara manda sua "Pedreirinha de Marituba". 

Além do caráter de comemoração, a postagem não deixa também de ser um protesto. Afinal, como o próprio Curica me falou (em entrevista também disponível no post citado), "o turista chega em Belém, quer ouvir carimbó, não tem, tem que ir pra Marapanim". De fato, afora o projeto da Estação das Docas, nos finais de tarde das sextas-feiras e de espaços como o Coisas de Negro, em Icoaraci, onde você pode apreciar um carimbó autêntico na capital do Estado onde ele nasceu? Esperamos que com o registro do carimbó (e também com iniciativas como a incubadora cultural que a ministra veio inaugurar) novos espaços surjam e se multipliquem. 

Viva o carimbó!

Parabéns, Belém!


Nenhum comentário:

Postar um comentário