Aqui se fala do som dos estados do Norte do Brasil: Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins

sábado, 30 de abril de 2011

Foi Show: Pocket Show Trelelê


A foto ao lado mostra Aíla num momento da gravação do CD Trelelê. Por conta de sua dedicação total ao registro do primeiro disco, a cantora tem feito raríssimas apresentações em Belém desde o final de sua temporada de janeiro no Bar Municipal - em abril, afora uma participação na festa de aniversário, justamente, do Municipal, no dia 14, Aíla só fez dois pockets shows de preview do CD, no SESC Boulevard, o primeiro dia 8 (exatamente no mesmo horário do Som do Norte na Saraiva com o Projeto Charmoso), o segundo ontem.

Assim como no dia 8, acompanharam Aíla músicos que gravam o CD com ela. Ontem, porém, foram apenas três deles - Felipe Cordeiro (guitarra), Camila Barbalho (baixo) e Arthur Kunz (bateria) -, ou melhor, quatro, já que houve a participação especial de Renato Torres (guitarra) em "À Sua Maneira", de Felipe (não consigo imaginar esta música sem a guitarra de Renato), e "Qualquer Esperança", de Renato com Ana Flor (que Aíla elogiou como a que mais gosta do futuro disco). Estas as participações ensaiadas. Mas, a pedido de Aíla (e da plateia), Renato aceitou tocar também em "Garota" (Alípio Martins), fazendo uma base segura permitindo belos solos à la guitarrada de Felipe.

A plateia vibrou muito com "Proposta Indecente" (Dona Onete), "À Sua Maneira"" e "Trelelê" (Felipe - Iva Rothe) - esta, a escolhida pro bis, com Aíla indo cantar o refrão junto de Camila para que ela pudesse fazer o vocal de resposta, já que só havia um microfone no palco.

A interpretação de Aíla me pareceu bem mais segura do que na estreia do show Trelelê, em 8 de setembro de 2010 (não que na ocasião ela não estivesse bem, o caso é que ela evoluiu bastante desde então). Embora a cantora tenha lamentado estar tocando com grupo reduzido (chegou a chamar Davi Amorim para fazer guitarra base, mas o músico teve um imprevisto), o que se ouviu foi um som coeso, versões mais maduras das canções, fruto com certeza de tantos ensaios e horas de estúdio que esta galera passou debruçada sobre este repertório. Agradou-me muito, em especial, a versão apresentada ontem de "Todo Mundo Nasce Artista" (Eliakin Rufino).

Aos que não foram ao show, um aviso: Aíla revelou não ter planos de fazer outros shows antes do lançamento do CD, marcado para setembro (!). Esperamos que não seja preciso aguardar tanto tempo para voltar a ouvir a incrível ao vivo.


Um comentário:

  1. Realmente, esperar até Setembro para ouvi-la novamente seria maltratar dmais! Aíla é perfeita!

    ResponderExcluir