Aqui se fala do som dos estados do Norte do Brasil: Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Ouvimos: Dino Sapiens - Juca Culatra

Hoje acontece no Teatro Estação Gasômetro (Belém), a partir das 19h, o lançamento de três CDs do projeto A Nova Música da Amazônia, idealizado pelo empresário Ná Figueredo, um dos maiores incentivadores da música paraense. Por coincidência, justamente os três que eu resenhei em junho para o site Pará Música. Os discos são: Temporal, de Delcley Machado, Curimbó de Bolso, do grupo de mesmo nome, e Dino Sapiens, de Juca Culatra. Reproduzo abaixo minha resenha sobre esse disco, linkada acima.

Amanhã, no mesmo local e horário, shows de lançamento dos discos Daime Soul, de Magrus Borges e Adriana Cavalcante, Caminhando com São Benedito, de Toni Soares, e Vem dançar carimbó, de Curica. Nos dois dias a entrada é franca, quem quiser poder doar um brinquedo, que será repassado a uma instituição beneficente.

***

Crítica social dançante

O álbum Dino Sapiens marca a estréia do irreverente cantor Juca Culatra
Por Fabio Gomes
Dino Sapiens é o primeiro CD do cantor e compositor paraense Juca Culatra. Músicas como “Crioulo Doido” e “Brócolis” já são sucesso nos shows que o artista tem feito tanto em festivais da cena independente, entre eles o Se Rasgum (Belém, 2009) e o Quebramar (Macapá, 2010) quanto em Estados como o Rio Grande do Sul, São Paulo e Minas Gerais, através do circuito Fora do Eixo.

O que garante o sucesso das músicas de Juca é, em primeiro lugar, seu ritmo contagiante, onde o reggae se combina aqui e ali com elementos de rock ou de samba. Suas letras bem-humoradas usam metáforas nada herméticas para falar da condição humana (em “Brócolis”, “o repolho, que coisa feia, só fala da vida alheia”) e da situação política do país (os ‘mosquitinhos’ de “Sobrevoando a Babilônia” são os membros do Congresso Nacional, que “andam de carro importado e todos eles bem engravatados... aumentando a sua pança”). Já em “Xingu”, Juca fala, com seriedade, de um tema atualíssimo, a usina de Belo Monte, listando os povos indígenas que vão se preparar para a guerra, porque "o Xingu merece a vida".

O CD é um lançamento da Ná Music patrocinado pelo Conexão Vivo, através da Lei Semear, Fundação Tancredo Neves e Governo do Pará.


Incentive a produção musical do Pará. Compre este disco AQUI.

13 de junho, 2011 - 16h07

Nenhum comentário:

Postar um comentário