Aqui se fala do som dos estados do Norte do Brasil: Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins

domingo, 21 de julho de 2013

Mapeamento 2013: Manari


77


Grupo - Trio Manari
Cidade/ Estado - Belém (PA)
Participações especiais - Marco André, DJ Waldo Squash, Pio Lobato, Gaby Amarantos (PA), Pedro Luis, DJ MAM, Dundum (RJ), DJ Dolores (SE)

CD
Número de faixas - 10
Gênero/ estilo - MPB
Selo - Na Music
Data de lançamento - 21.6.13

Segundo CD do grupo, lançado 10 anos após o primeiro (Braços da Amazônia)o disco intitulado apenas Manari já estava gravado no ano passado e pronto em abril último, logo não há como a faixa "Hã o Quê" ser uma referência às manifestações que tomaram as ruas do país em junho (e estavam no auge na data em que o disco foi lançado, na primeira noite do Conexão Belém 2013). Mas não dá pra deixar de enxergar algo de profético em versos como "Metade dessa gente parece que não entende/ A metade que entende parece que não escuta/ Neguinho legal que um dia foi à luta/ Agora tá na luta pra saber quanto é que rende.../ Sociólogo pecou no social/ Comunista tá colado com banqueiro/ Também quem gasta tanto na campanha eleitoral/ Um pouco vende a alma a quem lhe deu tanto dinheiro..." (os fatos já aconteciam e eram de nosso conhecimento, mas poucos de nós antes de junho demonstravam esta indignação). A faixa também é uma das que tem percussão mais destacada no CD - sim, embora isso pareça incrível (afinal, o Manari é um grupo de percussão), a percussão não impera em todas as faixas. Há momentos em que o destaque maior é para solo dos convidados (como em "Mana Manari", com letra curta no estilo amazônico consagrado por Vieira e seu Conjunto e Teixeira de Manaus, em que o destaque é para o solo de cavaquinho de Adermizinho da Pedreira, co-autor do tema). Também causa espanto ver que a ficha técnica de cada faixa credita ao Manari apenas "Percussão e voz", na contra-mão do que fizeram tantos CDs dos quais o Manari participou, que detalharam minuciosamente os instrumentos que Márcio Jardim, Nazaco Gomes e Kleber Benigno tocam em cada faixa. O disco traz pelo menos uma candidata a hit instantâneo - "Tecnoíndio", que enumera em andamento frenético os ritmos paraenses e onde se destacam as batidas do DJ Waldo Squash (da Gang do Eletro) - e outra candidata a clássico - "Menina da Pedreira". As duas são parcerias do Manari com Marco André (também produtor e autor de 8 faixas  do disco, 5 das quais em parceria com o Trio, além de vocalista do tema de abertura, "Santería Cubana", lançada em agosto do ano passado no Soundcloud como prévia do disco). 

Onde comprar - Lojas Ná Figueredo (Belém)



Nenhum comentário:

Postar um comentário