Aqui se fala do som dos estados do Norte do Brasil: Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins

sexta-feira, 31 de maio de 2013

Foi Show: Oneide Bastos

Brenda Melo, Silmara Lobato, Oneide Bastos, Ana Martel e Patricia Bastos
(Foto: Marclene Oliveira)


A foto acima ilustra o ponto alto do show de lançamento do CD Quando Bate o Tambor, da cantora amapaense Oneide Bastos, realizado ontem no Teatro das Bacabeiras (Macapá). Oneide contou com a participação especialíssima destas quatro intérpretes que, pode-se dizer, formam com ela uma espécie de "time dos sonhos" da MPB amapaense contemporânea -  Brenda Melo, Silmara Lobato, Ana Martel e Patricia Bastos dividiram com Oneide os vocais no samba-enredo "Canto a Amazônia" (Paulinho Bastos - Oneide Bastos).  

(Para essa profusão de vozes a cantar uma mesma música só encontro paralelo, no Norte da minha memória, na estreia do show Nua Ideia, em junho de 2011 em Belém, quando Juliana Sinimbú chamou Aíla, Luê, Gigi Furtado e  Lia Sophia para entoarem com ela "Ensaboa", de Cartola). 

Voltando ao show de ontem. Tão apoteótico foi este momento juntando as cinco vozes a cantar em uníssono as belezas da fauna e flora amazônicas, que antes mesmo dele acabar eu me dizia que este deveria ser o número de encerramento do show, e não estar no meio (era recém a 5ª música do espetáculo). Minha percepção de algum modo estava certa, pois logo em seguida o diretor musical Paulinho Bastos anunciou um rápido intervalo, algo inusitado em shows no Norte ou em qualquer parte deste nosso imenso país. O intervalo, que serviu para a troca de roupa de Oneide, e no qual Paulinho apresentou três composições suas, cada uma interpretada por uma jovem cantora local, em nada acrescentou ao espetáculo, e poderia ter sido suprimido ou alterado para uma exibição do talento dos instrumentistas presentes no palco - o show reuniu excelentes músicos de Macapá: além do já citado Paulinho no teclado e piano, William Cardoso (violão), Taronga (baixo), Fábio Mont'Alverne (bateria), Adelso e Ismael (caixas de marabaixo, tambores dobrador e amassador e pandeiros) e Gorete Bastos (backing vocal).

A primeira parte do show foi a mais rítmica. Oneide começou com a bela "Promessa de Mãe" (André Luiz Barreto - Cássio Pontes), sobre o Círio de Nazaré (durante a execução, foram projetadas num telão ao fundo do palco imagens da procissão em Belém). Em seguida, cantou "Jurupari", em que os compositores Paulinho Bastos e Leandro Dias comparam o rufar dos tambores da região à fala desta figura mitológica da  Amazônia. Fechando essa sequência inicial, em que Adelso e Ismael tocaram caixas de marabaixo, "Urubu, Mestre do Vôo" (Eudes Fraga - Joãozinho Gomes), antes da qual Oneide fez um apelo para que as pessoas cuidem da destinação do lixo que produzem (ao lado, urubus numa rua central de Macapá, em foto de Fabio Gomes). A seguir ao som dos tambores de batuque dobrador e amassador, Oneide relembrou o sucesso "Não Peguei o Ita" (Nilson Chaves) e sem demora convocou Ana, Brenda, Patrícia e Silmara para fecharem a primeira parte com chave de ouro no já citado sambão "Canto a Amazônia". 

Passado o intervalo, teve início o momento mais romântico da noite. Acompanhada pelo piano de Paulo e o violoncelo do convidado Pedro Henrique Sousa (coordenador do grupo Le Phénix), Oneide brilhou nas interpretações de "Bacabeira" (Enrico Di Micelli - Cléverson Baía - Joãozinho Gomes), "Lamento" (tema de Fernando Chaves com todo um jeito de samba-canção dos anos 1950, ao estilo dos de Tito Madi ou do jovem Tom Jobim) e "Dovê" (composição em italiano, parceria de Oneide com o professor de dança Agesandro Rêgo). Na primeira, estiveram presentes as caixas de marabaixo de Adelso e Ismael e nas outras duas a discreta bateria de Mont'Alverne (um pouco menos discreta em "Dovê", deixando o resultado final não tão intimista quanto parecia ser a proposta). Encerrado esse set, Oneide agradeceu a presença de Pedro, que se despediu da plateia, e chamou ao palco Val Milhomem. Oneide retirou-se, e Val cantou seu grande sucesso, "Mal de Amor", parceria com Joãozinho Gomes lançada em 1998 por Emília Monteiro, recentemente regravado por ela em seu CD Cheia de Graça e por Patrícia Bastos no disco Zulusa, ambos lançados este ano. Val também cantara este marabaixo na terça, 28, na única participação do show Canta Brasil, que Brenda Melo apresentou no SESC Centro. Mas, se na terça o SESC quase veio abaixo com a vibração do público cantando junto com Val o "Mal de Amor", o mesmo não se repetiu no Bacabeiras ontem, o público se limitou a apreciar, um que outro cantando baixinho, discretamente. (Em tempo: este solo de Val bem poderia ter sido a atração do intervalo do show de ontem).


Brenda Mela no show de terça no SESC Centro
(com Fabinho à esquerda e Nena Silva ao fundo)

De volta ao palco, com a banda completa, Oneide comandou a reta final  do show, em que interpretou "Cabocla Linda" (William Cardoso), louvação à beleza de uma mulher que o sujeito da canção teria conhecido na ilha do Marajó. Nesta, e na música seguinte, houve a participação de uma dançarina, toda de branco. A ela se juntaram, para dançar o número final, as cantoras Ana Martel, Brenda Melo e Patrícia Bastos. Oneide encerrou o show ao som dos tambores de batuque de Adelso e Ismael, com "Bate Tambor" (Leci Brandão - Zé Maurício), tema que inspirou o nome do disco lançado ontem.

O show de Brenda na terça e o de Oneide na quinta integraram a programação do evento 8ª Aldeia de Artes Povos da Floresta, promovido pelo SESC Amapá desde segunda até hoje. Quem não assistiu Quando Bate o Tambor ontem só terá nova oportunidade daqui a dois meses, conforme me falou a própria Oneide ao final da apresentação. Recomendamos que quem não foi ontem não deixe passar mais esta oportunidade!


Dançadeiras do marabaixo,
em imagem do CD de Oneide

quinta-feira, 30 de maio de 2013

Mapeamento 2013: Não é que Você Estava Certa?


59

Banda - Coyotes Voadores
Cidade/ Estado - Manaus (AM)
Single
Gênero/ estilo - rock/ stoner
Data de lançamento - 26.5.13

Segundo single que antecipa o EP A República, que terá 5 faixas, sem previsão de data de lançamento. A música, um rock que inicia pesado e suinga levemente na segunda parte, mostra um eu-lírico ironizando o ex-amor em pleno fim do relacionamento: diz que ela tinha razão ao afirmar que ele viveria sem ela... Um bom senso/ Não faz mal a ninguém/ Não é que você estava certa?/ Pela primeira vez







terça-feira, 28 de maio de 2013

Lançamento @SomdoNorte: Caleidoscópio - Desiderare




A banda de folk/experimental popular Desiderare lança hoje, através do blog Som do Norte, seu EP de estreia, intitulado Caleidoscópio. O EP foi gravado e produzido em Macapá, Amapá, por Alan Flexa. A arte do disco é de Renata Ferreira.

Desiderare significa “desejar” em italiano. “Sidera” também deriva previamente do latim e quer dizer "sideral"; "vindo das estrelas". Numa compreensão mais abrangente, trata-se de "esperar aquilo que as estrelas podem trazer". 

A Desiderare é um projeto musical idealizado em fevereiro de 2012 com repertório autoral. A banda trabalha com instrumentos experimentais e mescla raízes de ritmos como MPB, MPA (Música Popular Amapaense), folk, blues e rock.

Nesse primeiro trabalho, são apresentadas 4 faixas que mostram as diferentes influências do grupo dentro de distintos ritmos e estilos mesclados em cada canção, em especial o folk, blues, MPB e música latina.


“O Sol” traz uma mensagem de esperança, de um eu-lírico que deseja proteger a amada acima de tudo e fazê-la sentir-se segura. “Prisões” é uma metáfora sobre o indesejável fardo de ter a própria liberdade cerceada contra a vontade. “Ode à Ismália” é uma intertextualidade com o poema “Ismália”, de Alphonsus de Guimaraens (poeta parnasiano brasileiro), e narra o suicídio dessa personagem. Por fim, “Whiskey & Outras Coisas” descreve a noite de sexo casual entre Scott e Misty.

 
Faixas:
 
1 – O SOL
[Letra: Lara Utzig/Kallebe Amil
Música: Kallebe Amil]
2 – PRISÕES
[Letra: Lara Utzig/Pedro Stkls
Música: Lara Utzig]
03 – ODE À ISMÁLIA
[Letra e música: Lara Utzig]
04 – WHISKEY& OUTRAS COISAS
[Letra: Lara Utzig
Música: Kallebe Amil]

Instrumentos:
Vocais – Lara Utzig/Kallebe Amil
Violão base – Kallebe Amil
Violão solo, contrabaixo, escaleta, kalimba – Lara Utzig
Percussão e gaita – Juniko Britto

Página no Facebook:

Perfil no Facebook:

Link para o download do EP "Caleidoscópio" no Blog Som do Norte:

Link para o download do EP “Caleidoscópio” diretamente do perfil na Soundcloud:

Perfil na Toque No Brasil:
http://tnb.art.br/rede/desiderare

sábado, 25 de maio de 2013

Mapeamento 2013: Amor e Fé


57

Artista - Fafá de Belém
Cidade/ Estado - Belém (PA)
EP
Número de faixas - 4
Gênero/ estilo - MPB
Gravadora - Universal
Data de lançamento - maio de 2013

Segundo EP deste ano da artista, que não lança CD há seis anos. O EP traz três faixas inéditas na voz de Fafá - "Nossa Senhora" (Roberto & Erasmo Carlos), "Ave Maria" (Franz Schubert, versão de Fafá de Belém e Dudu Falcão) e "Gracias a la Vida" (Violeta Parra) - e um fonograma extraído de EP anterior: "Eu Sou de Lá", do padre Fábio de Mello, em homenagem ao Círio de Nazaré, gravado por Fafá em EP distribuído apenas no Pará em 2012. O repertório religioso visa a Jornada Mundial da Juventude, a ser realizada em julho no Rio de Janeiro, com a presença do papa Francisco. Em 1997, Fafá cantou para o então papa João Paulo II, e o CD com suas interpretações ao vivo foi posto nas lojas no dia seguinte, numa rara demonstração de agilidade da nossa indústria fonográfica. 


quarta-feira, 22 de maio de 2013

Gaby Amarantos e João Donato representam o Norte no 24º Prêmio da Música Brasileira



A idéia do prêmio é ser o mais abrangente possível - a lista com os indicados deste ano no site do eventto recebeu texto de introdução que abre com as frases A lista com os indicados a 24ª edição do Prêmio da Musica Brasileira é um retrato da multiplicidade e profundidade da música brasileira. Artistas consagrados e iniciantes, dos quatro cantos do país, competem em 11 categorias, divididas em diversas outras subcategorias. Já a página sobre as inscrições para o ano que vem (sim, elas já estão abertas! Veja em http://www.premiodamusica.com.br/como-participar) abre com a seguinte frase: O Prêmio da Música Brasileira abre espaço para músicos de todos os estilos musicais e estados do país.

Porém, na prática, ocorre o que muitas vezes já comentamos aqui - são pouquíssimos os artistas do Norte que concorrem ao prêmio, assim como são escassos os nortistas contemplados em editais de financiamento de projetos aberto por entidades públicas ou privadas como o Itaú Cultural e a Petrobras. Já tratamos do tema diversas vezes aqui. Ao menos uma vez a Petrobras abriu publicamente as planilhas e provou que a menor presença de nortistas entre os contemplados provinha do fato de, em seus editais, o número de inscritos do Norte ser efetivamente menor que o de inscritos de outras regiões, em especial do Sudeste e do Nordeste. 

Este ano, há apenas dois representantes da Região Norte entre os indicados para o prêmio, nas seguintes categorias:

CANÇÃO POPULAR

Canção popular – cantora

Gaby Amarantos – Treme
Ivete Sangalo – Real Fantasia
Paula Fernandes – Meus Encantos

MELHOR CANÇÃO

Carta de Amor / Paulo Cesar Pinheiro / Maria Bethânia - Maria Bethânia - Oásis de Bethânia
Estou Triste /Caetano Veloso - Caetano Veloso – Abraçaço
Eu Não Sei Seu Nome Inteiro / João Bosco, João Donato e Francisco Bosco – João Bosco – 40 anos depois
Orixá de Frente /  Roque Ferreira - Mariene de Castro – Tabaroinha
Vive / Djavan – Djavan – Rua dos Amores

Enfim, as inscrições para o ano que vem já estão abertas, como linkamos acima. É hora dos artistas do Norte se mexerem e tratarem de se inscrever, para aos poucos reescrevermos esta história! 

O prêmio será entregue em 12 de junho, no Teatro Municipal (Rio de Janeiro). 

terça-feira, 21 de maio de 2013

Post nº 3500: Danniel Lima vai gravar música de Débora Vasconcelos

Débora Vasconcelos é uma cantora e compositora baiana radicada em Belém. Transitando na esfera da MPB e do pop, faz muito sucesso nas noites de Belém, sucesso que só não é maior devido ao fato de até hoje jamais ter lançado um CD com suas composições. Enfim, enquanto isso não acontece, outros intérpretes levam a obra de Débora ao disco.

O primeiro disco de Lia Sophia, Livre, de 2005, tinha como grande destaque justamente uma música de Débora, "Boca", que muita gente acredita ser de Lia, que sempre faz questão de frisar que Débora é a autora. 

E o primeiro CD de Danniel Lima também contará com uma composição de Débora, "Lençóis de Cetim". Tema que ela cantou em outubro passado, ao participar, no Municipal, do Circuito Autoral de Joelma Klaudia. Mas a música é mais antiga, afinal o próprio Danniel me disse que há dois anos tenta convencer Débora a deixar gravá-lo a composição.

Pois bem, a espera acabou! Depois que Débora ouviu Danniel cantando "Lençóis de Cetim" na sexta, 17 de maio, no show Universo Paralelo no SESC Boulevard (Belém), resolveu autorizar a gravação. A música será uma das faixas do CD também intitulado Universo Paralelo, que o cantor prepara para lançar em breve.

Assista agora Danniel cantando a música, em vídeo gravado no show da sexta. 


segunda-feira, 20 de maio de 2013

Imagens do rock do Amazonas no Uzineiro

O blog Uzineiro publicou hoje uma exposição virtual com 34 imagens das bandas amazonenses Tudo Pelos Ares, Antiga Roll, Os Playmobils, Dpeids, The Mones e Infâmia.

Selecionamos aqui uma imagem que mostra Tharciso Yamane, guitarrista da Antiga Roll. O fotógrafo Roberto Coelho foi muito feliz ao conseguir captar o movimento da mão de Tharciso, no que parece ser um riff dos mais agitados! 


A exposição está disponível no post O rock singular e plural do Amazonas – Parte 1 (http://uzineiro.wordpress.com/2013/05/20/exposicao-virtual-o-rock-singular-e-plural-do-amazonas/). 

Aguardemos a parte 2! 

Mapeamento 2013: Qualquer Um


56

Banda - Mezatrio
Cidade/ Estado - Manaus (AM)
Single
Gênero/ estilo - rock
Data de lançamento - 19.5.13

A banda Mezatrio fez seu primeiro lançamento do ano, ontem, em grande estilo: liberou simultaneamente MP3 para baixar e clipe da composição que constitui o single. A música, em clima angustiante, tem o mérito de não deixar a letra, de apenas CINCO versos, cair na mesmice. OBS: outras bandas nortistas lançaram, neste ano, clipes correspondente a singles ou faixas de CDs, mas lançaram os clipes antes (casos de "Velocidade do Eletro", da Gang do Eletro e "A República - Parte 1", dos Coyotes Voadores). "Belvedere", faixa-título do CD de Roni Moraes, teve o clipe lançado em 2011, dois anos antes do CD! A Espantalho divulgou um vídeo a partir de montagem de fotos, antes de liberar o áudio de "Fogos de Artifício". Há ainda o caso de Luís Campos, cujo single "Você e Eu" saiu exclusivamente no YouTube. Como vemos, a estratégia da Mezatrio era inédita até agora neste ano. 

Onde ouvir e baixar http://www.reverbnation.com/mezatrio



domingo, 19 de maio de 2013

Na Rede: Iekuana e Profetika fazem pré-lançamento de CDs

Na noite deste sábado, duas das principais bandas pesadas do Norte disponibilizaram no YouTube prévias de seus próximos CDs. Por coincidência, tratam-se de sons que já haviam sido mostrados parcialmente.

Iekuana - FumaçaO produtor Fabrício Cadela já havia postado um trecho apenas instrumental, com menos de um minuto, de "Fumaça", da Iekuana, de Boa Vista. Há 3 horas, postou a música completa. Num clima onírico, o eu-lírico recorda uma visita da amada, e vive na esperança de que ela volte para levá-lo. Boa gravação, com destaque para os efeitos de cordas e as guitarras bem timbradas, gerando um efeito dilacerador no solo, de certa forma contrastando com a esperança que não abandona o narrador. Um aviso para quem for fazer o download: o som está no formato WAV, pouco usual em links para baixar, e o arquivo tem 89,2 MB. 




Já a amapaense Profetika surpreendeu ao publicar duas horas atrás a versão completa de "Mercenário", apenas dois dias depois de liberar no YouTube uma prévia do áudio da canção - inclusive chegamos a noticiar aqui http://somdonorte.blogspot.com.br/2013/05/profetika-divulga-previa-do-novo-cd.html . O tema fará parte do CD O Livro do Caos, cujo lançamento não tarda. Assim como, esperamos, não deve tardar a punição ao mercenário de almas, mensageiro do inferno, semeador da desgraça, poço cheio de hipocrisia, fustigado pela letra. 


sábado, 18 de maio de 2013

Foi Show: Pré-Lançamento de Assovio

Por Nany Damasceno,
de Rio Branco
Fotos: Bethe Oliveira

A Usina de Arte foi palco do pré-lançamento do CD Assovio, de Rodolfo Minari, em 12 de maio. Com um show gratuito, colorido e cheio de diversão, Rodolfo subiu ao palco acompanhado dos músicos Marilua Azevedo (percussão), Gabriel Oliveira (percussão), Vanessa Oliveira e Amanda Schoenmaker (vozes), Victor Romero (violão) e Maiara Rio Branco (contrabaixo) contou, também, com a participação dos músicos Mahatma Moura (violão) e Pedras Leão (celo).


Nascido em Araçatuba, interior de São Paulo, Minari morou em Goiás, Pernambuco, Minas, São Paulo e Bahia, até chegar ao Acre em 2009. Formou-se em Direito, mas atualmente se dedica exclusivamente à arte: é cantor, poeta, educador, escritor e ator. Ele conta que a paixão pela poesia começou ainda na infância e passou toda a adolescência escrevendo. O artista conta que, após se fixar no Acre, começou a encarar isto como um trabalho: juntou e organizou todos os seus escritos e realizou pesquisas; O que resultou em um repertório com canções autorais que retratam a cultura popular do Acre e ainda mistura ritmos de outros lugares do país, como por exemplo, o coco - ritmo tradicional do nordeste. Tudo influência captada nos períodos em que morou/visitou outros lugares.

A carreira como músico começou em 2010, quando realizou três apresentações no Theatro Hélio Melo. Desde então, o espetáculo foi levado para várias regiões do estado através de apresentações em escolas rurais e urbanas, praças, bibliotecas, teatros, instituições de apoio, hospitais, sempre gratuitas.


O repertório de Assovio agradou sobretudo as crianças, foram elas que roubaram a cena, cantando e dançando na frente do palco, dando ainda mais alegria e encanto ao espetáculo que teve casa lotada.

A data do pré-lançamento foi escolhida por ser a véspera do Dia da Abolição da Escravatura, comemorado no dia 13 de maio. “O dia 13 tinha sido o dia escolhido por lançamento, mas houve atraso da fábrica, porém decidimos manter a data por essa ser uma temática que eu busco trabalhar, como na música 'Navio Negreiro'” diz Rodolfo.

Após este pré-lançamento,  o artista está esperando o recebimento dos CDs para distribuição e então sair em uma turnê: Argentina e Chile estão na agenda do artista. Após a turnê pela América Latina, Rio Branco vai ser palco de pelo menos mais 5 apresentações, garante. Além disso, será lançado ainda este ano um livro que reúne suas canções e poesias, que já está pronto. 


Ajude os The Baudelaires a lançar o CD Charlie


Já comentei aqui certa vez que a banda The Baudelaires era das mais ativas do Pará, principalmente por lançar com grande frequência novos sons. Por isso, até estava estranhando um certo silêncio do quarteto power pop após a saída do EP City Love, lançado conjuntamente pelo Som do Norte e o Zap'n'Roll em abril de 2011 - há mais de dois anos, portanto. Recebi, pois, com muita alegria a notícia de que a banda já tem pronto um novo CD, intitulado Charlie, e que só precisa da ajuda dos fãs para prensar o disco - são necessários R$ 5.000,00; para obtê-los, os Baudelaires criaram uma campanha no site de crowdfunding (financiamento colaborativo) Eu Patrocino e que recebe doações até o próximo dia 16 de junho. Leia abaixo:

The Baudelaires - Lançamento do CD 'Charlie'



Acreditando na rede de amigos e fãs do quarteto paraense The Baudelaires, a banda lança sua campanha de crowdfunding para o lançamento do disco Charlie, produzido e gravado no ano passado e ainda inédito. O disco traz 12 faixas e a faixa-bônus She’s a Queen, sucesso do primeiro disco School Days. Algumas músicas já foram lançadas na internet pelo Sound Cloud da banda (http://soundcloud.com/the_baudelaires).

O álbum será lançado numa pareceria dos selos Midsummer Madness e Ná Figueredo, mas para isso precisamos fazer algumas pré-vendas para viabilizar a prensagem do disco. Por isso contamos com a força de nossos amigos e de quem curte o nosso som. Tem boas recompensas como camiseta, CD School Days, entrada no show de lançamento do disco. E vale lembrar que se não alcançarmos a meta, você recebe o seu dinheiro de volta. Mas é claro que isso não vai acontecer e nós vamos conseguir bater a meta e lançar o disco, certo?

Para o lançamento do álbum “Charlie”, The Baudelaires precisa de R$ 5.000,00 para prensagem do CD. Esse pagamento pode ser por cartão de crédito ou boleto bancário.

Saiba como contribuir e veja as recompensas em http://www.eupatrocino.com.br/the-baudelaires-lancamento-do-cd-charlie
***


A postagem do Eu Patrocino inclui o videoclipe da canção "Time", faixa do City Love, clipe lançado no canal da Agência Invisíveis no YouTube em outubro de 2011 e que não faço a menor ideia porque não publiquei antes aqui no blog. Consertado o deslize, portanto. Trata-se de um vídeo dirigido por Taiana Lauin, rodado em Belém (suas cenas internas, incluindo a chuva de penas, foram rodadas num casarão do século 10 na avenida Generalíssimo Deodoro, bairro Nazaré).

O citado Soundcloud dos Baudelaires traz três canções novas: "Vegan Girls", "Come Over" e "Dear Lover", além da regravação de "She's a Queen", faixa que na versão original abriu o CD School Days, nosso "Disco do Mês" de setembro de 2010 (http://musicadonorte.blogspot.com.br/2010/09/disco-do-mes-school-days-baudelaires.html).


sexta-feira, 17 de maio de 2013

Profetika divulga prévia do novo CD

A banda amapaense Profetika divulgou ontem no YouTube uma prévia do próximo CD, O Livro do Caos - mais especificamente um trecho da faixa "Mercenário". 

As principais características do som que marcou o lançamento anterior, o EP Serial Killer, estão aqui: o peso do som, o vocal em português e muito bem cantado, fácil de entender, e ainda o forte caráter crítico da letra, desta vez fustigando a hipocrisia. Chama a atenção ainda a longa introdução instrumental. 


Enquanto o novo CD não sai, baixe o Serial Killer - http://somdonorte.blogspot.com/2010/08/central-de-abastecimento-serial-killer.html

quinta-feira, 16 de maio de 2013

Foi Show: Suzana Flag comemorou 10 anos do Fanzine

Por Raissa Lennon
de Belém

Foto: Zu Mix

O rock alternativo de Belém está em clima de comemoração. Depois do show de dez anos da banda Eletrola, que reuniu parte da formação original no mês passado, nesta sexta passada, dia 10 de maio, foi a vez de homenagear o disco Fanzine, o primeiro álbum da banda Suzana FlagAs festas estão sendo promovidas no Café com Arte pela galera da Se Rasgum, que também completa uma década como produtora. 

A banda de abertura da noite foram a novata Zeromou. Daniel Kahwage (guitarras e vocais), Lucas Ferreira (teclados e guitarra), Marcos Carvalho (bateria) e Mateus Pratagy (baixo e vocais) mostraram que são promissores no mundo do rock. Eles botaram muita gente para bater cabeça antes de começar o show principal, apresentando as músicas do seu primeiro EP, o recém-lançado Castelo de Areia.

Quase batendo às 3 horas da madrugada, quem subiu ao palco foi a banda homenageada da noite, Suzana Flag. Mas ninguém estava se importando com horas ou com o tempo, o público queria era relembrar os grandes sucessos do grupo de Castanhal (cidade próxima a Belém). Com a formação original do inicio de carreira, Suzane (voz), Joel (guitarra), Elder Effe (baixo e voz) e Ricardo Ramones (bateria) estavam à vontade no palco. 

É claro que os muitos fãs que compareceram ao Café sabiam cantar direitinho as baladas do disco Fanzine: “Ludo”, “Contraponto”, “Perdas e danos”, “Nem mais um segundo” e “Eu vou lembrar você” foram os pontos altos da noite.

Influenciado pelo som de Pixies, Teenage Fanclub, Pato Fu e Sonic Youth, o CD Fanzine representou na época um ponto chave para que a Se Rasgum decidisse trabalhar com bandas autorais em seus eventos. O disco fez tanto sucesso que a Suzana Flag tocou em vários outros festivais, como o Abril Pro Rock (Recife), em 2005, além de abrir o show do respeitado trio britânico Placebo. O grupo também gravou no CD-tributo a Odair José, junto com Paulo Miklos e Pato Fu, e foi també a banda de apoio para Leoni no festival Se Rasgum 2011.

Além das bandas Zeromou e Suzana Flag, os DJs Damasound, Lux e Marcão, Robertinho Figueiredo, Arede, Dudu e Bina Jares apresentaram muito eletrônico e rock’n roll nas pistas de dança do Café Com Arte.


quarta-feira, 15 de maio de 2013

Cinco atrações do Pará tocam no festival Conexão BH



O festival Conexão BH (antigo Conexão Vivo - a operadora de telefonia mantém o patrocínio, embora seu não seja mais citado) terá este ano cinco atrações do Pará. O evento acontece no  Parque Municipal.

Quarta-feira (29/05)

 Uakti (MG) convida Zal Sissokho (Senegal)
 Garbo convida Kicila (MG) e Carlos Malta (RJ)
 Fusile (MG) convida Gabriel Thomaz (RJ)
 Do Amor convida Domenico
 Brasilidades (MG)
 Roodboss (MG) + Teia (MG)
 Baianas Ozadas (MG)
 Cidade Hip Hop convida Julgamento e Face 3 DJs (MG)

Quinta-feira (30/05)

 Maglore (BA) convida Wado (AL)
 Transmissor (MG) convida cícero (RJ)
 Duelo de MC’s nacional - Eliminatoria BH
 Peu Meurray convida Magary Lord (BA)
 Sala da Toscaria na Base (MG) e BNegão (RJ) tocam “Underground”, de Marku Ribas
 Bloco do Moreré (MG)
 Túlio Araújo e Projeto Dobradura (MG)
 Zimun (MG)
 Bloco do moreré (MG)

Sexta-feira (31/05)

 Julieta Venegas (MEX) convida Otto (PE)
 Metaleiras da Amazonia convida Juca Culatra (PA)
 Dona Onete (PA)
 Tulipa Ruiz (MG)
 Cateb (MG) + Black Josie (MG)
 Samba da Meia Noite (MG)
 Projeto Secreto Macacos (PA)
 Tempo Plástco (MG)
 Warley Henrique (MG)

Sábado (1/6)

 Graveola e o Lixo Polifônico (MG) convida Thiago Amud (RJ)
 O Terno convida Mauricio Pereira (SP)
 Ilê Aiyê (BA) convida Maíra Freitas (RJ)
 Orquestra Voadora (RJ) convida DJ Corisco e Baque de Mina (MG)
 Yuga + Thiagão (MG)
 Mumia (MG)
 Baque de Mina (MG)
 Deskareggae Sound System e convidados (MG)

Domingo (2/6)

 Flávio Renegado convida Meninas de Sinhá, Aline Calixto, Rogério Flausino (MG) e Sany Pitibull (RJ)
 Viva Viola (MG)
 Gang do Eletro (PA) - foto
 Rafa no Som (MG) + Simbarerê (MG)
 J a c a (MG)
 Bloco benteviu (MG)

Valores 

R$15 (meia) e R$30 (inteira)
Passaporte 29 de maio a 02 de junho: R$50 (meia) e R$100 (inteira) para todos os dias

Ingressos à venda em http://www.sympla.com.br/urlAlias/render?alias=conexaobh
OBS: é cobrada taxa de conveniência

terça-feira, 14 de maio de 2013

Agenda Macapá: Cortejo da Murta



PROGRAMAÇÃO


11 hs – Almoço (Comidas Típicas) – Praça de Alimentação da Casa do Artesão
12 hs - Violão e Voz (MPA)
14 hs - Lançamento do Cartilha “Tambores no Meio do Mundo”

15hs - Esquenta “Juventude Marabaxeira”
16hs - Início do Cortejo
17hs - Ritual: A Benção da Murta – IGREJA SÃO JOSE
18hs – Roda de Marabaixo – VELHA GUARDA

20hs - Encerramento: Retorno das Comunidades

O Cortejo irá sair da Casa do Artesão, contornar as barracas de água de coco da Praça do Coco, passar ao lado da Loja 246 e seguir pela rua Mário Cruz até a Igreja Matriz de São José. 
 

segunda-feira, 13 de maio de 2013

Videografia: Luê canta com Marcelo Jeneci em comercial da Natura

Bueno, não costumamos postar comerciais aqui no blog (até porque ninguém tá nos pagando nada), mas esse caso é beem diferente. 

Primeiro de tudo, é um comercial que tem na trilha sonora a paraense Luê e o paulista Marcelo Jeneci - sendo a primeira gravação dela divulgada após o lançamento do CD A Fim de Onda, em março último. Os dois participam do Natura Musical. A música é de autoria de Marcelo Lucato (e, se não me engano, já foi usada em comerciais anteriores da marca) e o arranjo é de Ruriá Duprat. 

Segundo, em função da mensagem do comercial, que se propõe a mostrar diferentes maneiras de afeto, seja entre homem e mulher, pai e filha, homem e homem, neta e avó, mulher e mulher - algo NADA comum na publicidade brasileira. Como bem comentou Sanotsusan no YouTube, Não acredito que eu tô realmente vendo uma campanha publicitária de produtos de beleza que não é ofensiva, sexista ou homofóbica. Talvez o mundo tenha alguma salvação ainda. Parabéns, equipe da Natura. 



Para baixar a música, clique no link: 

Cronistas da Rua lançam parceria com rappers do Ceará e Rio de Janeiro


O grupo de rap paraense Cronistas da Rua disponibilizou para download no Soundcloud no começo de maio a faixa "É arrente", produção que envolveu profissionais de três regiões do país. O som faz parte do EP Tekoha

A voz principal é do rapper Dime, do Pará. A produção instrumental é do cearense RAPadura xique chico. á ainda as participações especiais dos cariocas Ramiro Mart e Iky Castilho. 


Mapeamento 2013: Endless Bloodshed


55

Banda - Visceral Slaughter
Cidade/ Estado - Macapá (AP)
Single
Gênero/ estilo - death metal 
Data de lançamento - 8.5.13

Single que antecipa o primeiro CD da recém-criada banda amapaense, formada por ex-integrantes da Anonymous Hate (Victor Figueiredo - voz, Fabrício Góes - guitarra e backing vocal, Romeu Monteiro - baixo, Alberto Martínez - bateria). O CD, com 9 faixas e intitulado Caedem, será lançado por selos do Brasil e do Peru em junho. A capa está ao lado. 

Onde ouvir e comprar http://visceralslaughter.bandcamp.com/
(você pode escolher quanto quer pagar)



VN Vida Noturna lança clipe "O Jogo"

O grupo de rap paraense VN Vida Noturna lançou no dia 2 no YouTube seu clipe para a música "O Jogo". As filmagens foram feitas em Belém, incluindo locações na praça Frei Caetano, na Cidade Velha (incluindo um menininho dançando o "treme"). A letra denuncia o racismo e o preconceito em geral. 


Produção: Traumas Video
Grupo VN Vida Noturna Integrantes: P, Jó, Tite e DJ Morcegão

Ficha técnica

Imagens: Caio Romano, Michel Nôvo, Well Marciel
Assistente de produção e Making off: Alexandre Passo
Edição: Caio Romano, Michel Nôvo
Direção: Julio Sodré
Produtor Executivo: Julio Sodré

Foi Show: Jamrock em Rio Branco

Por Nany Damasceno, de Rio Branco
Fotos: Ed Andrade Jr. 


A banda roraimense Jamrock apresentou-se no SESC de Rio Branco na terça, 7, numa etapa de sua turnê pelo projeto SESC Amazônia das Artes

O show no Teatro de Arena do Sesc foi gratuito. Ana Gabriela (voz e violão), Hugo Pereira (voz e baixo), Hyago Moura (voz e guitarra) e Roberto Vizotto (bateria), com Bebeco Pujucan na gaita-de-boca, teclado e sampler, realizaram um espetáculo de cerca de uma hora para um público pequeno, mas animado.

O atraso inicial valeu a pena (o show divulgado para ter início às 19:30 começou ás 20:30). Olhares atentos e curiosos estavam estampados nos rostos do público. Foi a primeira apresentação da banda no Acre.

As letras, autorais, passam mensagens positivas e de amor típicas do reggae; misturam-se com guitarras distorcidas e ás vezes até com o samba. E isso agradou e muito ao público acreano que se, no começo parecia tímido e curioso, ao final já estava pra lá de animado e dançando. Energia boa do início ao fim, a banda que tem apenas 3 anos de estrada sabe o que faz em cima do palco.

“Eu não conhecia a banda, mas gostei muito desse estilo, as letras com uma pegada rock’nroll agradam” , comentou o espectador Raul Teixeira.




Durante os shows da turnê, a Jamrock grava o videoclipe da música “Segundo Sonho”, que faz parte do EP A Primeira Viagem, lançado pelo Som do Norte em junho de 2012 “Queremos que em cada lugar que passarmos, as pessoas façam parte desse nosso primeiro clipe”, diz Ana Gabriela.

Depois do show, a Jamrock publicou em sua página do Facebook: 

Chegar em um estado em que você nunca pisou antes, conhecer as pessoas e os lugares, se encantar a cada instante, fazer o seu trabalho com um turbilhão de sensações percorrendo as veias, se expressar de corpo e alma e sentir o gosto de tarefa feita no ar... Tudo isso é pequeno ao lado do sentimento de ver uma, duas ou três pessoas se levantando e se expressando do jeitinho que dá, dançando, curtindo a tua música.

Acre foi isso, esse sentimento de dever cumprido e felicidade absurda ao ver tantos olhares curiosos no começo e danças e sorrisos no fim. Uma experiência memorável, sem dúvidas!

Ao fim do show, a banda conversou com o público que não perdeu tempo em elogiá-los e aproveitou para vender o CD. Fica, segundo eles, uma enorme vontade de voltar, vontade essa apoiada pelo público:

”Amei o show, amei a banda, parabéns mesmo, até agora estou admirada com o talento deles, espero que voltem logo", disse entusiasmada a espectadora Sinaira Santos. 



domingo, 12 de maio de 2013

Foi Show: Silmara Lobato e Ana Martel

Na quinta, 9 de maio, o projeto Fim de Tarde no Museu, do Museu Sacaca (Macapá) fez uma homenagem às mães, trazendo a música de Silmara Lobato e a poesia de Pedro Stkls. A decoração da praça de alimentação, onde o projeto acontece, estava extremamente romântica, com flores e velas nas mesas, e um coração formado por flores numa das laterais (onde muita gente tirou uma foto apaixonada) - o romantismo no ar era tanto que alguém comentou comigo "parece decoração de Dia dos Namorados" (se bem que uma coisa leva à outra, não?). 

Silmara atrasou-se um pouco (o show começa às 19h, ela chegou às 19h20). Enquanto ela não vinha, o violonista Cássio Pontes cantou alguns clássicos da MPB, como "Qui nem Jiló" e "Lindo Lago do Amor". Assim que a vocalista da banda Negro de Nós chegou, desculpou-se e, acompanhada por Cássio, deu início a uma sequência de canções românticas, como "Fascinação", "Carinhoso" (que confessou estar cantando pela primeira vez) e "Você é Linda" (comentou que "é o tipo de declaração de amor que toda mulher gostaria de ouvir). Perto de 20h15, Silmara fez uma pausa para o momento da poesia com Pedro Stkls, que apresentou vários poemas de Elisa Lucinda e da amapaense Clara Vieira (que chegou pouco depois da leitura de seu poema...). A intervenção poética durou cerca de 25 minutos, findos os quais Silmara retomou seu show, dessa vez jogando o astral pra cima com uma sequência de sambas e, mais para o final, de carimbós, marabaixos e toadas, botando o público do Sacaca para dançar até passado de 22h. Houve duas participações de artistas presentes na platéia: Juliele, acompanhada do violonista Manoel Cordeiro, interpretou "I Just Called to Say I Love You" em inglês e português, e uma cantora identificada apenas como Renata mandou o sucesso de Malu Magalhães, "Velha e Louca". Também estiveram presentes Nivito e Celine Guedes
***


Na sexta, Ana Martel fez show no restaurante Motor's Beach (orla da Zona Sul de Macapá), com músicas de seu CD Sou Ana (2009) na primeira parte, e sucessos de Elis Regina na segunda. O show iniciou e terminou com a canção "Sou Ana", de Enrico Di Micelli (presente ao local) e Sérgio Souto. Ana teve a participação das cantoras Rebecca Braga e Ingrid Sato em "Doce Cantar", e do poeta Joãozinho Gomes em "Mal de Amor", quase ao final (quando fez novo segmento com músicas nortistas). O microfone de Joãozinho não foi ajustado, e assim não se ouviu a voz dele, nem mesmo quando Ana aproximou o seu microfone de Joãozinho. Nesta sequência final, Nena Silva se juntou com sua caixa de marabaixo à banda de Ana para reforçar a percussão. 

A maior parte, cerca de 60% do show, foi dedicado a lembrar clássicos consagrados por Elis, em arranjos bem próximos das gravações originais. Ana deu preferência a temas da época do Fino da Bossa, como "Upa Neguinho", e da fase final da vida da cantora gaúcha, como "O Bêbado e a Equilibrista". "Arrastão" abriu a segunda parte do espetáculo, como tema instrumental feito ao piano pelo maestro Joaquim França, amapaense radicado em Brasília. Nesta parte, destaco a interpretação de Ana para "Velha Roupa Colorida". O arranjo surpreendente da noite ficou reservado para a primeira do bis: "Amor Até o Fim", em que Ana brincou com o andamento do samba, fazendo lindas pausas inesperadas. 

Fotos: Elton Tavares