Aqui se fala do som dos estados do Norte do Brasil: Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Diogo Soares: "O sucesso tem sua matemática mas o acaso é quem faz o traço"

No final desta semana, a banda acreana Los Porongas faz um breve tour por cidades de Rondônia (incluindo Ariquemes, onde a banda nunca tocou) e do Acre, dentro da comemoração de seus 10 anos. Para saber mais sobre os shows, o aniversário e os planos do grupo, conversamos ontem pelo bate-papo do Facebook com o vocalista Diogo Soares (à esquerda)

Som do Norte - A banda anunciou 3 shows em Rondônia e Acre pra comemorar os 10 anos. Serão apenas estas datas mesmo?

Diogo Soares -  Esse rolê só está sendo possível devido ao apoio do SESC, que nos convidou para tocar em Rio Branco e auxiliou na logística da tour. Isso somado à iniciativa de produtores culturais independentes possibilitou que as três datas rolassem, aproveitando a curta distância entre às cidades. Tem um corredor cultural ali, temos que ocupá-lo mais e acho que esses shows são um passo nessa direção. Neste ano já vínhamos fazendo shows comemorativos aos dez anos no sul e sudeste do país, agora chegou a hora de Ariquemes, Porto Velho e Rio Branco. 


Som do Norte -   O guitarrista da formação original, João Eduardo (à direita na foto acima), estará nestes 3 shows. É possível que ele retorne em definitivo à banda, ou sua volta é mesmo apenas para estes shows?

Diogo Soares -  É a primeira vez que tocaremos juntos novamente desde o último show em 2011, em Belém, então até o momento estamos dedicando a nossa atenção para a preparação desses três shows. Mas até o final do ano dividiremos o palco pelo menos uma vez, pois iremos fazer o show de 10 anos, no Teatrão, em Rio Branco, com João e Carlos Gadelha dividindo as guitarras. Eu tô doido pra ver isso rolando!


Som do Norte -   Pensando nos sonhos de vocês em 2003, quando criaram Los Porongas, e hoje, o que você considera que foi como vocês imaginavam? E o que vocês não podiam fazer a menor ideia de que iria acontecer?

Diogo Soares - Acho que nada foi como a gente imaginava. Cada um aspirava uma coisa mas a banda nos mantinha juntos porque tinha o prazer de tocar junto, de querer viajar pra tocar, de ganhar dinheiro com roquenrol, de fazer amigos. Descobrimos que não sabemos viver sem música, não ganhamos tanto dinheiro quanto queríamos, mas sobrevivemos e hoje cada um mora no seu canto. Fizemos amigos incríveis, descobrimos o nosso jeito de ser felizes em São Paulo (para onde a banda se mudou em 2007), vivendo a música. A gente queria ser importante pras pessoas que nos ouvissem, independente de quantas fossem. Isso continua igualzinho, mesmo para o João que saiu da banda mas continuou se dedicando à  música, no Cambuci Roots, gravando, produzindo discos. A onda boa de tocar com quem se ama e a ambição de contribuir de alguma forma através da arte, de fazer algo relevante, que se conecte com as pessoas desse tempo, essas coisas não mudam, só aumentam. E não imaginávamos que para existir, antes de explodir, era resistir e estar no rolê, porque o sucesso tem sua matemática mas o acaso é quem faz o traço.



Som do Norte - Vocês lançaram um CD muito aclamado no começo de 2011, O Segundo depois do Silêncio (http://musicadonorte.blogspot.com.br/2011/06/disco-do-mes-o-segundo-depois-do.html). Há planos de gravação de novo material em breve? 

Diogo Soares - Já começamos a pré-produção do disco. Os planos são de gravar em São Paulo e no Rio e a previsão de lancamento é no segundo semestre do ano que vem.

Som do Norte - Obrigado, Diogo, um abraço e sucesso à banda!

Diogo Soares - Delícia de entrevista! Abraço!


Saiba mais

Veja as datas da tour em 


2 comentários:

  1. Opa! Boa tarde! Verifiquem as fotos e os comentários correspondentes aos nomes dos músicos. Abs

    ResponderExcluir
  2. Eu vivi o momento do nascimento do Los Porongas em Rio Branco, Foi um momento muito empolgante porque o Diogo Soares ganhou todos os prêmios do Festival Universitário da Canção da UFAC com duas músicas "Quando o inverno passar" e "Vovó Alice". E deixou a todos com um gostinho de quero mais. Foi lindo. E até hoje acompanho suas andanças e as novas composições. To ansiosa pra ver eles na minha cidade, Ariquemes.

    ResponderExcluir