Aqui se fala do som dos estados do Norte do Brasil: Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins

sábado, 9 de fevereiro de 2013

Diz Aí: Rod Ferreira (Avens)

Por Raíssa Lennon,
especial para o Som do Norte



Com 13 anos de existência, a banda Avens se apresentou na noite de sábado, 2, no Grito Rock Belém, trazendo novidades. Eles agitaram o evento com o desempenho do novo baterista Emannuel Penna, e dos integrantes Raphael Va, no baixo, Gileno Vaz no vocal e Rod Ferreira na guitarra, e surpreenderam ao fazer um cover da música “Refuse Resist”, do Sepultura.

Antes da apresentação, o guitarrista Rod Ferreira concedeu uma entrevista especial ao Som do Norte, para falar sobre o festival, a banda, projetos futuros, entre outros assuntos.

Fale um pouco sobre a banda, como é o som de vocês e suas influências?

A banda "nasceu" em 2000. A gente não gosta muito de rotular um tipo de som, mas se tivéssemos que fazer isso, diria que tocamos um metal alternativo, um metal com umas batidas diferentes do que esse que a galera esta acostumada a ouvir. Sobre as nossas influências posso dizer que ouvimos muito Pantera, Black Sabbath, Led Zeppelin, Perfect Circle, Metallica e Sepultura também é uma banda que nos identificamos muito, até por serem brasileiros que tocam em inglês.

Mas vocês sempre cantam em inglês? Por que a preferência?

Sim, a gente sempre cantou em inglês desde o início da banda, até pelo estilo que resolvemos seguir. O estilo que a gente toca é muito complicado de encaixar letras em português. Não que seja impossível, se alguém conseguir, ótimo. Temos, inclusive, a banda Navalha que surgiu agora e que tem um estilo parecido com o nosso, mas canta em português. Mas o fato é que a gente sempre se identifica com o rock norte-americano e internacional. Até porque não somos limitados e achamos que a música é uma linguagem universal, e querendo ou não a língua inglesa é universal no mundo, onde você vai as pessoas compreendem. Mas todos os integrantes são de Belém. 

E o que vocês prepararam para o Grito Rock?

Bom, estamos com um baterista novo, o nome dele é Emmanuel Penna, e essa pegada da bateria é a grande novidade. No Grito Rock a gente preparou um show com músicas nossas, mas também ensaiamos um cover especial para o público. É a primeira vez que a gente vai tocar esse cover, que é uma música do Sepultura, uma banda brasileira que faz muito sucesso lá fora. As pessoas podem não ligar a gente diretamente a eles, porque o som é diferente, eles são mais “thrash metal”, mas a gente gosta muito do trabalho deles.

Vocês já tocaram antes no festival?

A Avens em si nunca havia tocado no Grito Rock, mas eu já toquei com outro projeto meu em 2008 ou 2009. O nome do projeto era Inversa e depois virou Inverso Falante.  

Você considera importante a participação no evento?

Sim. É lógico que qualquer oportunidade que apareça a gente abraça, porque aqui é meio escasso de oportunidades. E a gente sabe que é complicado para produzir festivais aqui, mas tem uns que já tão aí há muito tempo, como o Fabrikaos, que é um evento só de rock e o Se Rasgum, que hoje é mais diversificado. Mas a gente acha importante mostrar o trabalho seja a onde for, seja pra uma pessoa num barzinho ou pra mil pessoas em um festival. Já tocamos em alguns festivais como a prévia do Fest Rock e o Yamada Tim Festival há muito tempo. Mas tocamos recentemente no Rock Rio Guamá. Mas durante a história da Avens tocamos também em festas, casas noturnas, enfim. 




E a Avens já tem um disco lançado não é?

A gente lançou em 2005 um EP com cinco músicas pelo selo Ná Figueredo, o nome desse trabalho era Avens também. Sendo que três músicas desse EP foram aproveitadas para o lançamento do nosso álbum chamado Holy Insanity, que tem 9 faixas, e foi lançado em fevereiro de 2012, somente na internet. Entre as músicas que fazem parte do álbum estão “Holy Insanity”; “Sweet House”; “Avoid Me”; “Avens” e  “The Blind Man And Light”.

As letras são compostas por quem? Do que falam as canções?

Quem compõe sou eu e o Gileno. O que nos falamos, até agora, são temas como sentimentos humanos, por exemplo. Mas temos músicas que falam de religião, de evolução pessoal, enfim, problemas que as pessoas enfrentam e como elas podem fazer para vencer esses problemas, defeitos que todo ser humano tem, e como conviver melhor com as outras pessoas. É mais ou menos isso. Avens é uma espécie de planta que cresce em poucas partes do mundo e serve de alimento para alguns insetos. Então, nos queremos que a música sirva de alimento para as pessoas, para que elas evoluam de alguma forma. 

E quais são os projetos da banda para 2013?

A gente quer em 2013 realizar um sonho que nos não conseguimos em 2012, que é a turnê européia. E de quebra, em segundo plano seria uma turnê nacional. Além disso, continuar trabalhando com o novo baterista para produzir música nova para o próximo álbum. 

Esse próximo álbum já tem nome? Tem alguma informação?

Não, ainda não tem nada. Até porque o baterista entrou agora e estamos em um processo de criação com ele e ainda não existem pistas sobre esse novo álbum. Só temos alguns riffs de guitarra, algumas letras que vão ser trabalhadas, para gravarmos fora de Belém.  

Para terminar, como é que o público pode encontrar a música de vocês e informações sobre a banda?

O caminho mais fácil de conhecerem a gente é através do nosso Facebook. A fanpage é Avens, é só procurar lá. Nós temos também um perfil no Myspace que é o www.myspace.com/avensband e nossas músicas podem ser encontrados no soudcloud também, no endereço http://soundcloud.com/avensband


Nenhum comentário:

Postar um comentário