Aqui se fala do som dos estados do Norte do Brasil: Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins

sábado, 12 de março de 2011

Foi Show: Som do Norte na Saraiva


Foi simplesmente maravilhosa estreia do Som do Norte na Saraiva aqui em Belém nesta sexta, tendo como convidada a cantora-compositora Juliana Sinimbú, acompanhada pelo violonista Renato Torres. Sim, cantora-compositora! Pela primeira vez na carreira, Juliana falou mais do que cantou numa apresentação em público. E agradou em cheio! Os 45 lugares do Espaço Benedito Nunes não foram suficientes, muita gente ficou em pé, outros sentaram no chão e havia gente até nos primeiros degraus da escada de acesso à sala (a parede é de vidro). As fotos que ilustram a matéria são de Bruna Guerreiro.

Juliana cantou todas as músicas que já compôs (sim, todas! O evento durou quase duas horas), desde a primeira, em junho do ano passado - "Sonho Bom de Fevereiro", uma parceria com Felipe Cordeiro que acabou por se tornar título do primeiro CD, que ela lança em breve - até a mais recente, "Lá Fora", parceria com Renato Torres e Renato Rosas, que havia sido finalizada na véspera! Bota mais recente nisso! Rolaram até algumas inacabadas (Juliana chegou a recitar uma letra, parceria com Arthur Espíndola e Lia Sophia, que espera melodia).

Além de cantar as músicas, Juliana contou a história de cada uma, revelando-se ótima nisso, chegando a arrancar gargalhadas da plateia - como quando revelou que sua "O Mar" teve como muso inspirador um carioca chamado... Omar. Ela estava no Rio, apaixonou-se pelo rapaz, só que ele não correspondeu e acabou perdendo a homenagem, já que a música se chamaria "Omar" (chegou a ser até "O-mar", mas Juliana ponderou que todo mundo acharia ser erro de digitação...). Ou ainda quando falou da letra que lhe veio na cabeça quando estava no elevador de seu prédio (ia para a garagem pegar carona com Espíndola; entrou no carro dele, e só falou com o amigo após anotar a letra toda em seu smartphone. Arthur achou que ela estava tuitando...).

Durante a apresentação, manteve todo o tempo em seu colo o caderninho que comprou quando sentiu que realmente despertara nela a compositora. As letras são rascunhadas nas páginas finais, e quando prontas passadas a limpo nas páginas da frente. Juliana tem feito tanto letra quanto melodia, sozinha ou com parceiros - o que não deixa de ser digno de nota, para alguém que compõe há apenas nove meses. Ela inclusive já demonstra preocupações no sentido de não se repetir, pois acredita que suas composições são 'todas numa mesma linha' - o que Renato Torres se apressou em discordar, pois Juliana já fez tanto um samba-canção introspectivo como "Noturna" (parceria justamente com Renato Torres), quanto uma canção mais solar como a já citada "Lá Fora". De todo modo, já ficamos avisados: ela está pensando em compor rocks!

Bruna intitulou esta foto como
'os pezinhos coreografados de Juliana'

Além de fazer um show inédito, Juliana também disse algo que eu nunca ouvira e me deixou muito feliz: ela considera que, se hoje há pessoas fora do Pará que conhecem seu trabalho, isso se deve em grande parte ao Som do Norte.

Eu também aproveitei para contar em público como a qualidade vocal e interpretativa incomum de Juliana me impressionaram quando a vi cantando pela primeira vez, num vídeo no YouTube, em 19 de dezembro de 2008 - tanto que assisti ali pelas 14h e não descansei até conseguir falar com ela pelo telefone perto das 20h ("É, ele me tirou do banho", completou ela). Eu pedi na ocasião que ela me enviasse uma gravação para publicar no site Brasileirinho, mas achei que ela iria mandar algo já pronto. Não imaginava que Juliana iria convocar o Clepsidra pra gravar em pleno domingo, dois dias depois, "Bem Musical" (Renato Torres - Maurício Panzera), que acabou se tornando seu primeiro single lançado na internet. Até falei pro Renato do meu orgulho quando eu soube que o fã-clube de Juliana adotou como nome o título desta composição que ela gravou pra mim (acrescentei que sinto como se essa música fosse também um pouco minha... :). Confirmei também algo que já havia dito na primeira Noite Som do Norte, em 18 de setembro de 2010: se hoje o Som do Norte existe, isso se deve muito ao apoio de Juliana, que começou a me apresentar vários nomes da cena de Belém e incentivar minha vinda para cá. Disse e repito: sem Juliana Sinimbú, não existiria o Som do Norte.


O número final da sexta foi "Vida é Sonho", no qual Renato e Juliana repetiram o dueto feito no primeiro show solo dela, Daqui pra Frente, em dezembro de 2007 - marco inicial da parceria da cantora com a banda Clepsidra.

Finalera
  • O próximo Som do Norte na Saraiva trará no dia 8 de abril o Projeto Charmoso, que reúne o DJ Pro.efX com a cantora Nanna Reis.

Nenhum comentário:

Postar um comentário