Aqui se fala do som dos estados do Norte do Brasil: Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins

terça-feira, 29 de março de 2011

Foi Show: Alexandra Senna


Foto: Joana Vieira

Terminou assim, com a participação de Iva Rothe cantando e fazendo uma dança indiana, o show de lançamento do primeiro CD de Alexandra Senna, Só Meu Som, no Teatro Margarida Schivasappa (Belém) no domingo, 27 de março.

Em boa parte do tempo, um conceito básico do CD - o de "ponte" entre os arranjos, forma encontrada para deixar o CD mais dinâmico - esteve presente no palco: "Todas as músicas se ligam como um corpo só. Busquei detalhes no arranjo de cada uma das músicas e as emendei na fase de masterização e mixagem, dando um sentido novo, como um musical", disse Alexandra à imprensa antes do show.

Além disso, a banda formada para o show tem formação quase idêntica à que gravou o disco - Davi Amorim (violão/ guitarra), Adelbert Carneiro (baixo e direção musical), Edgar Matos (piano), Kleber Benigno e Márcio Jardim (percussão). Houve ainda a participação especial de Fabrizio Bello, marido da cantora: os dois tocaram violão, num momento em que ela relembrou o início do aprendizado musical (como é de família de músicos, ela já começou aprendendo canções bastante elaboradas).

Um dos pontos de maior interesse do espetáculo é a variação de nuances interpretativas apresentadas por Alexandra: apaixonada em "Marcas de Ayer", pop em "Flores" (Fred Martins - Marcelo Diniz) e sensual em "Muito Mais" (Alexandra Senna - Assis Figueiredo - Ney Viola) - no início e no final desta música, Kleber, empunhando um berimbau, dava um beijo na face da cantora, retornando em seguida ao seu posto na percussão.

Sim, além de ser um espetáculo para ouvir, Só Meu Som também é para ver, e apreciar o requinte da cenografia e do figurino (assinados pela própria Alexandra) com inspiração oriental (influenciados, talvez, pela música que abre CD e show, "Marcas de Ayer", de Adriana Mezzadri).

Este show encerrou a programação comemorativa aos 140 anos da Biblioteca Arthur Vianna. Embora fosse domingo e num horário bem favorável (20h), teve a presença de pouco mais que um terço da lotação do 'Margarida'. Esperamos que o espetáculo retorne em breve, e que tenha a prestigiá-lo um maior número de espectadores.




Nenhum comentário:

Postar um comentário