Aqui se fala do som dos estados do Norte do Brasil: Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins

terça-feira, 25 de junho de 2013

Pará: Funcionários denunciam más condições do Teatro Margarida Schivasappa

Por Fabio Gomes,
com reportagem de Raissa Lennon (Belém)

Na manhã desta terça-feira, uma comissão formada por 12 funcionários de órgãos da Fundação Cultural do Pará Tancredo Neves (FCPTN) - Teatro Margarida Schivasappa, Biblioteca Pública Arthur Vianna, Galeria Theodoro Braga, Assessoria de Comunicação e Núcleo de Tecnologia - esteve nas sedes da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) e Ministério Público em Belém entregando um documento no qual denunciam  a precariedade do sistema elétrico e a falta de segurança do Teatro Margarida Schivasappa. O documento foi elaborado em reunião realizada na tarde de ontem. Também nesta segunda, o Corpo de Bombeiros emitiu um laudo liberando o teatro para funcionamento, desde que, num prazo de quinze dias, se proceda à correção das falhas nos sistemas elétricos e de segurança.

O teatro se encontra em reforma desde julho de 2012. A previsão inicial era de concluir as obras até dezembro de 2012, porém atualmente a estimativa é que a reforma termine no final de julho de 2013. Entretanto a comissão de funcionários, em publicação no Facebook, alerta que apenas dois dias na semana são destinado a obras, devido à realização desde maio, no teatro, da Mostra Terruá Pará, todas as terças.

Em 4 de junho, a comissão enviou, por e-mail, um relatório detalhando as condições do teatro para a gerência de apoio operacional e para a direção do teatro; dois dias depois, o documento foi protocolado na presidência da Fundação Tancredo Neves. Publicamos a seguir trechos do documento, intitulado Relatório - Sistema Elétrico (os grifos são nossos):

"Em virtude da realização da Mostra Terruá Pará de Música, as dependências do Teatro Margarida Schivasappa estão apresentando dificuldades operacionais no tangente à alimentação de rede elétrica. Com nossas dependências sob regime de reforma, estamos operando com circuitos elétricos de improviso, somente para energização dos equipamentos usados para o fim de reforma. Qualquer alteração na carga empregada a estes circuitos ocasionariam problemas tanto na alimentação de nossos equipamentos, como também aos equipamentos a eles agregados. Com as montagens do Terruá Pará, outros equipamentos foram introduzidos em nossos circuitos elétricos, causando, assim, quedas de tensão e sucessivas interrupções de alimentação de energia elétrica. Tal fato tem causado transtornos tanto em nossas atividades, como também nas montagens do Terruá, que possui autonomia energética somente nos dias de shows. Estes transtornos vão desde a paralisação de serviços de montagem de equipamentos e trabalhos da reforma, como também na segurança de funcionários, visto que a iluminação de serviço também opera em nossos circuitos improvisados."

O documento também traz fotos, como esta, tirada em 3 de junho, que mostra fiação elétrica presa em um extintor de incêndio. 

Não houve resposta direta ao documento, apenas a publicação, no dia 21, no site da Fundação (http://www.fcptn.pa.gov.br/index.php/fundacao/gapres/ascom/noticias-ascom/674-nota-de-esclarecimento-reforma-teatro-margarida-schivasappa), de uma Nota de Esclarecimento. Nela, a diretora de Interação Cultural da Fundação, Lucinha Bastos, e a presidente da Fundação Paraense de Radiodifusão (Funtelpa),  Adelaide Oliveira, comentam o que já foi concluído da reforma (telhado, estofados, poltrona, área cênica, ampliação da capacidade do teatro) e reafirmam a esperança de concluir a reforma até o final do mês que vem. Sobre a Mostra Terruá, afirmam:

"Apesar da reforma não estar totalmente concluída a fundação abriu uma exceção para a 'Mostra Terruá Pará', promovida pela Funtelpa, que vem sendo realizada às terças-feiras desde o último dia 14 de maio, encerrando em 30 de julho. Toda a estrutura do evento envolvendo grupos geradores, som, iluminação e cenotécnica cabe à produção da mostra, que monta os equipamentos nos dias das apresentações e, ao final, os retira. O evento sempre conta com a presença de policiais do Corpo de Bombeiros para garantir a segurança do público, servidores da Funtelpa, FCPTN e artistas.

 (...)


A direção da Fundação tomou todas as providências necessárias para corrigir as falhas estruturais existentes no espaço, garantindo total segurança para que todos os servidores do teatro realizem suas atividades normalmente. Além dos trabalhadores que atuam na reforma, agentes da área operacional da Fundação estão sempre no local fiscalizando o que está sendo feito, garantindo a efetivação de todas as normas de segurança. A Funtelpa e a FCPTN solicitaram essa semana uma vistoria técnica do Corpo de Bombeiros e, de antemão, todas as recomendações feitas pela corporação já estão sendo providenciadas."

Grid sobre o palco do Margarida, em primeiro plano, e
andaimes da reforma em andamento, ao fundo
(Publicado pela comissão no Facebook em 21/6)

O Corpo de Bombeiros realizou uma visita técnica no dia 19, e outra ontem, quando emitiu então o laudo já citado. A Secretaria de Obras também esteve no teatro, no dia 20. 

Afora a Mostra Terruá, nenhum outro evento está agendado para o Schivasappa até o final da reforma. O Festival de Contrabaixo da Amazônia, anunciado inicialmente para os dias 27, 28 e 29 de junho, foi transferido para o período de 5 a 7 de setembro. O organizador do evento, Marcus Braga, informou à nosssa reportagem ter sido contatado pela direção da  Fundação Tancredo Neves, que lhe informou que não haveria novos equipamentos de som e luz à disposição no final de junho, devido a um atraso na entrega destes materiais. "Nos foi garantido que para setembro já estaria tudo ok", afirmou Marcus Braga. 

Luminárias soltas do forro do mezanino
(foto de 3/6/13)


Um comentário:

  1. Que bom que as providências já foram tomadas. Espero que corra tudo bem.

    ResponderExcluir