Aqui se fala do som dos estados do Norte do Brasil: Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins

sexta-feira, 7 de setembro de 2012

Foi Show: Festival Casarão 2012 - 2ª noite





Porto Velho - A segunda noite do Festival Casarão foi show, de fato. Esta quinta, 6 de setembro, ficará certamente marcada pelo esplêndido show da Cachorro Grande no encerramento. Totalmente à vontade, a banda gaúcha radicada em São Paulo voltou ao Casarão (no qual tocou em 2009) apresentando um show com boa pegada rock'n'roll ao mesmo tempo em que demonstrou excelente técnica: em vez de apostar no esquema-padrão de estrofe-refrão-solo-estrofe, o quinteto quase sempre transformava o solo em longos improvisos finais, sem se voltar a cantar, procedimento que a galera que lotava a casa Move Light aprovou plenamente. Houve até alguns sons totalmente instrumentais. O repertório, que teve grandes sucessos como "Dia Perfeito", passeou por temas de toda a trajetória da banda, desde o primeiro disco, Cachorro Grande (2001), até os mais recentes - Cinema (2009) e Baixo Augusta (2011) -, incluindo ainda "My Generation", da inglesa The Who. 

Outra banda que empolgou o público foi Cassino Supernova, de Brasília. Desde o primeiro momento, o vocalista João (foto abaixo), segurando um microfone ao estilo anos 1930, veio para a frente do palco, chamando a participação da plateia. A adesão foi natural, afinal era mesmo muito difícil ficar parado ao som do show mais dançante da noite, mesclando rock'n'roll, baladas, rockabilly e country (ou "sertanejo", como brincou João). A banda focou no repertório do recém-lançado CD Na Estrada.



Veludo Branco entrou no palco logo em seguida, atacando já de cara dois temas do CD Veludo Branco Rock'n'Roll - "Falso Poder" e "Opala Branco" (este chegou a ser cantado por algumas pessoas da plateia) - e na sequência apresentando o repertório do novo EP Sem Mentiras. Foi o primeiro show que vi da banda com o baixista Paulo Henrrique, que já toca com Mr. Gonzo e Cesar Matuza (foto acima) há aproximadamente um ano, estando portanto perfeitamente integrado ao grupo. Ao final, a galera aplaudiu muito a performance de Gonzo tocando com os dentes e simulando sexo com a guitarra enquanto mandava ver sons de Jimi Hendrix, Eric Clapton e Bob Dylan. 

Depois da Veludo, e antes da Cachorro Grande, quem tocou foi a banda Kali e os Kalhordas, de Porto Velho, apresentando as músicas do primeiro CD (... E a Primavera Chega), recém-gravado e que será lançado aqui na capital de Rondônia no dia 29. O show, o único a mesclar elementos de MPB com rock nesta quinta, foi recebido menos calorosamente pelo público, talvez ainda pela "ressaca" dos shows imediatamente anteriores - Cassino e Veludo -, ou então por o pessoal estar se poupando para curtir Cachorro Grande em seguida. Alguns músicos d'Os Kalhordas estiveram também em outro show local interessante, o da Theoria das Cordas, o único que apresentou um rock com letras de conteúdo político e social.

Laura, d'Os Últimos

Antes de Theoria, quem abriu a noite, tocando para um público ainda pequeno foi a banda Os Últimos - uma pena, afinal sua boa proposta musical merecia uma recepção maior. Destaco no grupo a atuação da baterista Laura - ela, além de brilhar na condução rítmica da banda, ainda protagonizou o incidente mais curioso da noite. Como seu pedal duplo se rompeu, ela convocou ao palco Kadu, produtor e técnico de som da Cassino Supernova, que tentou ajeitá-lo, sem conseguir. Então o baterista Marlon, também da Cassino, pegou seu pedal (simples) e foi para o palco para emprestá-lo para Laura. E toda essa movimentação ocorreu com a banda tocando!!! Espero conseguir fotos deste momento.

Não se apresentaram as bandas Baby Please (RN) e Di Marco (de Ji-Paraná, RO).

Fotos: Douglas Diógenes - Mosh Photography 

Nenhum comentário:

Postar um comentário