Aqui se fala do som dos estados do Norte do Brasil: Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Agenda Boa Vista: 7ª Noite Som do Norte


Mapeamento 2013: A Fim de Onda


23

Artista - Luê
Cidade/ Estado - Belém (PA)
CD
Número de faixas - 10
Gênero/ estilo - MPB
Data de lançamento - 9.3.13

Primeiro CD oficial da jovem revelação da música paraense. Criada no Arraial do Pavulagem, do qual seu pai, Júnior Soares, é um dos fundadores, Luê estudou violino clássico e participou de várias orquestras antes de se aventurar a cantar, o que começou a fazer há apenas 2 anos e 4 meses (sim!). Luê combina em seu som elementos da MPB com música tradicional paraense, somados a uma estética contemporânea. O disco contém músicas de Júnior Soares em parceria com Ronaldo Silva (ambos do Pavulagem) e outros autores paraenses, além de temas da própria Luê com parceiros do quilate de Arnaldo Antunes. Outra característica marcante da intérprete é ser uma das raras cantoras da sua geração cujo instrumento de acompanhamento é uma rabeca. 



Agenda Belém: Tó Teixeira, Vida e Obra



O pacote de lançamentos valoriza a figura de Tó Teixeira, violonista que os belenenses geralmente conhecem apenas por ele emprestar o nome à lei municipal de incentivo à cultura. Salomão Habib apresenta o fruto de 24 anos de pesquisa, lançando numa vez só:

- livro de partituras de Tó;
- três CDs com peças inéditas para violão solo  - Salomão Habib Interpreta Tó Teixeira
- livro Tó Teixeira - O Poeta do Violão, com história do violão no Pará, incluindo um panorama cultural e violínistico da Belle Époque
- e um documentário em DVD. 


REPERTÓRIO DO CONCERTO

1.      BAMBIÁ QUE DINDINHA DANÇAVA – 1900
2.      CARIMBÓ (SOLO) – 1908
3.      MÁGOAS DE CRIOULO (SOLO) – Sem data de composição
4.      SINTO-ME BEM ASSIM (SOLO) – Sem data de composição
5.      PINHO CHOROSO (SOLO) – Sem data de composição
6.      VOVÓ, LÁ VEM O TIO TÓ ! (SOLO) - 1976
7.      DEPOIS DA CHUVA
8.      DANÇA ALEGRE– 1920*
9.      BRASIL O CANECO É TEU !– 1970*
10. OLHA O PATO COMENTO ALPISTA – Sem data de composição*
11. CHULA SAPECA*
*Participação do Grupo “Pau e Corda” Marcelo Ramos - cavaquinho, Azarias Cardoso -  Violão, Bruno Miranda - Pandeiro e Paulo Borges - Flauta 

TÓ TEIXEIRA (adaptado do release enviado pelo artista)



Antonio Teixeira do Nascimento Filho, popularmente conhecido como TÓ TEIXEIRA, era filho de um ferreiro de profissão e exímio flautista por vocação. Foi mais um dos descendentes dos escravos que serviam as ricas famílias portuguesas moradoras das Rocinhas de Nazaré.

Tendo nascido e se criado no antigo bairro de negros chamado Umarizal, um ambiente propício à música e aos festejos populares, logo despontou para a arte musical, tornando-se um dos mais festejados violonistas de sua época e conceituado professor de música de famílias de Belém da Belle Époque, deixando rica e variada obra musical à posteridade, composta não somente de estudos violonísticos, mas de uma grande variedade de gêneros.

Autor de inúmeras valsas, sambas, sonatas, choros, polcas, ladainhas, canções e uma série de outros diferentes gêneros, o compositor TÓ TEIXEIRA tinha uma particularidade em sua obra: a forma de nomear suas músicas. Peças como “CARVOEIRO DO SAPATO BRANCO”; “CARANGUEJO REFOGADO COM AZEITE DOCE”; “VAMOS TOMAR CAFÉ”; “SINTO-ME BEM ASSIM”; “PADEIRO SEM CAMISA”; “OLHA O PATO COMENDO ALPISTA” ilustram a originalidade e a simplicidade deste genial mestre que retratou como ninguém o cotidiano dos negros trabalhadores na Belém da Belle Époque.

Não seria exagero afirmar, que foi a partir do trabalho desenvolvido por TÓ TEIXEIRA que o violão no Pará iniciou sua conceituada trajetória, pois há de se considerar que mesmo possuindo um caráter meramente popular, sua obra e, fundamentalmente, sua dedicação ao ensino da técnica violonística, transformaram a imagem desse instrumento, provocando grandes modificações no que se refere à aceitação da ideia de que o violão poderia transitar fluentemente pelo campo erudito, o que contribuiu vigorosamente para o fortalecimento e a ascensão do violão às grandes salas de concerto neste Estado.

Portanto, na esteira musical iniciada por TÓ TEIXEIRA, revelou-se no Pará, uma linhagem tradicional de grandes compositores e músicos de violão, dentre os quais podemos ressaltar nomes como de ALUÍSIO SANTOS, BEM-BEM, PEDRO MATA-FOME, ATAULFO MIRÓN, CARLOS RODRIGUES, SALATHIEL MOREIRA, VAÍCO, MESTRE CATIÁ, GARARD (violão de sete cordas); GINO (violão de sete cordas), NEGO NELSON, EVERALDO PINHEIRO, ALDEMIR, PAULO MOURA, SEBASTIÃO TAPAJÓS e o próprio SALOMÃO HABIB.

Hoje, sabemos que todos esses talentosos músicos foram brindados pelo pioneirismo desse grande mestre, tendo sido beneficiados com o caminho trilhado por ele no início do Século 20.

Como temos visto, atualmente, vivencia-se, em âmbito nacional, um momento de grande interesse pelo Estado do Pará, com claras evidências de aceleração nos negócios em torno da cultura regional, principalmente, no que diz respeito à valorização do turismo, da gastronomia e de nosso patrimônio histórico como um todo, seja ele material ou imaterial.

Contudo, a busca incessante por novas formas de empreendimento, com uma linguagem mais acessível comercialmente, tornam as iniciativas de revitalização e preservação de antigos legados, bastante difíceis e até mesmo insuficientes.

Diante desse quadro de pouco incentivo, uma valorosa parte de nossa cultura musical, principalmente, a do início de século XX, encontra-se seriamente ameaçada de se esvair com o tempo.

Um exemplo desta triste realidade foi a constatação por parte de SALOMÃO HABIB, de que a rica obra deixada por MESTRE TÓ TEIXEIRA encontrava-se totalmente desconhecida pela nova geração de músicos paraenses e o pior, em vias de grave deterioração, correndo o risco de se perder por completo.

Todavia, pouco mais de duas décadas após seu falecimento, as ínfimas iniciativas de preservação e divulgação desta inestimável obra tomaram um rumo diferente, diante do interesse e empenho de SALOMÃO HABIB em recolher, completar e catalogar um quantitativo em torno de 600 peças, num árduo e silencioso trabalho de pesquisa que durou mais de duas décadas.

Com a finalidade de dar seguimento a um projeto de levar tal legado musical ao conhecimento público, tornou-se imprescindível a captação de recursos materiais e financeiros para a editoração, gravação e divulgação da obra, a fim de que nem o Estado e nem o povo dessa Região, lamentasse posteriormente a perda dessa importante parcela de nossa cultura.

Foi graças ao patrocínio do SESC Nacional e do SESC Regional do Pará, em função do apoio incondicional da pessoa de seu Presidente Regional, Sr. CARLOS MARX TONINNI, que SALOMÃO HABIB finalmente pode pôr em prática seu projeto de revitalização musical, intitulado TÓ TEIXEIRA - VIDA E OBRA, que tinha por objetivo maior a publicar parte da obra desse talentoso artista, contando sua história, com vias a reconduzir MESTRE TÓ TEIXEIRA ao posto que lhe é de direito, ou melhor, à condição de ícone em nosso seleto grupo de artistas regionais. 

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Arthur Espíndola lança clipe com participação da Velha Guarda da Mangueira

O sambista paraense Arthur Espíndola lançou nesta semana o clipe de "A Passista", parceria sua com Dudu Neves, no qual contou com a participação especial da Velha Guarda da Mangueira. O samba, que nada fica devendo para o que mestres como Zeca Pagodinho têm gravado, faz parte do mais recente CD de Arthur, que o gravou no ano passado. 

O clipe foi lançado sábado, 23, no canal do diretor do vídeo, Mihay, e nesta segunda, 25, no canal de Arthur Espíndola no YouTube. 


segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Na Rede: Karine Aguiar é destaque

O show de aniversário de Karine Aguiar, realizado na sexta, 23, em Manaus, tem repercutido de modo incomum. Dois blogs do Amazonas publicaram resenhas a respeito (veja links no final do post), e na manhã desta segunda foi a vez da estudante de Jornalismo e Filosofia Wanessa Leal publicar o texto abaixo em sua página do Facebook:

Arraial do Mundo - por Wanessa Leal

Foto: Cantora Amazonense Karine Aguiar fecha parceria e expõe seu novo trabalho na Vitrine Virtual da Amazônia Ofertas.

CD ARRAIAL DO MUNDO - KARINE AGUIAR

produzido em Nova York e assinado por um dos pianistas de jazz premier da atualidade, o alemão Vana Gierig. O disco traz um forte diálogo entre a música amazônica e o jazz, além de grandes influências de outros elementos da música brasileira.... http://amazoniaofertas.com/br/68-cd-karine-aguiar-arraial-do-mundo.html


O CD Arraial do Mundo, de Karine Aguiar, é simplesmente uma mistura pra lá de boa de ritmos amazônicos com a cultura internacional americana representado no "Jazz". Mas sua genialidade não se resume a isso, não mesmo! Para se fazer um trabalho de muita qualidade, como é o Arraial do Mundo é necessário mais. Uma excelente produção musical é fundamental, e nisto o pianista Vana Gierig é gênio. Além disso, fotografias que sejam capazes de ilustrar o sentimento do artista em relação ao seu trabalho, pois é preciso revelar em "fotos de luz" o amor e todo comprometimento que só Cris Pellet foi capaz. Ah, e com certeza o apoio de amigos verdadeiros, da família, fãs e outros hipnotizados pela musicalidade deste arraial que é também nosso.



Tudo isto agregado com um estratégico planejamento comunicacional e de marketing, o mais abrangente possível, e ainda bem que "nisto" a internet nos tem ajudado, e muito.

Aspas a parte, isto não se trata de um "guia" para o sucesso, afinal sucesso se conquista, e toda a equipe de Karine Aguiar sabe muito bem disso. Por ora posso me referir a isso como um espasmo constante de apreço pela cultura e pelo trabalho desta cantora amazonense. Ela tem algo muito valoroso: preenche com sua voz toda a música que se dedica a cantar e, como poucas cantoras/intérpretes, Elis Regina talvez seja a maior delas, sabe dar o devido tom e a vida necessária a cada canção.

O show de aniversário celebrado com a participação de outros "mitos musicais" como Torrinho, Célio Cruz, Adelson Santos, Gil Valente e sua "velha saia rodada da cena rural", no dia 23 de fevereiro, é com certeza a prova de que humildade, talento e muito trabalho, além do carisma que só Karine tem são primordiais para encantar e envolver fãs, amigos e familiares, afinal "Verdade e Comprometimento" com o que se faz também são perceptíveis por quem se encontra do outro lado apreciando.

Arraial do Mundo é único, extremamente peculiar, nele foi posto um tempero que não se vende em nenhum lugar, e olha que engraçado sem fins e rima, essa frase até rimou, mas por hora me despeço ao som do dia que todo dia é festa.

Curta, Compartilhe e Recomende você também esse Arraial, que está viajando o mundo e trouxe o que há de melhor da cultura musical Brasileira/Americana.


***

Leia também: 


Mapeamento 2013: Rock de Índio


22

Banda - Dpeids
Cidade/ Estado - Manaus (AM)
EP
Faixas - A Feira; Amigo Gordo; Doido Deles; Lotação; Missão Impossível; Você é da Onde?
Gênero/ estilo - rock/punk
Data de lançamento - 23.2.13

EP reunindo 5 músicas que a banda lançou em vídeo na semana passada, gravadas dia 16 no estúdio da Nosso Bolso Records, mais "Doido Deles", que não saiu em vídeo. Destaque para "Você é da Onde?", que comenta a discussão do então prefeito de Manaus, Amazonino Mendes, com uma paraense, a quem o político recomendou que morresse. 

Onde ouvir e baixar - http://tnb.art.br/rede/ralze


Diz Aí: Camillo Royalle (Turbo)

Às vezes é preciso ter sorte na vida. No sábado, 23 de fevereiro, eu estava na casa de shows Palco, em Castanhal (PA), onde fui cobrir o primeiro Grito Rock realizado na cidade, quando vi chegar Camillo Royale, da banda Turbo, que chegara a Belém apenas três dias antes, proveniente de Gotemburgo, Suécia. A Turbo ficara 18 dias no estúdio do produtor Chips Kiesbye, responsável por álbuns como By The Grace Of God, dos Hellacopters. Aproveitei, portanto, a ocasião para fazer com Camillo a primeira entrevista que ele concedeu a respeito da gravação após voltar ao Brasil. 

Turbo é destaque na imprensa
de Gotemburgo

Para quem tem banda, sugiro prestar atenção na dica de Camillo que encerra a entrevista, sobre a importância da pré-produção. Confira!





Abertas as inscrições para oficinas do Cordão do Peixe-Boi

A partir desta terça, dia 26 de fevereiro, o Instituto Arraial do Pavulagem abre inscrições para o Cordão do Peixe-Boi 2013, seu primeiro cortejo no ano. O desfile acontece em Belém no dia 7 de abril.


O Cordão do Peixe-Boi é uma ação educativa, artística, sociocultural e ambiental, que propõe estimular valores éticos e estéticos com base na solidariedade, paz e harmonia entre os seres vivos do planeta, por meio de oficinas de arte, ensaios abertos, rodas cantadas, seminário, feira, cortejo de rua e show musical.

Quem nunca participou anteriormente de um cortejo realizado pelo instituto, inscreva-se no site arraialdopavulagem.org até o dia 12 de março. O instituto oferece as oficinas de Percussão e Ritmo, Danças Regionais e Técnicas Circenses, entre os dias 14 e 23 de março.

Foto: Alexandre Nascimento

Para os participantes “veteranos” do Batalhão da Estrela, basta confirmar a participação a partir de terça-feira no site do instituto. Os ensaios começam no dia 24 de março e terminam no dia 5 de abril, com a realização do ensaio geral para o cortejo.


Calendário de atividades

Inscrições para as oficinas: 26/2 a 12/3
Período de Oficinas: 14 a 23/3
Ensaios do Batalhão da Estrela: 24/3 a 5/4
Cordão do Peixe-Boi 2013: 7/4

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Mapeamento 2013: Ego Espelho


21

Banda - Coveiros
Cidade/ Estado - Porto Velho (RO)
Single
Gênero/ estilo - rock/metal
Data de lançamento - 22.2.13

Single da banda rondoniense, pregando a ação contra o marasmo social: uns rumos/ dois mundos/ os muros/ meus punhos: Gravado no MJ Studios. 



Foi Show: Chico Chagas


Por Nany Damasceno,
de Rio Branco


Na terça feira, 19 de fevereiro, o público rio-branquense prestigiou em peso o show Piano Solo de Chico Chagas, na Usina de Arte. Músico, acordeonista, pianista, arranjador, baixista, enfim, um multi-instrumentista. Esse é Francisco das Chagas Gomes da Silva, o Chico Chagas, que é reconhecido pela critica brasileira por suas inúmeras apresentações internacionais.



O segundo CD do artista acreano, Um Chopin no Bach Ouvindo Forró, recebeu menção honrosa na lista de “Os 100 Melhores Álbuns da Música Brasileira em 2012”, do portal Embrulhador, que ainda considerou a faixa-título do álbum a 75ª entre as  100 melhores músicas de 2012.

Em sua apresentação, Chico fez uma combinação entre músicas nacionais e internacionais que incluiu composições de Tom Jobim, Milton Nascimento, Da Costa , Ernesto Nazareth, Chiquinho Arigó, Jorge Cardoso, Michel Legrand, Luiz Gonzaga, entre muitos outros, além, claro, das suas músicas autorais, o que resultou num espetáculo que o próprio Chico descreveu como “uma volta ao mundo no mundo da música”.


Esta foi a segunda apresentação de Chico Chagas com este espetáculo, a primeira foi em janeiro; os dois eventos foram gratuitos e a procura em ambos foi muito grande.


Chico Chagas começou a tocar aos sete anos de idade, em festas juninas acompanhado pelo pai. A primeira vez que saiu do Acre foi para a capital do estado vizinho, Rondônia, onde foi estudar com o pianista Tito Freitas. E foi por intermédio dele que Chico depois seguiu para o Rio de Janeiro, para prosseguir nos estudos. Desde então, Chico seguiu morando no Rio, afora um período de cerca de três anos na Inglaterra.

Chico Chagas é sem dúvida, um grande instrumentista, digno dos muitos aplausos que recebe em shows, como o de terça-feira. Segundo ele, tocar no Acre é sempre gratificante “É sempre muito bom rever os amigos, estar em casa... porque tem um repertório que você toca em alguns lugares do País e todo mundo conhece, mas tem umas músicas que somente aqui no Acre as pessoas cantam junto, que são as músicas dos compositores daqui, então estar aqui é sempre esse prazer todo.

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Na Rede: CD Carimbó Electro Seco de Ben Charles é destaque na internet

O músico roraimense Ben Charles vem colhendo bons frutos do seu mais recente lançamento, o disco CARIMBO ELECTRO SECO, OU O AMOR E A ESPERANÇA EM TEMPOS DE AQUECIMENTO GLOBAL, lançado virtualmente no último dia 18 de janeiro, com apoio do portal SOM DO NORTE e do BLOG RORAIMAROCKNROLL.

Diversos sites e blogs especializados em música independente do Brasil vem destacando e elogiando o trabalho do músico roraimense que lança o disco CARIMBO ELECTRO SECO.. dia 15 de março na estréia das NOITES SOM DO NORTE em Boa Vista - RR na Casa do Neuber. 

A seguir confira alguns links que destacam o novo disco de Ben Charles:

E LEIA A PUBLICAÇÃO COMPLETA DO HOMINIS CANIDAE

E LEIA A PUBLICAÇÃO COMPLETA DO EU OVO

E LEIA A PUBLICAÇÃO COMPLETA DE PRA QUE PAGODE?

E LEIA A PUBLICAÇÃO COMPLETA DO PORTAL MACUXI


E SAIBA MAIS SOBRE O LANÇAMENTO DE CARIMBÓ ELECTRO SECO OU O AMOR E A ESPERANÇA EM TEMPOS DE AQUECIMENTO GLOBAL


* Publicado originalmente no blog Roraima Rock'n'Roll 
20.2.13

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Ouça (e baixe) "Marchas", nova música da Aeroplano

O site Invisíveis.com divulgou agora pela manhã a nova música da banda paraense Aeroplano, "Marchas".

Nada a ver com carnaval, apesar de ainda ser fevereiro. Na letra de Eric Alvarenga e Diego Fadul, a palavra designa  as caminhadas sem direção de "todo... procurando as migalhas de um destino fazem longas marchas sem direção". O tema lembra um pouco, portanto, a letra de "Jesus Cristo" (Roberto & Erasmo Carlos, 1970), sem porém o caráter redentor do clássico soul do Rei (onde ao menos havia a certeza de que o caminho certo seria apontado pelo Pai Celeste, Deus Nosso Senhor). Aqui, ao contrário, o eu-lírico pede ao grande mundo descaminho que dê um fim nessas bússolas de mim, para que a vida seja mais experimentável.

A gravação foi feita no estúdio Ataque da Baleia (Belém), por Diego Fadul. 






Ficha técnica

Letra: Eric Alvarenga / Diego Fadul
Música: Aeroplano
Produção, mix e master no estúdio Ataque da Baleia por Diego Fadul.
Selo: inv.Rec / invisiveis.com

Eric Alvarenga: Vozes e Violão.
Felipe Dantas: Bateria e vozes.
Bruno Almeida: Baixo.
Erik Lopes: Guitarras.
Diego Fadul: Guitarras, meia lua e teclados
Foto: Karina Menezes

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Dpeids lança vídeos em parceria com Nosso Bolso Produções

Às vezes, quando alguém me pergunta quem financia eventos meus como as Noites Som do Norte, eu respondo, brincando, que é a "Meu Bolso Produções". Desconhecia a existência em Manaus da Nosso Bolso Produções, empresa que recentemente firmou uma parceria com a banda punk Dpeids.

Recentemente mesmo: no sábado, 16, o grupo esteve nos estúdios da produtora, gravando 5 vídeos - três foram lançados ontem e dois hoje, todos no YouTube. 

Destaco aqui o vídeo da canção "Você é da Onde?" (sic  - o correto seria de Onde), um dos maiores destaques do Festival Até o Tucupi 2012. Isso porque estão rareando as músicas brasileiras que fazem uma crítica ácida a fatos políticos contemporâneos. O fato criticado, no caso, foi o destempero verbal do então prefeito de Manaus, Amazonino Mendes, que ao conversar com moradores da comunidade Santa Maria, foi questionado por uma senhora sobre a falta de condições dignas para viver, ao que Amazonino respondeu "Então morra". (sic!!!), perguntando depois de onde ela era. A senhora afirmou ser paraense, ouvindo então o prefeito dizer "Então pronto, tá explicado!". Duvida? Veja isto na reportagem levada ao ar pela TV Amazonas em 21 de fevereiro de 2011 - http://www.youtube.com/watch?v=dvmpgrG_eCM







Agenda Castanhal: Grito Rock


Ouça prévia do CD Zulusa, de Patricia Bastos


A página Ziriguidum, do portal UOL Mais, divulgou hoje pela manhã uma amostra do novo CD de Patricia Bastos, Zulusa. Trata-se de "U amassu i u dubradú", música de Dante Ozzetti e Joãozinho Gomes. Ozzetti é o diretor musical deste quinto disco da cantora amapaense, que o gravou no ano passado em São Paulo.

"Amassador" e "dobrador" são os nomes dos dois tambores que acompanham os batuques típicos do Amapá, ao lado de três pandeirões. 

Sai em março novo CD do Arraial da Pavulagem


O Arraial da Pavulagem lança no próximo dia 1º de março o oitavo disco da carreira, ‘Céu da Camboinha’. Com patrocínio do Banco da Amazônia, o trabalho foi gravado, mixado e masterizado no estúdio Midas Amazon Estúdio, em Belém. O disco tem participação especial da cantora e instrumentista Luê, tocando rabeca na canção ‘Realeza do Guamá’. Já a rabeca em ‘Retumbão do Caeté’ e ‘Barca da Lua’ é de Luiz Pardal . Nos sopros, Joab Quadros e Jó Ribeiro nos trompetes e Esdras Souza no sax. Junior Soares, além de tocar e cantar, assina ainda a produção executiva a direção musical. O CD traz ilustrações de Elton Galdino e projeto gráfico de Carol Abreu.
O show de lançamento ocorre às 20h, na Praça do Povo, no Centur (Belém), com entrada franca. O evento tem apoio da Funtelpa e Fundação Cultural do Pará Tancredo Neves.


domingo, 17 de fevereiro de 2013

Diz Aí: Diogo Soares (Los Porongas)

Entrevista a Nany Damasceno


Formação atual da banda - Diogo é o da direita

Como começou a Los Porongas? Resume um pouquinho dessa historia que eu sei que é grande...

O começo do Los Porongas tem a ver com o momento da cidade de Rio Branco no começo dos anos 2000. Tinham vários artistas com vontade de fazer a coisa rolar, teve o Festival Universitário da Canção, uma noitada cultural chamada Baladas Kintas, organizada pelo Dande Tavares. A gente surgiu nesse contexto e fizemos o primeiro show com a formação que se jogou na estrada em junho de 2003, na Concha Acústica. De lá pra cá o sonho de ter uma banda virou nossa vida e a vida já ganhou outros sonhos, mas em todos eles a música é central.

Como foi esse começo, na cena do Acre? Já que além de ser artista, vocês também eram ativistas culturais e eram grandes responsáveis pela cena cultural de Rio Branco.

Foi massa demais. Dava gosto realizar as coisas, ver as bandas das quais gostávamos tocando nos eventos que a gente produzia e proporcionar a conexão do que a gente fazia com o resto do Brasil, a partir do Festival Varadouro. Essa plenitude nos deu confiança e foi muito importante pra decidirmos cair na estrada, rumo ao desconhecido. Se a coisa virava no Acre, poderia virar em qualquer lugar.


Show em Rio Branco - janeiro de 2011


E em que momento rolou a decisão de ir morar em SP?

Foi durante o ano de 2006, quando tocamos em vários festivais pelo país e sentimos a aceitação do público e da crítica. Era uma ideia antiga já, principalmente pro Magrão e pro Anzol, que até já tinha saído do Acre pra morar em São Paulo na década de 80. Mas o ano de 2006 foi quando essa decisão deixou de ser vontade pra se tornar ação.

Como foi o começo da vida aí?

Difícil pra caralho! Não conhecíamos quase ninguém e quase ninguém nos conhecia. Zerou tudo: público, reconhecimento. Tocamos em cada lugar que tínhamos oportunidade quando chegamos, das casas da Augusta até os palcos mais consagrados da cidade como o Itaú Cultural, CCSP, Sesc’s. O tempo foi passando e ficamos mais seletivos, não dá pra entrar em qualquer uma, pessoas foram se achegando à gente e de repente temos uma equipe trabalhando junto, pensando várias coisas, hoje tudo evoluiu pra isso. Mas tivemos que morar juntos, o que foi fundamental pra conseguirmos nos manter aqui, mas muito desgastante também. Chegamos na cidade sem produtor, nós mesmos que fechávamos os shows, mas não aconselhamos ninguém a fazer isso! 

Fala um pouquinho do hiato entre um CD e outro.

Foram 4 anos de adaptação a uma nova vida que se impôs a partir da mudança pra São Paulo. Foi um tempo de saudades, muitas descobertas e inspirações. As músicas foram ficar prontas mesmo de 2009 a 2010. As letras ficaram prontas por último em praticamente todas as canções. A gente só sabia que tinha que fazer o disco, e ele foi surgindo de ideias que cada um ia trazendo, acertávamos algumas coisas ensaiando, apesar de ensaiarmos menos que eu imaginava antes de virmos. Na real tudo o que aconteceu em São Paulo é completamente diferente do que um dia imaginamos para essa viagem. Imaginar a cidade é uma coisa, viver nela é que são elas.
E como está sendo este momento agora de em pouco tempo o lançamento do CD, o lançamento de dois clipes e vários shows e reconhecimento.
A gente tá experimentando várias coisas que eram vontades antigas. Sair em turnê e produzir videoclipes era duas coisas que estavam entre nossos anseios há muito tempo. Esse momento tem me feito olhar pra trás e ver como se deu tudo o que vivemos até hoje. Tentamos ser coerentes com o nosso tempo pra sobreviver como banda de rock autoral no Brasil 2000 e se nossas escolhas nos trouxeram até aqui, só nos resta dar tudo de nós no próximo disco, nos próximos shows e no que mais a música nos sugerir.

E como vai ser agora com o lançamento do clipe de "A Dois"? Vai rolar lançamento em outros lugares?

O clipe tá repercutindo muito bem, tanto na mídia especializada como na internet. Nas próximas semanas ele vai entrar na grade da MTV, MIXTV, CANAL BRASIL, PLAYTV e Multishow. A gente já quer é fazer outro. 

E o terceiro CD, tem previsão?

Já começamos a criar algumas coisas, estamos experimentando, já tem alguns esboços, mas nenhuma canção finalizada ainda. Este ano vamos criar o repertório e gravar o disco para lançar no primeiro semestre de 2014.

E as novidades pra 2013?

Queremos gravar o DVD de 10 anos no Acre, produzir um documentário e um tour que passará pelas cidades do Norte do Brasil em que já tocamos. A novidade mais quente é o lançamento do documentário sobre o Tour Norte que fizemos ano passado, que em breve estará disponível.

Rapper Arab, de Manaus, participa de gravação chilena

O rapper e grafiteiro amazonense Arab, da Dinastia V.A.N., lançou no Soundcloud no domingo passado um som que gravou em parceria com os chilenos de La Real ZN FT, "Estados de la Vida". Cada rapper rima em seu idioma, logo temos um som bilíngue, português-espanhol. Como vocês poderão ouvir, as grandes questões sociais são as mesmas, em Manaus e Santiago. 


sábado, 16 de fevereiro de 2013

Eisenhower: semana de lançamentos

Sem essa de esperar o carnaval passar - a banda amazonense de metal Eisenhower iniciou sua semana de lançamentos em plena Terça-Feira Gorda. No dia 12, o quarteto formado por Marcos Magalhães (vocal), Carlos Mota (guitarra), Jayth Chaves Neto (baixo e vocal) e Eduardo Fiúza (bateria) mandou pros ares via YouTube "Amazon Shapeshifter", uma das faixas do álbum que está em processo de gravação. As imagens são de um navio, com e sem membros da banda por perto. 


Apenas dois dias depois, na quinta, 14, a banda lançou também via YT seu primeiro clipe, o da canção "Golden Land" - que, assim como a anterior, foi gravada ano passado no estúdio Psychotic, em Manaus. O vídeo foi dirigido por Jayth Chaves Neto e Carlos Mota e mostra imagens (em cores e preto-e-branco) da banda tocando a música no Estúdio Supersônico. 

 

O disco ainda não tem título nem previsão de lançamento. 


sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Mapeamento 2013: Breggae



20

Artista - Juca Culatra
Cidade/ Estado - Belém (PA)
CD
Gênero/ estilo - reggae/ brega
Data de lançamento - 1.2.13

Juca Culatra dedicou seu segundo CD a regravações de clássicos do brega paraense consagrados por intérpretes como Wanderley Andrade e Mauro Cotta, na linha do que Lia Sophia fez em 2010 no CD Amor Amor. Se Lia deu um ar de bossa nova ao repertório (por vezes exageradamente) romântico, agora é a vez de Juca levá-lo às praias do reggae. O lançamento aconteceu durante a abertura do Grito Rock Belém, no bar Palafita, onde o artista distribuiu cópias físicas do disco. 



Lançamento: Seis Milhas para o Inferno - Maquinários



2013 iniciou cheio de novidades para a banda Maquinários. A primeira foi a mudança de formação, com a saída do vocalista Ivan Silva. Watson Silva segue na guitarra e passou a ser a voz da banda; Matheus Andrighi assumiu o baixo e o baterista Luan Lennon ingressou para completar o trio. Outra novidade foi a transferência do QG da banda de Palmas (TO) para Chapecó (SC). Quer mais novidade? Tem, sim, senhor.

A Quarta-Feira de Cinzas (talvez por causa da faixa "Cinza Espúrio") foi a data escolhida pela banda para lançar seu novo EP, gravado pela antiga formação, ainda um quinteto, em São Paulo, no estúdio Mr. Som. Produzido pelos ganhadores do Grammy em 2011 Marcello Pompeu e Heros Trench, o EP tem participações de peso em seu registro. Rogério Fernandes, vocalista do Carro Bomba, que tem em seu histórico bandas como Golpe de Estado, participou da faixa-título. O produtor Marcello Pompeu, vocalista da banda de metal brasileira Korzus, também participa de uma faixa.


Renúncia Pessoal lança "Vai cair mais um"


O grupo amazonense de rap Renúncia Pessoal lançou no Soundcloud no dia 12 (plena terça de Carnaval) seu novo som, "Vai cair mais um", retratando "as condições que o país nos dá há mais de 500 anos para sobrevivermos". 


quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

13 dicas para ser mais independente em 2013 - Final


...MAS ACIMA DE TUDO...

13)  Acima de tudo, não se esqueça: como já falei antes, ser independente não significa atuar de modo isolado. No mundo atual, somos cada vez mais interdependentes. Então defina seu foco, amplie seu repertório, otimize seus recursos, fortaleça seus laços e tenha um feliz 2013!

Mapeamento 2013: Olha o BdoR aí, gente!


19

Bandas - All Still Burns, Iza, Paris Rock, Jack Nilson, Les Rita Pavone
Cidade/ Estado - Belém (PA)
CD
Gênero/ estilo - rock
Data de gravação - janeiro de 2013
Data de lançamento - 9.2.13

CD com regravações de marchas clássicas de Carnaval, além de um samba-enredo de escola paraense (o Rancho de Ouro) e um jingle de cervejaria. A produção foi do programa Balanço do Rock (o "BdoR" do título), apresentado há mais de 20 anos todos os sábados na Rádio Cultura FM (Belém). Anteriormente, o programa já lançou projetos como um tributo à banda Delinquentes, e um especial com músicas de Natal. Primeiras faixas da Paris Rock lançadas num CD após seu EP de estreia, saído em fevereiro de 2010, e primeiras gravações de Jack Nilson em carreira solo, após o fim das atividades da Stereoscope, no final de 2012. 

Onde ouvir - https://soundcloud.com/bdor-1/sets/olha-o-bdor-a-gente



Onde baixar - A Paris Rock liberou suas duas faixas no Souncloud, em versão diferente da incluída no CD, sem as introduções com parte das gravações originais das marchas "Aurora" e "Taí" https://soundcloud.com/parisrock. A cantora Iza também liberou sua faixa "Serenata Chinesa" - https://soundcloud.com/izamusic/iza-serenata-chinesa-jo-o-de

terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

13 dicas para ser mais independente em 2013 - Parte 12

FORTALEÇA SEUS LAÇOS - 4

12) Se sua banda tem uma página na internet – site, blog, Soundcloud, PalcoMP3, o que for -, pense num mecanismo onde seus fãs podem informar e-mails para receber novidades da banda. Ou então aproveite um momento em que eles estiverem reunidos – a banda O Teatro Mágico passa uma lista para recolher e-mails entre o público ao final dos shows. Procure mandar informativos periodicamente, ou ao menos sempre que houver novidades. Se sua banda tiver assessor de imprensa, é interessante delegar a ele esta função; este profissional saberá quando e como comunicar os novos passos aos fãs.

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

13 dicas para ser mais independente em 2013 - Parte 11

FORTALEÇA SEUS LAÇOS - 3


11) Isso talvez não se precisasse dizer, mas enfim... Não apenas peça ajuda, mas procure ajudar quando solicitado (ou, caso acredite que poderá somar, e tiver abertura para isto, proponha-se a ajudar). Afinal, parcerias são vias de mão dupla. Porém, evite preocupar-se mais com o projeto de outra pessoa que ela mesma. Uma boa dica para isso é, ao final de um papo (presencial ou virtual) sobre o projeto de alguém, você pedir que a pessoa envie algo de que você irá precisar (afinal, o projeto não é seu, é dela, ela é que tem as informações), se possível estipulando um prazo para isto. Assim você está respaldado se a pessoa não enviar, ou não cumprir o prazo.

domingo, 10 de fevereiro de 2013

13 dicas para ser mais independente em 2013 - Parte 10

FORTALEÇA SEUS LAÇOS - 2



10) Um exemplo de fortalecimento de laços. Em 2012, cobri shows e festivais no Pará, Amapá, Amazonas, Rondônia, São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul para meus blogs Som do Norte e Jornalismo Cultural. A contratação de três colaboradoras, Bianca Levy - abaixo, à direita), Rio Branco (Nany Damasceno  - à esquerda) e Salvador (Calila das Mercês), permitiu ampliar o número e a abrangência geográfica dos eventos cobertos pelos blogs, além de trazer aos leitores além do meu, sobre a produção cultural. Detalhe: duas das três contratadas - Nany e Calila - já haviam escrito anteriormente para os blogs. Ou seja, na hora de ampliar a equipe, dei preferência a quem já mostrara interesse em trabalhar comigo.