Aqui se fala do som dos estados do Norte do Brasil: Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins

terça-feira, 1 de novembro de 2011

Na Rede: Gaby Amarantos em destaque na Folha de S. Paulo


Nesta segunda, um dia após o final do Conexão Vivo Belém, um dos maiores expoentes da cena paraense foi destaque na Folha de S. Paulo. O jornal dedicou a capa de seu caderno cultural "Ilustrada" a Gaby Amarantos. Os textos são de Marcus Preto, que esteve em Belém cobrindo o Conexão, as fotos de Carlos Ceconello:
  • Gaby Amarantos extrapola fronteiras regionais em 1º disco solo - Preto começa citando Carlos Eduardo Miranda, um dos produtores do CD Treme, que Gaby lança em 2012: "A voz da Gaby tem potencial para entrar na briga com qualquer Ivete Sangalo, com qualquer Claudia Leitte". Preto segue na linha baiana, afirmando que seu papel agora junto à música paraense é semelhante ao que Daniela Mercury desempenhou há 20 anos: "(ela) Decodificou um ritmo até então tido como "exótico" aos ouvidos do resto do país." - http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/999163-gaby-amarantos-extrapola-fronteiras-regionais-em-1-disco-solo.shtml

  • Efervescente, cena paraense interage com tradição - Aqui Preto traça um amplo panorama da cena atual do Pará, a partir da amostra fartamente significativa servida pelo Conexão Vivo Belém 2011. Observa, corretamente, que "O carimbó, a guitarrada, a lambada e o brega herdado de Alípio Martins e Frankito Lopes servem de espinha dorsal para quase todos os novatos do festival." (conforme eu já havia apontado em dezembro do ano passado no texto O Novo Som de Belém - http://somdonorte.blogspot.com/2010/12/o-novo-som-de-belem.html). O que soa estranho no texto de Preto é a divisão espacial que ele traça entre os artistas que integram tradição e inovação - uns, que estariam mais do lado da tradição (ele cita Aíla, Lia Sophia, Juliana Sinimbú e Iva Rothe), fariam esta integração pela direita, enquanto a Gang do Eletro faria isso pela esquerda junto com Gaby (não fica claro se Gaby também realiza a integração pela esquerda, ou em que posição estaria então). Preto se equivoca ao apontar o violonista Sebastião Tapajós (a quem confunde com o já falecido compositor carioca Maurício Tapajós) como integrante do novo movimento - http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/999165-efervescente-cena-paraense-interage-com-tradicao.shtml

Nenhum comentário:

Postar um comentário