Aqui se fala do som dos estados do Norte do Brasil: Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins

quarta-feira, 31 de julho de 2013

Ouvimos: Religião - Maycon Tosh



O CD Religião, de Maycon Tosh, não é, como pode parecer à primeira vista, um disco de tema religioso (ou "gospel", como se chama comumente - e erroneamente - no Brasil). É sim, um bom CD de pop rock, inteiramente gravado em Macapá, onde o artista - autor de melodia e letra de todas as 12 músicas - trata de temas diversos como o amor (em faixas como "Sentimento Meu" e "Roberta é Você"), a questão dos menores abandonados (em "Esperança Ameaçada"), a hipocrisia social ("Uma Chance"), a corrida armamentista mundial ("Armas"). O tema religioso propriamente dito aparece em duas faixas - a última, "Quem quer ir pro Céu" ("mas ninguém quer morrer", observa o autor) e a faixa-título, que abre o disco (onde Maycon questiona a origem do ser humano e seus atos nem sempre elogiáveis cometidos em nome da religião). 

Tudo isto em letras diretas envoltas por melodias simples e eficientes. Chama a atenção também a boa gravação, que permite ouvir com clareza tudo o que Maycon canta (o que hoje em dia deixou de ser padrão até nas grandes gravadoras, que dirá na cena independente). 

Natural de Macapá, Maycon Tosh morou na adolescência na Guiana Francesa e em Belém, até iniciar a carreira musical em 2000, tendo músicas gravadas pela banda Negro de Nós. Posteriormente, foi vocalista da banda Os Detonacool's (onde era autor de algumas das composições gravadas). Religião, concluído em 2012, é seu primeiro CD solo. 

Emília Monteiro comemora sucesso (e inspira poema!)

 Foi um grande sucesso o lançamento ontem, no Clube do Choro de Brasília, do CD Cheia de Graça, da cantora Emília Monteiro. O show teve as participações especiais de Dona Onete e do percussionista Nena Silva, e marcou também a comemoração (antecipada) pelo aniversário do blog Som do Norte


Veja na sequência fotos da memorável noite, e leia ao final poema feito pelo ator e compositor brasiliense Ricardo Guti em homenagem a Emília e Dona Onete, postado no Facebook perto das 2h da manhã de hoje (ou seja, poucas horas após o show). 




A cumplicidade entre Emilia Monteiro e Dona Onete...
(foto: Vitor Hugo)

...já era perceptível mesmo na passagem de som
(foto: Rodrigo Machado)

(foto: Rodrigo Machado)

Emília com a banda que a acompanha
(foto: Rodrigo Machado)

Noite de casa cheia no Clube do Choro
(foto: Rodrigo Machado)

***


É Onete é Emília
É Emília é Onete
tanto desce
quanto sobe
tanto treme
quando geme

E de um simples homem
Viro um belo Moreno
E vejo surgir aos meus olhos
Um parto naquele terreno

E nasce um som de primeira
Com botos de todas cores
 Marabaixo, rock, carimbó
Cordas, sopros, tambores

E fala parteira e cria
em nascimento bonito
Assim explode uma estrela
Perfeita no sussurro ou grito

E reconhece a parteira
Chamando nossa atenção
Com linda voz anuncia
Já nasceu um mulherão

E funde
Madrinha Afilhada
Afilhada Madrinha
Afinada na dança
Passos na mesma linha

E funde
Rainha Princesa
Princesa rainha
Afinada na voz
Da qual reza a linha

(Poema de Ricardo Guti)

segunda-feira, 29 de julho de 2013

Agenda Belém: Studio Pub



Veja Brasília entrevista Emília Monteiro

Veja Brasília destaca esta semana em sua edição impressa o show que Emília Monteiro fará amanhã no Clube do Choro da capital federal, lançando o CD Cheia de Graça. O evento também comemora os 4 anos do Som do Norte, a serem completados no próximo sábado, 3 de agosto. 


VEJA tem por hábito datar suas edições pelas quartas-feiras, 
embora chegue às bancas geralmente ainda no sábado

A edição online da publicação também traz uma matéria com a cantora, que reproduzimos a seguir. Veja a postagem original em http://vejabrasil.abril.com.br/brasilia/materia/sons-do-norte-309

Música

Sons do Norte

Emília Monteiro, amapaense de coração e moradora há 35 anos em Brasília, vai lançar o primeiro CD esta semana

Emília: cantora traz ritmos típicos no norte do país para a capital
Emília: cantora traz ritmos típicos no norte do país para a capital

26.jul.2013 18:38:56 | por Paulo Lannes

A cantora Emília Monteiro vai lançar seu primeiro CD, Cheia de Graça, nesta terça (30) no Clube do Choro. As músicas do álbum foram calcadas em ritmos do Norte do país: o batuque de Mão de Couro e o marabaixo de Mal de Amor colocam o Amapá em evidência, enquanto o carimbó chamegado do Eu Quero Este Moreno pra Mim e o lundu do Meus Ventos são provenientes do Pará. Além disso, há o zouk love do Veneno de Cobra, originário das Antilhas, e três fusões de ritmos: o batuque-jazz Mandacaru, o carimbo-batuque Coisinha e o balada-jazz Mais Eu. Para escutar o CD, clique aqui. A cantora, que tem uma trajetória de vida baseada em muitas viagens para a região amazônica, conta de onde saíram suas influências musicais:


VEJA BRASÍLIA - Você nasceu em Minas Gerais, mas se considera amapaense e vive há 35 anos em Brasília. Afinal, como é a história das suas origens?

Emília Monteiro - Meus pais são amapaenses, nascidos e criados lá. Meu pai trabalhava no Banco do Brasil em uma época que o banco transferia seus funcionários muitas vezes para outras cidades do país. Enquanto isso, os filhos iam nascendo: um em Santa Catarina, o outro no Rio Grande do Sul e eu em Minas Gerais, na cidade de Poços de Caldas. Quando tinha 5 anos, viemos para Brasília e fixamos residência por aqui, mas nunca tivemos família por perto. Quando chegavam as férias escolares, ficávamos muito ansiosos em viajar para Belém e Macapá e encontrar a "Grande Família", que eram os avós, tios, tias e primos.


VEJA BRASÍLIA - O que foi preciso fazer para lançar esse disco?

Emília - Eu me inscrevi num projeto do Fundo de Apoio à Cultura (FAC) para conseguir patrocinar o CD e, felizmente, fui contemplada. 


VEJA BRASÍLIA - Em que você se inspirou para criar o álbum?

Emília - Em 1998, passando férias na casa dos meus pais, que estavam morando em Macapá, me deparei com uma música chamada Mal de Amor. Ela era cantada no ritmo tradicional do marabaixo – típico no Amapá – e me apaixonei por completo. Lá mesmo gravei a canção e passei a cantá-la em shows aqui em Brasília. Daí achei pertinente fazer um CD que trouxesse as minhas referências ancestrais e mais do que isso: que soasse como novidade aos ouvidos das pessoas – que, infelizmente, ainda não têm contato com a cultura amazônica brasileira.


VEJA BRASÍLIA - Como a cidade lhe trata, como cantora?

Emília - Brasília hoje está um pouco melhor para os cantores do que era há dez ou quinze anos, mas sempre pode melhorar. Podíamos ter mais editais de incentivo, ou alguma lei distrital que permitisse ao artista dar continuidade aos seus projetos e, assim, evitar que continuemos a exportar talentos para o eixo Rio-São Paulo.


VEJA BRASÍLIA - Há espaço, aqui na capital, para o ritmo musical que você canta?

Emília - Eu vejo Brasília como uma Torre de Babel às avessas, porque une pessoas de todo o Brasil, não é? A capital é uma cidade propícia a todos os tipos de manifestação musical. Há público para todos os gostos. Além disso, temos outras bandas aqui em Brasília também passeando nesse "rio sonoro amazônico", como é o caso das bandas Muito Bom Gostoso, Soatá e Carimbó Reclinado.

sábado, 27 de julho de 2013

Post sobre participação de Fafá na JMJ garante recorde de acessos

Num período de pouco mais de 27h30, nosso post Fafá de Belém canta para o papa Francisco foi acessado 567 vezes. Não custa lembrar que a publicação se deu na quinta, menos de uma hora após o evento, tão logo o vídeo foi postado no canal da cantora paraense no YouTube. Isto nos mostra que estamos no caminho certo ao optar por direcionarmos o Som do Norte como um blog de hard news no campo cultural. 

Como geralmente acontece nessas ocasiões, a grande procura por um post específico acabou por garantir um recorde de acessos ao blog - ontem foram 1.120, com pico às 11h da manhã da sexta, quando contávamos com 28 leitores por minuto. Até as 16h, tínhamos sempre no mínimo 13 leitores online. 

Agradecemos a preferência! 



quinta-feira, 25 de julho de 2013

Lia Sophia lança "Amor de Promoção"


A Natura Musical liberou para download nesta quinta, 25, a primeira faixa do quarto CD da cantora Lia Sophia, que deve chegar às lojas em breve. A faixa em questão é "Amor de Promoção", música lançada por Lia no 2º Baile Brega Chic, realizado em Belém em 18 de dezembro de 2010, e presença garantida nos seus shows desde então (bem como a outra inédita que teve estreia mundial naquela data, "Ai Menina"). "Amor de Promoção" também fazia parte, numa outra versão que não a lançada hoje, de um EP virtual de Lia divulgado em 2011 do qual também constava "Salto Mortal" e "Ai Menina" (foi este EP que a Rede Globo, à procura de uma música para o núcleo paraense da novela Amor Eterno Amor ouviu, incluindo "Ai Menina" na trilha da trama e o resto você já sabe). 

A gravação lançada consolida a proposta sonora desenvolvida por Lia desde o primeiro Baile BregaChic, acontecido em agosto de 2010 - fazer um som dançante, resultado da mistura rítmica-sonora das mais diversas e sensacionais influências da Guiana Francesa (onde Lia nasceu), do Amapá (onde foi criada) e do Pará (onde mora hoje). A letra fala de um amor amplamente divulgado, porém que se revela sem valor algum (lembrando um pouco "Ex-My Love", de Veloso Dias, outro sucesso novelístico na interpretação de Gaby Amarantos. As duas músicas foram apresentadas em sequência no show de Gaby no Rio de Janeiro em 23 de março de 2012, do qual Lia participou). 

Para baixar a gravação, clique na imagem acima. 

Fafá de Belém canta para o papa Francisco


No começo da noite desta quinta, 25, a cantora Fafá de Belém apresentou-se na praia de Copacabana (Rio de Janeiro), durante a cerimônia de Acolhida do papa Francisco, evento que integra a Jornada Mundial da Juventude. 

Fafá interpretou "Eu Sou de Lá", tema de autoria do padre Fábio de Mello, em homenagem ao Círio de Nazaré, uma das maiores festas religiosas do mundo, que acontece anualmente em Belém no mês de outubro. Chamou a atenção a inserção de elementos do Círio, como a presença de pessoas segurando uma corda, representando os "promesseiros", e também a passagem da berlinda da Santa.


A canção faz parte de dois EPs de Fafá - um lançado durante o Círio 2012, com circulação restrita ao Pará, e o recente Amor e Fé (http://somdonorte.blogspot.com.br/2013/05/mapeamento-2013-amor-e-fe.html), lançado em maio visando justamente a Jornada Mundial da Juventude.

É a terceira vez que Fafá se apresenta para um papa, sendo a segunda no Brasil. A primeira foi em 1997, no Maracanã, no 2º Encontro Mundial do Papa com as Famílias, quando ela cantou ‘Ave Maria’, de Vicente Paiva e Jayme Redondo, antigo sucesso de Dalva de Oliveira, para o papa João Paulo II (ao final da canção, quebrou o protocolo indo abraçar o papa. Desta vez, limitou-se a beijar a mão de Francisco). Curiosidade: no dia seguinte à apresentação de Fafá para João Paulo II, chegava às lojas um CD com a gravação ao vivo do show da véspera (nossa indústria fonográfica já foi mais ágil que hoje). Em 2006, a paraense intrepretou a mesma música para Bento XVI no 5º Encontro Mundial do Papa com as Famílias em Valência (Espanha). 


Mapeamento 2013: Zankerada


81

Artista - Fineias Nelluty
Cidade/ Estado - Macapá (AP)
Participação especial - Muriella Buchert (Guiana Francesa)
CD
Número de faixas - 10
Gênero/ estilo - zankerada
Data de lançamento - 28.5.13

O CD apresenta um novo ritmo, a zankeradacriada por Fineias, músico amapaense com 27 anos de carreira, mesclando elementos de zouk, guitarrada, lambada, cacicó e outros ritmos típicos de Amapá, Pará e Guianas - daí o subtitulo do álbum de Amazon Caribbean. Com nítida proposta dançante, o disco lembra por vezes o clima dos discos de Beto Barbosa no auge da onda nacional da lambada (1989-90). As letras exaltam o amor, a festa, as danças (além de "A Dança da Zankerada", traz ainda "A Dança do Lhêg, Lhêg", que seria dançada pela "minha tribo" na fronteira do Amapá com a Guiana). O tema da fronteira também se faz presente na faixa de abertura, "A Ponte da Fronteira", na qual o eu-lírico se propõe a ir até a Guiana Francesa procurar o seu amor, para então dançar cacicó, zouk love, beguine e compá; a faixa tem participação da cantora franco-guianense Muriella Buchert, cantando o trecho da letra em francês. (Obs: a ponte ligando o Amapá à Guiana Francesa está concluída desde junho de 2011, aguardando a visita do presidente da França, François Hollande, para inaugurá-la ao lado da presidente do Brasil, Dilma Rousseff). Todas as músicas são de autoria de Fineias, que teve Weverton Nelluty como parceiro em "Ela Gosta de Arrasar". 


Mapeamento 2013: Amor de Deus


80

Banda - Vazo Novo
Cidade/ Estado - Belém (PA)
Single
Gênero/ estilo - rock cristão
Data de lançamento - 23.7.13

A banda Vazo (sic!) Novo de Belém lançou esta semana seu single "Amor de Deus", onde o eu-lírico lamenta a vida vazia que levava até encontrar a mensagem do Senhor. A banda é formada por Jonas Howlett  (voz),  Rafael Guittar  (guitarra solo),  Jailson Cardins  (guitarra base),  Joelson Cardins  (baixo) e Renan Drum's (bateria).  


Elogiada por Charles Gavin, Emília Monteiro lança CD Cheia de Graça dia 30


O CD Cheia de Graça, da cantora Emília Monteiro, nosso "Disco do Mês" de junho, já é o 6º disco mais ouvido da história do blog Música do Norte, com 1477 acessos de 3 de junho até este momento (mais de 28 acessos por dia, em média!). Além de alcançar esta invejável marca, o disco foi elogiado na noite desta terça, 23 de julho, pelo músico Charles Gavin (um dos principais bateristas do rock nacional, com passagens por Ira!, RPM e Titãs).

Apresentador desde 2007 do programa O Som do Vinil no Canal Brasil, Gavin saudou tanto o Cheia de Graça quando o Música do Norte:

"Excelente o trabalho da Emilia! E o blog é sensacional. Parabéns para todos! 
Charles Gavin"


Charles Gavin também nos mencionou
em seu Facebook pessoal 


Na tarde de ontem, Emília comemorou com uma postagem em sua página no Facebook:

"FELICIDADE É POUCO !!!!

Um comentário queridíssimo de Charles Gavin, ex-Titãs e apresentador do maravilhoso programa
O Som do Vinil sobre o CD "Cheia de Graça" e sobre o Blog Som do Norte ...

Obrigada pelo carinho Charles, ter o aval de alguém como você, grande músico e profundo conhecedor da Música Brasileira, antes mesmo do lançamento oficial, é um bálsamo de incentivo e entusiasmo pra nós !!!

Grande beijo."

De fato, embora já tenha repecurtido bastante, o disco de Emília será lançado mesmo oficialmente na próxima terça, 30 de julho, em show no Clube do Choro de Brasília que contará com a participação especial de Dona Onete. O evento também irá comemorar os 4 anos do Som do Norte, a serem completados no próximo dia 3 de agosto. 




terça-feira, 23 de julho de 2013

Mapeamento 2013: Suíte das Amazonas


79

Artistas - Sebastião Tapajós, Ney Conceição, Trio Manari
Cidade/ Estado Santarém (S.Tapajós) e Belém (N. Conceição, Manari)

CD
Número de faixas - 7
Gênero/ estilo - MPB
Data de gravação - maio de 2011
Data de lançamento - fevereiro de 2013

A "Suíte das Amazonas" propriamente dita, a música, foi apresentada por Tapajós, Conceição e Manari em espetáculo com este nome realizado em junho de 2010 no Teatro Margarida Schivasappa (Belém). Na  ocasião, Tapajós definiu ao site Guiart que se inspirou "nas mulheres que vivem no interior da Amazônia. Essas mulheres, na maioria, são tão guerreiras quanto as lendárias amazonas, pela força com que lutam para ganhar a vida, para ser respeitadas pelos homens, e para criar os filhos. Muitas são impressionantes pela capacidade que têm, pela autonomia e pela dignidade. São bons exemplos para mães e pais de jovens e de crianças, principalmente de mocinhas e meninas que estão tendo a dignidade e o futuro destruídos pelos abusos e pelo abandono que as atinge no ambiente doméstico”. A peça, de autoria de Tapajós, tem vários movimentos curtos e ocupa 22 minutos da faixa 3 do CD. Completam o disco outras 6 músicas, sendo 2 de cada participante (Tapajós, Manari e Conceição). Uma das outras faixas assinadas por Tapajós é a conhecida "Igapó", onde Conceição sola fazendo as vezes do vocalise característico de outras gravações. Também de Sebastião é uma homenagem a um dos parceiros de disco: "Uma pro Ney". Conceição assina "Resposta" e "Chuvas de Belém". Já o Manari compôs para o trabalho "Luanda Bissal" (sic), a única faixa cantada do disco, onde como sempre fazem reverenciam Verequete, e "Tribo Amazônica". Neste disco, diferentemente do que ocorre em seu CD solo, intitulado Manari, o trio explora todas as possibilidades de nuances interpretativas de seu vasto arsenal percussivo, recheando os temas de sutis referências à fauna e flora da Amazônia. Uma pena que, novamente, a identificação do arsenal na ficha técnica do CD vem simplesmente como "Trio Manari: percussão". 




segunda-feira, 22 de julho de 2013

Mapeamento 2013: Coração de Aprendiz


78

Artista - Mário Mouzinho
Cidade/ Estado - Belém (PA)
Participações especiais - Andréa Pinheiro, Alcyr Guimarães, Álvaro Rachid/Zé Old, Mahrco Monteiro, Jorge Eggs, Antônio Maneschy (PA), Nazaré Pereira (AC), Lia Sophia (AP), Antônio Pereira (AM)
CD
Número de faixas - 11
Gênero/ estilo - MPB
Data de lançamento - 18.4.13  

Segundo CD do cantor, compositor e produtor paraense. Produzido e dirigido pelo próprio Mário Mouzinho, o CD tem arranjos de Floriano e Pedrinho Callado (que também atuam como instrumentistas nas respectivas faixas que arranjaram). Os principais temas do CD são o amor, a amizade e a natureza. "Muralhas do Forte" (parceria com Eduardo Neves) destaca o Forte do Presépio, construção do século 17 no coração da Cidade Velha (Belém).  Todas as faixas são assinadas por Mouzinho, com parceiros como Jorge Andrade e Álvaro Rachid, também conhecido como "Zé Old" (cada um deles co-assinando quatro faixas). Um dos destaques do CD é o grande número de participações especiais, de artistas de quatro estados da região Norte, inclusive a rara participação de Lia Sophia em disco alheio (conforme Mouzinho informou no primeiro dos shows de lançamento do álbum - veja cartaz acima -, o registro de Lia foi gravado antes da explosão nacional de "Ai, Menina"). 


domingo, 21 de julho de 2013

Mapeamento 2013: Manari


77


Grupo - Trio Manari
Cidade/ Estado - Belém (PA)
Participações especiais - Marco André, DJ Waldo Squash, Pio Lobato, Gaby Amarantos (PA), Pedro Luis, DJ MAM, Dundum (RJ), DJ Dolores (SE)

CD
Número de faixas - 10
Gênero/ estilo - MPB
Selo - Na Music
Data de lançamento - 21.6.13

Segundo CD do grupo, lançado 10 anos após o primeiro (Braços da Amazônia)o disco intitulado apenas Manari já estava gravado no ano passado e pronto em abril último, logo não há como a faixa "Hã o Quê" ser uma referência às manifestações que tomaram as ruas do país em junho (e estavam no auge na data em que o disco foi lançado, na primeira noite do Conexão Belém 2013). Mas não dá pra deixar de enxergar algo de profético em versos como "Metade dessa gente parece que não entende/ A metade que entende parece que não escuta/ Neguinho legal que um dia foi à luta/ Agora tá na luta pra saber quanto é que rende.../ Sociólogo pecou no social/ Comunista tá colado com banqueiro/ Também quem gasta tanto na campanha eleitoral/ Um pouco vende a alma a quem lhe deu tanto dinheiro..." (os fatos já aconteciam e eram de nosso conhecimento, mas poucos de nós antes de junho demonstravam esta indignação). A faixa também é uma das que tem percussão mais destacada no CD - sim, embora isso pareça incrível (afinal, o Manari é um grupo de percussão), a percussão não impera em todas as faixas. Há momentos em que o destaque maior é para solo dos convidados (como em "Mana Manari", com letra curta no estilo amazônico consagrado por Vieira e seu Conjunto e Teixeira de Manaus, em que o destaque é para o solo de cavaquinho de Adermizinho da Pedreira, co-autor do tema). Também causa espanto ver que a ficha técnica de cada faixa credita ao Manari apenas "Percussão e voz", na contra-mão do que fizeram tantos CDs dos quais o Manari participou, que detalharam minuciosamente os instrumentos que Márcio Jardim, Nazaco Gomes e Kleber Benigno tocam em cada faixa. O disco traz pelo menos uma candidata a hit instantâneo - "Tecnoíndio", que enumera em andamento frenético os ritmos paraenses e onde se destacam as batidas do DJ Waldo Squash (da Gang do Eletro) - e outra candidata a clássico - "Menina da Pedreira". As duas são parcerias do Manari com Marco André (também produtor e autor de 8 faixas  do disco, 5 das quais em parceria com o Trio, além de vocalista do tema de abertura, "Santería Cubana", lançada em agosto do ano passado no Soundcloud como prévia do disco). 

Onde comprar - Lojas Ná Figueredo (Belém)



sábado, 20 de julho de 2013

Mapeamento 2013: Eu me Rendo


76

Banda - Banda Calypso
Cidade/ Estado - Almeirim (PA)(Joelma)/ Belém (PA)(Chimbinha), atualmente residindo em São Paulo (SP)
CD
Número de faixas - 15
Gênero/ estilo - bachata
Gravadora - Radar Records/ Calypso Produções
Data de lançamento - 15.6.13

Neste disco, seu 19º CD - sendo o 12º de estúdio -, a Banda Calypso volta seu trabalho para o ritmo bachata, oriundo da República Dominicana, e que recentemente tem se popularizado em outros países. Contendo 20 músicas (três faixas são pot-pourris), traz em versão bachata inclusive sucessos já gravados anteriormente pela Banda, como "Objeto de Desejo", "Maridos e Esposas" e "Fala Pra Mim". Também foi via bachata que chegou ao disco um clássico da soul music, "Stand by Me", que virou "Só pra Mim" na versão em português. Lançado em 1960 por Ben E. King e regravada em 1975 por John Lennon, "Stand by Me" foi em 2010 um dos destaques do primeiro disco de Prince Royce, considerado o Príncipe da Bachata. O disco traz ainda regravações de sucessos de Joanna ("Amor Bandido"), Fafá de Belém ("Abandonada"), Fagner ("Pressentimento"), Léo Magalhães ("Onde Anda O Meu Amor") e Banda Magnificos ("Telefone Fora de Área"). "Meu Deus É Fiel" é uma faixa com temática religiosa; na semana em que o CD ficou pronto, Joelma anunciou em show a decisão de gravar em breve um CD solo gospel, o que gerou boatos sobre o fim da Calypso, prontamente desmentidos pelos integrantes e sua assessoria. Até o momento, o disco foi lançado apenas promocionalmente, não constando ainda no site oficial da Banda Calypso, embora já seja localizável em vários sites para download. A previsão é que o CD chegue às lojas em agosto, sendo vendido junto com o DVD promocional As Melhores da Banda Calypso. O disco sai apenas 7 meses depois do lançamento do 18º CD, Eternos Namorados, de novembro de 2012.  




Em 'Viva Xingu!', Israel Di Souza rima contra Belo Monte


O rapper paraense Israel Di Souza, o +Amor, lançou na tarde deste sábado "Viva Xingu!", som em que faz rimas de rap sobre base de carimbó (onde se destacam o banjo e o saxofone), criando assim uma 'cama sonora' belíssima para falar de um tema espinhoso - a construção da hidrelétrica de Belo Monte, em intalação nas margens do rio Xingu, próximo a Altamira, no sudoeste do Pará, apesar dos alertas de ambientalistas antes e de protestos de indigenas e de trabalhadores da obra já durante a construção. 

O alerta de Israel fica valorizado pela decisão de incluir no rap-carimbó um trecho de autêntico carimbó, sampleando uma antiga gravação de Verequete. 




Recentemente, Israel tratou em sua obra de outro tema atualíssimo, quando compôs, a nosso pedido, o rap "O Poder Público e a Sua Autoridade", criticando a truculência policial contra as manifestações que tomaram a rua do país de junho para cá. Ouça e baixe em http://somdonorte.blogspot.com.br/2013/06/rap-de-israel-di-souza-critica.html

Mapeamento 2013: Garota Infernal



75

Artista - JayM
Participações especiais - Lifsitch, Teto Preto (Ruivo, Johnny V, Lima)
Cidade/ Estado - Manaus (AM)
Single
Gênero/ estilo - rap/hip-hop
Data de lançamento - 5.7.13

Nem só de protesto vive o rap/ hip-hop, aqui temos uma letra que descreve a expectativa do cara ante o encontro com uma garota 'infernal, irresistível, obra-prima', que também é 'selvagem, toda tatuada, gostosa, abusada, safada, ousada'. As rimas conseguem exaltar o amor carnal, com alta voltagem sensual, sem jamais cair na vulgaridade. 




quarta-feira, 17 de julho de 2013

Música do Dia: O Final


A música destaque de hoje é "O Final", de Allan Jorge, que vamos ouvir numa gravação de Tábita Veloso & Os Forjadores realizada em julho de 2012. Exatamente um ano antes, em julho de 2011, essa canção foi lançada num show que eu dirigi, na época em que produzia o trabalho da Tábita, a quem conheci numa circunstância bem curiosa. 

Numa tarde de junho de 2011, eu tinha ido à loja do técnico de informática que cuidava do meu computador. A loja era no bairro Nazaré, em Belém, no qual eu também morava na época. O técnico, lembrando que eu falara que trabalhava com produção de artistas, me recomendou que produzisse a atendente da loja, Marisol Nascimento. Ela pegou um violão e cantou (bem) uma música, mas ao final disse que era mais atriz que cantora, acrescentando que a amiga dela, sim, é que cantava pra valer - e apontou a tal amiga, Tábita Veloso, que ali estava e até então ficara só acompanhando tudo em silêncio. Passou-se o violão para as mãos de Tábita e verifiquei que Marisol não exagerara. Começamos, então, a trabalhar juntos.

De imediato, escalei Tábita para a festa que eu promovi no Vitrola em 30 de junho, Som do Norte Abrindo o Verão. Como ela precisava de mais um violonista, Marisol lhe indicou um amigo dela, Allan Jorge, integrante da banda Crisantempo (onde, por sinal, ele era percussionista). Conheci Allan no dia da festa mesmo, a participação dele somou muito bem com a proposta de Tábita e decidimos mantê-lo para os compromissos seguintes já acertados - uma rápida apresentação no bar e restaurante Veneza, e um pocket show no projeto que eu fazia então na Saraiva Megastore, Som do Norte na Saraiva

Foi a primeira vez que eu montei um show diretamente com a artista, e a dirigi até o resultado final (no ano anterior, trabalhando com Nanna Reis no show Brasilidade, nós partimos do show original dirigido por Alfredo Reis, tendo eu promovido algumas poucas alterações no roteiro original). Pois bem,  um belo dia , num dos ensaios na casa da Tábita, enquanto debatíamos o repertório do pocket show, Allan nos perguntou se poderia mostrar uma de suas composições, e surpreendeu-nos com a beleza de "O Final". O único reparo que me permiti fazer foi a de que Prometeu, na mitologia grega, não era um deus, como é dito na letra, mas sim um titã que ousou desafiar Zeus e dar o fogo, até então exclusivo dos deuses do Olimpo, à humanidade; Allan me respondeu que sabia mas preferia deixar a letra assim mesmo, com essa licença poética.

Evidente que "O Final" entrou no roteiro do pocket show, e fez muito sucesso ao ser apresentado na Saraiva em 8 de julho, com boa parte dos espectadores já cantando junto o refrão quando das suas repetições, o que indica sua força.

No mês seguinte, Tábita optou por se produzir, passando a ser acompanhada por músicos que faziam parte da Crisantempo e da Suíte Imaginária, surgindo então Os Forjadores. Na foto que abre o post, Tábita está à esquerda, e Allan é o segundo da direita para a esquerda, de camiseta cinza e óculos escuros, ao fundo. Em 2012, outra música de Allan, "O Mundo não é Azul", deu a Tábita & Os Forjadores o primeiro lugar tanto no Festival da Rádio Cultura, de Belém, quanto no 3º Festival de Música das Rádios Públicas do Brasil - ARPUB, de âmbito nacional.


 

Ficha técnica:

Gravado em julho de 2012
Mixado por Allan Jorge
Allan Jorge: Bateria, Violão e vozes
Tábita Veloso: Voz
Guto Ribeiro: Contrabaixo
Alexandre Brandão: Guitarra
Emílio: Teclado

terça-feira, 16 de julho de 2013

A Volta do Astronauta lança "Gráviton"

Larissa, Emanuel, Ricardo, Bruno

A banda A Volta do Astronauta, de Belém, é assim uma espécie de dream team (equipe dos sonhos, em inglês), considerando-se que vários de seus integrantes fazem ou fizeram parte de importantes grupos da capital paraense -  Ricardo Maradei é ex-Stereoscope, Larissa Xavier integra também La Orchestra Invisível e Bruno Oliveira é um dos The Baudelaires. Emanuel Paz completa o grupo. 

Formada em 2012, a banda tem apostado em lançar periodicamente novo conteúdo diretamente na internet, sem nem chegar a formalizá-lo em singles ou EPs virtuais.  

Assim, foi diretamente em seu Soundcloud, no domingo, 14 de julho, que a 'Volta' lançou sua quinta canção, "Gráviton", que une elementos de psicodelia a ecos do Clube da Esquina, lembrando às vezes um pouco o clima de La Orchestra Invisível. Pra quem não sabe (eu, por exmplo, jamais suspeitaria), "gráviton" é um conceito vindo da Física, designando uma partícula elementar que não existe, mas cuja existência foi teorizada em 1934 para ajudar a explicar a gravidade. O gráviton seria assim o responsável pela transmissão da força da gravidade.


 

Gaby Amarantos faz 5 shows em 3 países na próxima semana



Agenda Manaus: Riffs Desplugados Especial Dia Mundial do Rock apresenta Essence


O Riffs Desplugados em comemoração ao Dia Mundial do Rock recebe como convidada nesse mês de julho a banda Essence, uma das expoentes do rock local. O pocket show acontece nessa sexta, 19 de julho, às 19h30 no Espaço Cultural Thiago de Mello, na Livraria Saraiva Megastore Manauara Shopping, com entrada franca e de quebra ainda rola sorteio das “Marmitas Culturais”, ou seja, CD´s, DVD´s, livros e etc.

Na ocasião a Essence estará lançando a coletânea intitulada Dias de Guerra, que contém os principais hits da banda, que celebra este mês 16 anos de estrada. O baterista Carlos Araújo, em conversa com a Manifesto Norte, disse que no show do Riffs a banda vai brindar os fãs com algumas músicas inéditas. 

Riffs Desplugados 




Há 2 anos, o Riffs serve de palco alternativo para  artistas e bandas que querem divulgar o seu trabalho autoral, sem restrições. O objetivo do projeto é movimentar o circuito da música independente em Manaus. 

Já passaram pelo palco do evento em 2013, as bandas: Senta Pua, The Mones e Sátiros (CE).

Próximos Shows:

23/08 - Infâmia 

20/09 - BQuadro 


Conexão Fortaleza




O projeto Riffs Desplugados fez a sua primeira edição fora de Manaus com a banda Sátiros, um dos grandes nomes da cena rock da capital cearense. 

Ravel (Violão), Álvaro Abreu (Bateria) e Jonas (Baixo) - Sátiros no Riffs Fortaleza


O pocket show aconteceu no Espaço Cultural Rachel de Queiroz na Saraiva Megastore Iguatemi como parte do intercâmbio promovido pela Saraiva Megastore Manaus, Belém, Iguatemi/Fortaleza, Rádio Manifesto Norte e Panela Rock, buscando fortalecer ainda mais o cenário das bandas autorais da região norte/nordeste. 

Essence



Com 16 anos de estrada e 7 discos lançados, a banda é uma das expoentes do rock manauara e faz um rock pop com influências dos anos 80.

Em 2011 a banda lançou seu primeiro DVD e CD ao vivo no Teatro Amazonas. No mês de julho a banda lança a coletânea intitulada Dias de Guerra. No show do projeto Riffs Desplugados a banda fará um passeio pela sua discografia e também pelas músicas novas que vão fazer parte do seu 7º CD intitulado “Até Onde Vamos?”.

A Essence é formada por: Daniel Lima (vocal e violões), Marinho Jr (guitarra, violões, teclados, samplers e backing vocal), João “Tutuca” Alcântara (baixo, backing vocal) e Carlos Araújo (bateria, backing vocal).

Realização:
 Sandro Nine, Rádio Manifesto Norte, Saraiva Megastore Manaus.


Apoio:

Push Play
Coletivo Canoa Cultural
Panela Rock
Vitrine do Rock  
Som Independente
Som do Norte
Frente Cultural Polo Norte
Rock Manauara
Rock Show Bar
Programa Alta Frequência

Por Sandro Nine
“Entender a cena é fazer parte dela”.




segunda-feira, 15 de julho de 2013

Ícaro Suzuki volta aos palcos nesta quarta

Ícaro Suzuki


No começo da tarde desta segunda, a vocalista da banda Madame Saatan, Sammliz, publicou a seguinte nota em seu Facebook pessoal, referente ao baixista Ícaro Suzuki

"Aos nossos amigos, chegados, e fãs do Madame Saatan informo que Ícaro subirá ao palco pela primeira vez depois do acidente sofrido ano passado nessa próxima quarta-feira.  Ele se apresentará junto a Daniel du Blues e Beto Brasil, banda Carcaça de Playboy, que fará um tributo ao Jimi Hendrix na festa Black Soul Samba.

Aos fãs que perguntam sobre a situação dele em relação ao Madame, ele pede para avisar que não se sente apto a encarar a velha rotina e que por enquanto não tem prazo para retornar a ela. Fará seu retorno aos palcos de forma gradual e tranquila e portanto sem dramas e teorias da conspiração,ok? Palavras dele.

 E claro, convida todos a aparecerem lá para lhe dar um abraço e conferir o show.  Beijo grande!!!"


***

Em 2 de outubro do ano passado, Ícaro foi atropelado perto de sua casa, em Belém, por um delegado de polícia. Após internação e cirurgias, teve alta no dia 10 e anunciou sua disposição para voltar aos palcos em entrevista à TV Liberal no dia 16.
 

Assista minidoc sobre o Dia Mundial do Rock em Macapá

Realizadores audiovisuais ligados ao FIM - Festival Imagem e Movimento - realizaram um minidoc sobre o evento que comemorou o Dia Mundial do Rock em Macapá, no sábado, 13. O vídeo foi publicado no Youtube e no Facebook ontem. 

O vídeo não chega a durar os cinco minutos prometidos no título, mas é eficiente em oferecer um rápido panorama do que aconteceu na Praça da Bandeira, tradicional reduto roqueiro da capital amapaense. A praça é palco, sempre no último sábado do mês, do evento Liberdade ao Rock, que foi um dos promotores do evento no sábado (no vídeo, são as bandas que tocam num palco de alvenaria, tendo apenas faixas de isolamento a separar músicos do público). A Sonora Produções foi a responsável pelo palco armado no leito da rua Iracema Carvão Nunes, com uma grade a isolar bandas e galera. 

Algumas bandas aproveitaram o evento para trazer novidades a seu público. Hidrah (que fez um dos melhores shows da noite) e Dama de Preto apresentaram novas músicas autorais. Já a Desiderare, em seu primeiro show após o lançamento do EP Caleidoscópio (http://somdonorte.blogspot.com.br/2013/05/lancamento-somdonorte-caleidoscopio.html), estreou a nova formação, com o violonista Nitai Silva, a flautista Larissa Lage e a baixista Valéria Façanha se somando à vocalista-violonista Lara Utzig e ao percussionista Juniko Brito (esteve ausente outro novo integrante, o guitarrista Marcelo Souza, por ter compromisso profissional no horário em que a banda tocou; a mudança de horário foi em virtude do atraso no começo do evento em duas horas devido à forte chuva que desabou sobre Macapá na tarde do sábado). 


domingo, 14 de julho de 2013

Post nº 3600: Danniel Lima libera nova prévia do CD Universo Paralelo

Danniel Lima em show
no SESC Boulevard (Belém)

O cantor e compositor paraense Danniel Lima publicou no YouTube mais uma prévia do seu primeiro CD, Universo Paralelo, com lançamento previsto para setembro. Trata-se de "Abril", composição que Adriana Calcanhoto fez para o CD Na Ponta da Língua, da também paraense Leila Pinheiro, lançado em 1998, coincidentemente também no mês de setembro. A própria Adriana nunca gravou "Abril". 

Danniel mostrou a gravação a Adriana durante a recente passagem da autora gaúcha por Belém, para show da turnê resultante do Prêmio da Música Brasileira, que neste ano homenageou Tom Jobim. O show aconteceu no Theatro da Paz no dia 26 de junho, reunindo também João Bosco, Roberta Sá, Zélia Duncan, Zé Renato e Aíla. Adriana aprovou a gravação de Danniel e autorizou sua inclusão no CD. O vídeo inclui fotos de Danniel e Adriana, juntos ou separados, em diversas etapas das respectivas carreiras. 



Antes de "Abril", Danniel já antecipara uma faixa do CD como single, em abril: "Perdão Clichê" (http://somdonorte.blogspot.com.br/2013/04/mapeamento-2013-perdao-cliche.html). Já em maio, anunciou que "Lençóis de Cetim", de Débora Vasconcelos, também fará parte do disco - e o anúncio disto aqui no Som do Norte, por outra feliz coincidência, foi nosso post nº 3500 (http://somdonorte.blogspot.com.br/2013/05/danniel-lima-vai-gravar-musica-de.html).  

Som da Liberdade estreia criticando homofobia e acomodação

 Arte: João Lemos (Molho Negro)

13 de julho, Dia Mundial do Rock, foi a data estrategicamente escolhida para a estreia do projeto de músicos paraenses O Som da Liberdade. Não que o projeto seja só de roqueiros - inclusive uma das canções, "Conto Perfeito" tem trecho de hip-hop a cargo do premiado rapper Bruno B.O.

O projeto tem ares de movimento, embora não me pareça ter necessariamente relação direta com as manifestações que levaram o povo às ruas das principais cidades brasileiras em junho, ou mesmo com o manifesto de artistas paraenses em plena apresentação da Mostra Terruá Pará desta terça, 9 de julho, clamando por melhores condições de trabalho com a cultura - mas também não se pode dizer que estas recentes movimentações não exerceram qualquer influência sobre o Som da Liberdade.

Para ilustrar melhor, vamos recorrer a um trecho da descrição da página do projeto no Facebook - "O Som da Liberdade é realizado por mentes já libertas que emitem ao mundo a mensagem da libertação. É através da liberdade consciente que se chega ao amor, é através do amor que se chega à felicidade real. Vem conosco e grita o Som da Liberdade! Desnuda-te dos trapos que te vestem e te manipulam. Liberta-te!"

Vamos às músicas. "Benegay" é uma crítica direta ao projeto de lei para instituir no Brasil a "cura gay", ou seja, tratar a homossexualidade como um distúrbio psicológico (um evidente retrocesso), uma das bandeiras do deputado federal Marco Feliciano (SP), projeto este em boa hora arquivado pelo plenário da Câmara dos Deputados (mas, como Feliciano já disse que pretende reapresentá-lo em 2015 - esquecendo, por sinal, que seu atual mandato acaba antes, o que indica que já considera sua reeleição no ano que vem favas contadas-, não custa nada seguir conscientizando a população sobre o absurdo do projeto).

"Benegay" foi composta por Camillo Royale (da banda Turbo), e tem Iza, Sammliz (vocalista da Madame Saatan), Nanna Reis (do Projeto Charmoso) e Ana Clara Mattos (Massa Grossa) nos vocais femininos. Ivan Jangoux (da banda de Iza) tocou guitarras, baixo e percussão, além de gravar e produzir a faixa em seu estúdio Quarto Amarelo. 





Já a crítica de "Conto Perfeito" é mais ampla. Dirige-se a pessoas que acreditam viver num conto de fadas, não se dando conta de que são um parafuso na engrenagem que se move para manter tudo exatamente como sempre foi. A faixa, também gravada e produzida no Quarto Amarelo, tem música de Eliezer Andrade (Johnny Rockstar) e letra de Eliezer na parte canção e Bruno B.O. na parte hip hop. Tocaram na faixa:  Eliezer Andrade e Marcel Barretto (guitarras), Elder Effe (baixo), Ivan Jangoux (teclado) e Junhão Feitosa (do Projeto Secreto Macacos) na bateria. Os vocais são de Iza, Zé Lucas (do A Red Nightmare), Camillo Royale e Eliezer Andrade, com participação especial de Bruno B.O.


segunda-feira, 8 de julho de 2013

Vote em Lia Sophia no Prêmio Multishow 2013


Até o dia 2 de setembro, você pode votar em Lia Sophia na categoria "Experimente" do Prêmio Multishow 2013. Lia é a única artista do Norte concorrendo no certame (uma pena que a produção do evento tenha grafado seu nome errado, como Lia Sofia - sic!). Na mesma categoria, estão P9, Sambô, Roberta Campos e Oba Oba Samba House. 

Votar nela é muito simples:

- Clica na bolinha do lado da foto de Lia (igual a esta que está acima neste post)

- Desce na página até encontrar a caixa onde irá reproduzir os caracteres de confirmação (são duas palavras)

- Clica em "Confirmar voto" e pronto!

Em seguida, abre uma página convidando você a votar de novo. Faça isso! :) 

A cerimônia de entrega do prêmio será transmitida pelo canal fechado Multishow no dia 3 de setembro, uma terça. 

domingo, 7 de julho de 2013

Ouça o som da Gang do Eletro em homenagem ao Esquenta

Maderito, Keila, Regina Casé, Wi-ll Love e Waldo Squash


A Gang do Eletro foi destaque na edição do programa Esquenta (TV Globo) que acabou há pouco mais de meia hora. O grupo paraense abriu o programa, sendo a última atração anunciada na abertura pela apresentadora Regina Casé, o que já levou à emenda com o mega-hit "Galera da Laje". Durante a apresentação da música, o palco do programa esteve sob intensa luz azul, para marcar a identidade visual da Gang.

Durante o programa, músicas da Gang foram trilha de momentos específicos - "Eletro do Robô" serviu para avaliar os candidatos no quadro Calourão, no qual hoje o concorrente deveria dançar feito um robô, como mostrou a vocalista da Gang Keila Gentil; e "Piripaque" embalou o concurso entre dançarinos do "treme" chegados diretamente de Belém. Nessa hora, Regina recordou matéria que fez em 1993 sobre as aparelhagens da capital paraense. 

Ao final, Maderito e Waldo Squash apresentaram uma música inédita, "No Caquiado do Samba", composta especialmente em homenagem ao programa. O samba-funk-eletromelody que só não dança quem não quer brinca com a abertura e alguns dos quadros e citando Regina Casé e também o sambista Arlindo Cruz (ex-Fundo de Quintal), convidado fixo do programa. Um samba-funk-eletromelody que só não dança quem não quer. 





P.S: Fiquei esperando algum comentário sobre, ou mesma a interpretação da, música da Gang chamada justamente... "Esquenta", faixa 7 do seu CD lançado em março (http://somdonorte.blogspot.com.br/2013/03/mapeamento-2013-gang-do-eletro.html). Não rolou. 

quarta-feira, 3 de julho de 2013

Mapeamento 2013: Saudade Infinita


74

Grupo - Arab Dinastia
Cidade/ Estado - Manaus (AM)
Single
Gênero/ estilo - rap
Data de lançamento - 27.6.13

Clipe de rap com temática pouco comum no gênero, tão afeito a .protestos sociais. Aqui um pai expressa o amor e a saudade que sente pela filha.