Aqui se fala do som dos estados do Norte do Brasil: Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins

sábado, 31 de dezembro de 2011

Curta a página do Som do Norte no Facebook

Nos últimos minutos de 2011, criamos enfim nossa fan page no Facebook - clique aqui para abrir. A ideia é facilitar seu acesso a nossas atualizações e aumentar a interação dos internautas com o blog.

Feliz 2012, com muita (eu disse muita, não é pouca não) música nortista na cabeça!

Ouvimos: City Love - The Baudelaires


Neste dia final do ano, o site Pará Música publicou sua lista de melhores do ano. O CD mais votado foi Kitsch Pop Cult, de Felipe Cordeiro. Já o show apontado como o the best foi o lançamento do disco Peixe Homem, da banda Madame Saatan - este CD, aliás, ficou na 2ª posição (clique aqui para ler a notícia completa). Nos shows, ficaram em 2º lugar, empatados, o coletivo Terruá Pará 2 e o solo de Luê, Tu Já Rainha, que disponibilizamos para baixar aqui no blog: http://somdonorte.blogspot.com/2011/12/e-show-tu-ja-rainha-lue.html

Convidado pelo editor daquele site, Nicolau Amador, a participar da votação, eu optei por me abster, em função de ter, durante o ano, lançado CDs e EPs de várias bandas paraenses, além de ter promovido shows com diversas delas. Na lista dos discos, por exemplo, entrou o City Love, dos The Baudelaires, que lancei em rede com o Zap'n'Roll, em abril - o EP ficou em 10º lugar, empatado com Vontade de Dizer, de Marilda Couto e Eraldo Costa, lançado pela Na Music. Quem votou no disco dos Baudelaires foi a jornalista Vivian Carvalho, da equipe do Pará Música. Ela também apontou o show da banda como o 3º melhor do ano. Valeu!

Segue o texto que escrevi em maio sobre o EP para o Pará Música, e que não localizei mais naquele site.

***

CITY LOVE - The Baudelaires

No final de abril, apenas sete meses depois de lançar pelo selo Ná Music o CD School Days, The Baudelaires disponibilizaram para download seu novo EP, City Love (independente). O lançamento foi feito em conjunto pelos blogs Som do Norte e Zap’n’Roll – o editor deste, o jornalista Humberto Finatti, considera o quarteto de Belém uma das dez melhores bandas em atividade no Brasil.

As sete canções que compõem o álbum foram gravadas em quatro estúdios diferentes – Casarão Floresta Sonora, Jangoux, Ná Figueredo e Ataque da Baleia (de Diego Fadul, da banda Aeroplano, que faz participação especial na faixa-título). A multiplicidade de locais de registro não compromete de modo algum a qualidade e a unidade sonoras presentes no disco. The Baudelaires demonstram em City Love ter pleno domínio das características o gênero que abraçaram, o powerpop: belas melodias, letras em inglês, vocais harmonizados, guitarras distorcidas na medida certa – ou, nas palavras de Finatti, a “simbiose dos sonhos entre Beatles, Teenage Fanclub e algo de Weezer e Smiths”.

Definido o 1º sorteio de CDs para os Parceiros do Som do Norte!


Já está tudo certo para o primeiro sorteio de CDs para os Parceiros do Som do Norte!

Será sorteado o 2º EP do Vinicius Tocantins, A Vida Vem em Ciclos (capa ao lado). Vinicius é paraense e mora em Boa Vista, Roraima, onde gravou este disco.

O sorteio acontece no dia 20 de janeiro de 2012, uma sexta.

Concorrem ao EP todos os Parceiros das categorias Premium e VIP que tenham feito o depósito até o dia 16 de janeiro, segunda. (Os da categoria Top não concorrem pois já ganham 3 CDs do blog)

O ganhador na categoria VIP ganha ainda uma camiseta exclusiva do Som do Norte. CD e camiseta serão enviados pelo Correio.

Lembrando então: tem sorteio de CD todo dia 20 para os Parceiros Premium e VIP que tiverem pago até o dia 15 (se este cair em sábado, domingo ou feriado, a data considerada será o primeiro dia útil seguinte, como agora em janeiro).

(E, lembrando 2, que o sorteio de CDs é apenas uma das recompensas oferecidas a quem quiser se tornar nosso parceiro, ajudando a manter o blog no ar)

E como é mesmo que faz para se tornar Parceiro do Som do Norte??

  • OBS: Não haverá sorteio em 20/1, pois nenhum dos que chegaram a mandar formulário para se tornarem Parceiros fez o depósito até 16/1. O EP de Vinicius será sorteado em 20 de fevereiro, para quem fizer o pagamento até 15/2.
  • OBS2: O programa de Parceiros Som do Norte foi suspenso em 30/1.

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Vem aí o tecnosussa!

Éverton dos Andes em show realizado
no Carreou du Temple - Paris

A assessoria da prefeitura de Porto Nacional, Tocantins, informa que nesta passagem de ano o Brasil irá conhecer um novo ritmo musical: o Tecnosussa, criado pelo cantor e compositor Éverton dos Andes.

O release enviado informa que o tecnosussa é "um experimento musical que transcende do regional ao universal. Ao unir as sonoridadese linguagens da sussa e do tambor ao techno e ao rock’n'roll, o artista conseguiu um resultado no mínimo inusitado. A batida dos tambores e o canto embasado na cultura popular do Tocantins prometem surpreender o público, do carnaval às danceterias. A produção musical, bem como o show de lançamento, conta com a parceria da Banda Doce Balanço. Vale a pena conferir o novo ritmo lançado pelo Tocantins assim como as coreografias e belas imagens que compõem o espetáculo, que conta ainda com participação do DJ Chacal, dando o ar techno ao show."

Éverton dos Andes é natural de Porto Nacional e, além de cantor e compositor, também pesquisador musical e historiador. Em 2002, lançou o CD e o documentário Suciologia, abordando a sussa, o reizado e outras matizes da cultura tocantinense, mapeando as festas religiosas e folclóricas do Estado. Em 2005, viajou pelo Projeto Pixinguinha pelos estados do Rio de Janeiro, Bahia, Pernambuco, Alagoas, Paraíba e Sergipe, e também esteve em Paris representando Tocantins no Ano do Brasil na França. Lançou posteriormente o CD Música Negra e atuou como coordenador de música da Secretaria de Estado da Cultura do Tocantins.

Já a Banda Doce Balanço, também de Porto Nacional, existe há mais de 10 anos, tendo lançado 4 CDs e 1 DVD. Anima as festas locais, e já tem como sucesso do 4º disco a música “Vem dançar comigo”.

A festa inicia às 22h deste sábado, 31, na Avenida Beira Rio. Tocam, pela ordem:

22h – Éverton dos Andes
23h30 – Show pirotécnico e contagem regressiva
0h – Ataíde e Alexandre (MG) (dupla sertaneja, sucesso nacional em 1991 com "Rosas e Versos")
2h – Banda Doce Balanço
3h30- Banda Açaí (sucessos variados)
4h30- Jovem Samba (samba e pagode)

Enquanto não há gravações de tecnosussa disponíveis, vamos ouvir uma sussa com Éverton dos Andes.

Everton dos Andes-Sussa Tambor by SomdoNorte

Aíla libera "Proposta Indecente" para download

No dia de Natal, a cantora paraense Aíla liberou para download no Facebook e no Soundcloud uma das faixas de seu CD de estreia, Trelelê. Trata-se de "Proposta Indecente", na qual ela faz dueto com a autora da música, Dona Onete (a mesma de quem outro dia, inexplicavelmente, o jornal carioca O Globo disse que é "conhecida como a Dona Ivone Lara do Pará" - sic!).

Aíla e Dona Onete cantaram "Proposta..." juntas pela primeira vez na estreia do show Trelelê, em 8 de setembro de 2010 (veja aqui o vídeo). Aíla contou no Som do Norte na Saraiva, em 20 de outubro de 2011, que chamara Dona Onete para participar do show e foi surpreendida com um presente - a compositora lhe mostrou essa música, que nem estava totalmente concluída. Como Aíla se interessou em gravar, dona Onete finalizou letra e melodia e a música entrou de imediato pro repertório do show e do CD Trelelê. Posteriormente, a própria autora passou a incluir "Proposta..." em seus shows, como fez em 29 de outubro de 2011 no Conexão Vivo Belém.

Proposta Indecente by Aíla

Formato: MP3 - 160 kbps - 44 KHz
Lançamento virtual: 25.12.11
  • Além de autora & intérprete, Dona Onete e Aíla se tornaram grandes amigas, desde que, no começo de 2010, ainda em busca de definir seu som, a jovem cantora passou a se aproximar de ícones do Pará como a própria Onete e Mestre Laurentino. Estas três fotos abaixo foram enviadas por Aíla com exclusividade para o Som do Norte e mostram momentos da produção do programa IT Belém, que a VJ Carol Ribeiro (prima de Aíla) gravou na capital paraense no começo de dezembro. O material irá ao ar na MTV Brasil, em horários variados, a partir do dia 9 de janeiro. Ao todo, são 10 programas de 20 minutos cada. Nas fotos, vemos Dona Onete indo às compras para fazer o almoço que ofereceu em sua casa à equipe da MTV, tendo ainda como convidados Laurentino e Aíla, e que será tema de um dos programas.
Carol Ribeiro, Dona Onete e Aíla


quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

É Show: Festival Chico Pop


A foto foi tuitada há pouco pela jornalista Andréa Zílio e mostra um momento do show da Camundogs no Teatrão, em Rio Branco, no começo dos trabalhos do Festival Chico Pop 2011.

Na Rede: Los Porongas na capa da Dynamite 115

Esta foto de Diogo Soares faz parte da matéria de capa da edição deste mês da revista Dynamite - "O Rock sem Estereótipos do Los Porongas', assinada por Gabriel Soares, e que ocupa 4 páginas da publicação. A revista tem ainda na página 22 uma resenha do CD O Segundo Depois do Silêncio, feita por Luciano Vítor, que deu nota máxima ao disco.

Se você estranhou não encontrar a Dynamite nas bancas este mês, repassamos o recado dos editores: a revista agora vai ser disponibilizada apenas na internet, no site que a revista mantém desde 2002 - e, logicamente, você poderá baixá-la de graça. Visite http://www.dynamite.com.br/

A publicação toda tem 23 MB, para quem não tem banda tão larga assim nós preparamos um especial pra você, que poderá baixar um pdf contendo a capa, a reportagem com Porongas e a resenha do CD - basta clicar aqui. São 4,4 MB.

Tem coisas que só o Som do Norte faz pra você.


Música do Dia: Bizarro Dance Club


A banda Strobo (formada pelo guitarrista Léo Chermont e pelo baterista Arthur Kunz) lançou na noite desta quarta seu segundo clipe, desta vez da faixa-título de seu segundo EP, Bizarro Dance Club (clique aqui para baixar o disco).

Com o subtítulo de "Same Day Edit - Ao Vivo" (não é um registro de show, entendo que significa que não houve edição, a música fluiu direto e o vídeo é uma documentação da energia & piração que rolou).

"Bizarro Dance Club", o clipe, foi produzido em Belém por Lucas Escócio, Cezar Moraes, Jessica Mota, Carolina Matos, Rafael Azevedo e Jardel Michael Dias.


  • Aos mais atentos, que notaram que a gente falou "segundo clipe" - clique aqui para assistir ao primeiro, "Dance!"

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Seja Parceiro do Som do Norte!


Você está convidado a ser Parceiro do Som do Norte!

O que é? Simples:

1 - você colabora com a manutenção do Som do Norte, um blog que está no ar há mais de 2 anos e já é referência quando se fala da produção musical da região Norte do Brasil

2 - você recebe recompensas por colaborar com a manutenção do blog. As recompensas vão desde formatos exclusivos do informativo Rapidola até CDs de artistas do Norte, passando por camisetas do blog. Em breve, pretendemos firmar convênios com artistas, produtores e prestadores de serviços, de modo a ampliar o rol de recompensas oferecidas.
  • Importante 1: não se trata de mensalidade. No mês que você colaborar, recebe recompensa. Se no mês seguinte, não puder ou não quiser contribuir, sem problemas. A porta ficará aberta para você retornar se e quando quiser.
  • Importante 2: o Som do Norte que você conhece vai continuar igual. Todos vão poder acessar o conteúdo do blog gratuitamente, sempre. Este é um compromisso que assumimos publicamente.
E como é que faz para ser Parceiro do Som do Norte?

Também é simples: você preenche o formulário abaixo, escolhendo uma das categorias de Parceiro do Som do Norte, em seguida retornamos o contato para que você efetue o pagamento. Tão logo ele seja confirmado, providenciaremos as recompensas a que você fizer jus.

Parceiro do Som do Norte

Nome:

E-mail:

Cidade:

Estado:

Escolha a sua categoria:

Parceiro Premium

Quanto paga? R$ 20,00
Que recompensas ganha?
- recebe o Rapidola diariamente no seu e-mail com as notícias do seu Estado em destaque
- seu nome será publicado na lista de Parceiros no blog
- concorre ao sorteio mensal de um CD de artista/ banda da região Norte. O CD será enviado pelo Correio ao ganhador.
Parceiro VIP

Quanto paga? R$ 50,00
Que recompensas ganha?
- recebe o Rapidola com as notícias saídas no dia no Som do Norte, Jornalismo Cultural, Música do Norte e textos de Fabio Gomes saídos em outros sites/blogs - na íntegra, mais links de destaque na área cultural na internet
- seu nome será publicado na lista de Parceiros no blog e no Rapidola
- recebe mensalmente um link para download exclusivo de um CD ou EP, antes do lançamento oficial
- concorre ao sorteio mensal de um CD de artista/ banda da região Norte. O CD será enviado pelo Correio ao ganhador.
- o ganhador do CD sorteado no mês também recebe uma camiseta do Som do Norte

Parceiro Top

Quanto paga? R$ 100,00
Que recompensas ganha?
- recebe as atualizações do Som do Norte e Música do Norte por e-mail na íntegra, na hora em que forem publicadas
- recebe ainda todo dia o Rapidola, em versão idêntica à do Parceiro Premium
- terá seu nome publicado na lista de Parceiros no blog e no Rapidola
- recebe em casa 3 CDs de artistas/ bandas da região Norte, sem sorteio. Ou seja: se você for nosso Parceiro Top por dez meses, vai receber 30 CDs.
- no primeiro mês recebe ainda uma camiseta do Som do Norte

Escolha o banco em que você prefere depositar:

Banco do Brasil
Caixa Econômica Federal

Comentário:



Central de Abastecimento: Edição Limitada - Godzilla

A banda Godzilla (foto acima), de Santana (Amapá), passou duas semanas no Casarão Cultural Floresta Sonora, em Belém, no mês de agosto de 2010, gravando seu primeiro CD oficial. A produção foi do jornalista Alex Antunes e quem comandou as gravações foi Léo Chermont (o guitarrista do Strobo).

Como muitas vezes acontece no meio independente, a banda conseguiu viabilizar a gravação mediante parcerias - no caso, entre o Coletivo Palafita, de Macapá, o Casarão e o Coletivo Megafônica, de Belém, que na época era o Ponto Fora do Eixo do Pará -, mas depois enfrentou dificuldades para a finalização do material.

Até o momento só duas músicas gravadas para o CD já foram lançadas, no single denominado Edição Limitada, que foi vendido a R$ 2,00 durante o Festival Quebramar, no começo deste mês. Este mesmo que você poderá baixar neste post. O CD valendo mesmo deve sair em 2012.


EDIÇÃO LIMITADA
Godzilla - 2011

1 - Insolação
2 - Para o Meu Amor que se Foi

Formato: MP3 - 256 kbps - 44 KHz
Duração - 7:11
Lançamento digital: dezembro de 2011



terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Pará: Lei Semear publica errata


Hoje o Diário Oficial do Pará publicou, nos cadernos 2 e 3, uma errata da Resolução 001/2011, que relacionava os projetos culturais aprovados para captação de recursos via Lei Semear no presente exercício. Datada do dia 7, foi publicada naquele veículo no dia 11 e reproduzida parcialmente aqui no Som do Norte - no link http://somdonorte.blogspot.com/2011/12/para-conheca-os-projetos-de-musica.html

Para acessar a errata, clique neste link, que irá abrir um arquivo .pdf com as 6 páginas onde consta a ERRATA DA RESOLUÇÃO Nº 001/2011 - NÚMERO DE PUBLICAÇÃO: 324434.

Optamos desta vez por não separar os projetos de música, publicando a íntegra, o que - imaginamos - facilita a visualização das mudanças aos interessados.

Agenda Brasil: Gaby Amarantos no Domingão do Faustão

Gaby Amarantos abre o ano em alto estilo, participando do Domingão do Faustão (TV Globo) acompanhada dos metais da banda Móveis Coloniais de Acajú.

Na mão do apresentador, vemos... O CD TREME! Enfim!
***


Release oficial, enviado por Luiza Borges:

Gaby é atração principal do primeiro Domingão do Faustão de 2012

O primeiro domingo do ano começa com Gaby Amarantos como atração principal do programa Domingão do Faustão, cantando vários sucessos que a consagraram como a maior novidade da música brasileira do momento.

Em sua quarta vez no programa, Gaby contou com a sua banda completa e abriu a participação com o seu mais novo sucesso, "Xirley" – canção que já conquistou o Brasil. E completou a apresentação com os sucessos "Eira", "Beba Doida" e as versões tecnobrega dos clássicos "Águas de março", de Tom Jobim, e "Coração tá em Pedaços", de Zezé di Camargo.

- Para mim é muito importante participar do programa mais popular da TV brasileira. É maravilhoso mostrar minhas músicas inéditas para todo o Brasil no Domingão do Faustão. Receber o convite para participar no primeiro domingo do ano é uma honra. 2012 vai começar comigo!

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Na Rede: Ronaldo Costa fala do clipe da Genezis


O blog da banda amapaense Genezis publicou ontem uma entrevista com Ronaldo Costa, diretor do clipe de "Tarde Demais", música que o grupo lançou como single na metade do ano e que depois saiu em dois CD - Eleve, da própria Genezis, e o nosso Som do Norte 2011.

Ronaldo contou que já tem experiência na área, pois começou dirigindo os clipes da banda Marttyrium, da qual faz parte. Em relação a "Tarde Demais", considera que a parte mais difícil foi a pós-produção, devido à experimentação feita durante a filmagem. Acrescenta, porém: "acredito que é muito válido experimentar em vários aspectos em um video promocional. É também desta forma que nascem outros formatos e idéias de videoclipes".

Veja a matéria completa no blog da Genezis.

domingo, 25 de dezembro de 2011

Turbo lança compacto e pede ajuda para gravar novo CD na Suécia


Na noite desse sábado, véspera de Natal, a banda paraense Turbo entregou via Souncloud o presente para seus fãs: as músicas do compacto Gostas do Delírio, Baby?, com duas músicas - "A Lira" e "Dromomania", que enfim ganha versão de estúdio. Cantada pela banda em shows desde 2008, pelo menos, esta canção foi incluída no EP Fuzzilando, lançado como Disco do Mês do Som do Norte em dezembro de 2010, reproduzindo o show da banda no Grito Rock Belém daquele ano.

Ao longo de 2011, depois de realizar uma série de lançamentos virtuais periódicos (um single a cada dois ou três meses), a Turbo surpreendeu em setembro com o que poderíamos chamar de virada analógica - lançou uma fita cassete gravada juntamente com a Sincera, Rajada on the Tape Vol. 1 (à esquerda, o vocalista Camillo Royale com a fita), além de anunciar, em entrevista ao blog do Coletivo Velga (São Luís) a masterização de um compacto em vinil (o já citado Gostas do Delírio, Baby?). Detalhe: a masterização aconteceu no estúdio de Abbey Road, Londres - sim, isso, aquele onde os Beatles gravavam. Tudo resolvido online, como explicou Camillo ao Velga.



Dessa vez, porém, a banda está resolvida a ir mesmo à Europa. Há duas semanas, colocou no YouTube este vídeo no qual Camillo e o baixista Wilson Fujiyoshi explicam como os fãs podem contribuir para ajudar a Turbo a ir a Gotemburgo, na Suécia, gravar seu novo CD, Eu Sou Spartacus, com produção de Chips Kiesbye, o responsável por By The Grace Of God, dos Hellacopters, influência confessa da Turbo. Para cobrir os custos com viagem e produção do álbum, o trio recorreu ao sistema crowfunding, ou financiamento colaborativo, no qual os diretamente interessados - os fãs da banda - é que pagam a produção do disco, em troca de presentes exclusivos, que variam de acordo com a quantia dada - vai desde um exemplar autografado do CD antes que ele chegue às lojas, para quem contribuir com R$ 20,00, até a inclusão da marca como patrocinador do disco e dos shows, para quem entrar com R$ 10.000,00. Com isto, a Turbo se torna pioneira no Pará (e talvez no Norte todo) neste modelo de financiamento, que já gerou frutos como os recentes CDs das bandas Autoramas e Mombojó.



Para saber mais e colaborar, você deve acessar a página do projeto no site Embolacha. O prazo para contribuir encerra às 10h42 do dia 11 de fevereiro de 2012. O CD só sai se até lá o grupo arrecadar R$ 45.000,00. Neste minuto que escrevo, só entraram no caixa R$ 710,00 (1% do necessário).

As pessoas que quiserem cooperar e não tiverem cartão de crédito (o modo de pagamento adotado pelo Embolacha) podem procurar a banda pelos telefones: (91) 8826-8811/ 8848-8317 ou pelo e-mail: contatoturborock@gmail.com.
  • Fechamos o post com a nova "A Lira". A versão de estúdio para "Dromomania" você curte no Soundcloud dos caras. Salvo engano meu, essas duas são os primeiros registros da Turbo com Netto B como baterista (à esquerda na foto acima).


sábado, 24 de dezembro de 2011

Bandas de Boa Vista na pauta do Riffs Desplugados

Elisa Maia, última atração do Riffs Desplugados em 2011

Manaus-Boa Vista é a única microrrota de circulação de artistas que funciona regularmente (as Macapá-Belém e Rio Branco-Porto Velho não apresentam a mesma constância). Isso não é de hoje, no começo de 2010 a banda amazonense Tetris (hoje Coyotes Voadores) comentava comigo como se sentia tocando em casa quando ia para Roraima.

Pois o que já era bom vai ficar ainda melhor - o organizador do projeto Riffs Desplugados, Sandro Nine, acertou com o Canoa Cultural que este irá indicar, a partir de março, as bandas roraimenses que se apresentarão no evento, na Saraiva MegaStore de Manaus. O Som do Norte também é um dos apoiadores do Riffs.

Como o Riffs é sempre em quinta-feira, a ideia é que a banda de Roraima que vá até lá tenha a possibilidade de tocar sexta e sábado em casas de show em Manaus.

Roraima: Lançamentos à vista

Esta é a capa do segundo EP de Vinicius Tocantins (ex-Somero), cujo lançamento está anunciado para a primeira semana de 2012. Serão três músicas - duas inéditas de Vinicius, ‘Resposta’ e ‘Ponto Fixo’, além da regravação de ‘Nossa Bossa’, de Neuber Uchôa. O disco foi gravado no Estúdio Parixara, em Boa Vista, tendo a produção do próprio Vinicius em parceria com Ben Charles. Em breve, uma votação será aberta para que o público escolha qual dessas três faixas irá virar clipe. O primeiro EP solo, O que te Faz Bem, saiu há um ano.

Já "Precioso Bem", segundo CD de Sérgio Barros, tem show de lançamento previsto para março. Gravado parte em Roraima, parte no Ceará, ao longo de dois anos, o disco tem 12 músicas, incluindo parcerias com Elias Venâncio, Eliakin Rufino, Zeca Preto, Sérgio Souto, Suely Mesquita e Cacá Farias. A gravação começou a ser feita no Estúdio Parixara, em Roraima, e finalizado no Casarão Produções e Sávio Dieb Produções, no Ceará. A produção e direção musical ficam por conta de Renato Campos.

Quem quiser comprar o disco não precisa aguardar o show - ele já está à venda nas lojas Shopsom ou pelo telefone (95) 8122-5454. Em breve, também, todas as faixas estarão disponíveis para download - Sérgio está sendo auxiliado nesse processo, justamente, por Vinicius Tocantins. Legal ver que, assim como no Acre, e mais recentemente também no Pará, músicos de gerações diferentes colaboram e dialogam criativamente entre si.


Los Porongas, um rio de maturidade.

Por Monique Malcher

"O tempo nunca é o mesmo em todo lugar. Nem o silêncio dura tanto quanto quer durar. O mar do medo é uma gota pra se navegar. A vida só começa cedo pra quem acordar (...) Quando a gente vai deixar cada segundo respirar?"


Minha semana foi uma grande espuma de conturbação, não que tenha sido das piores. Peguei um ônibus errado ontem voltando do show da Lu Guedes (que por sinal, não foi menos que genial). Talvez eu estivesse meio afetada pela música dela, que me fez perder um pouco a racionalidade.

Fico n'uma viagem estranha e faço merdas besteiras como pegar o ônibus errado e parar no Jurunas vestindo um vestido dos anos 50 amarelo "me rouba por favor".

Vi uma Belém que no meu dia a dia não costumo ver, então vendo valas e as ruas aos pedaços só consegui pensar no álbum dos Los Porongas. Porque O Segundo depois do Silêncio faz eu me sentir com os pés no chão e com o pulmão cheio de ar, daquele que a gente puxa a mais sem precisar na verdade.

Como sempre, demorei para ouvir o álbum, que a banda disponibiliza no próprio site.

"Los Porongas", como disse um amigo: "Nique, não parece ser o nome de uma banda de roque". Aí que está, não é uma banda de roque somente, é uma banda que é bem além de explicações. Seria uma injustiça colar esse rótulo na testa dos meninos. Não é um álbum que corre facilmente pelos ouvidos de primeira, mas com mais algumas audições desemboca no coração lentamente, sem caminho para voltar.

"Quando o barco balançar você vai permanecer, eu pulo. Quando a noite amanhecer, você vai me procurar. Eu fujo. (...) Se eu caio logo me levanto e penso no que mais quero fazer"

A jornada da vida é coisa para doido. Somos loucos que se aventuram em viver todos os dias. Quando ouço "Dois lados" entendo perfeitamente porque dentro daquele ônibus eu só conseguia pensar nessa letra acima.

Estamos sempre procurando lugares seguros e nessa busca por tanta segurança deixamos de enxergar tanta coisa. Fico todos os dias me perguntando n'uma espécie de mantra se quando o barco balança sou eu a que permanece ou a que pula. Se for pra pular que seja pra buscar ajuda né?! (risos)

Então, Los Porongas é uma banda acreana, que lançou o álbum de estreia em 2007 e desde lá vem fazendo um burburinho gostoso. Nessas horas que fico triste com a minha falta de grana, ano passado eu poderia ter visto o show deles no Se Rasgum, mas não rolou.

Achei engraçado porque tem uma faixa no cd que tem participação especial do Hélio Flanders do Vanguart. Digo que é engraçado porque quando ouvi "Mais difícil" pensei: nossa, essa música tá muito Vanguart, aí no segundo verso comecei a rir da minha leseira. Claro né Nique! Essa voz é do Hélio! (risos). Foi uma boa surpresa. E fica mais bonito ainda vendo esse vídeo do Estúdio Showlivre.



Mas apesar de toda essa minha tietagem pelo Vanguart, não acho que seja a melhor música d'O Segundo depois do Silêncio. Para ser mais sincera ainda, é quase uma missão impossível (maldito Tom Cruise, não consigo mais falar essa expressão sem lembrar dele) dizer qual é a melhor música.

É necessário avançar para o novo ano tendo ouvido a progressividade de "A Fortaleza" e a linha de baixo de "O Lago", que além de serem lindas tem letras profundas, que colam no coração sem subestimar a inteligência e a sensibilidade, que não são só coisas dos intelectuais com suas pernas cruzadas.

"Quero uma palavra mais bonita e pertinente pra compreender o que foi falado quando eu fiquei calado (...) do velho eu faço o novo como um lago onde há coisas mortas".

Diogo Soares (vocal), Jorge Anzol (bateria), Márcio Magrão (baixo) e João Eduardo (guitarra), formam o "Los Porongas". A "poronga" é um objeto usado pelos seringueiros para iluminar o caminho. Acho adequado para uma banda que clareia sentimentos que nem eu sabia que existiam depois de os ouvir.

Arte de um grupo que já se mostra com um elevado amadurecimento musical.

"Nossa vida vai dizer o que mais importa. Hoje é dia de dizer que o amor convém (...) tanta vida vai nascer desses nossos passos"

Só me resta dizer que ainda bem que há muita vida pela frente e todo o tempo do mundo para ouvir Los Porongas, e acredite, você não vai conseguir passar por eles intacto.

Para baixar clique aqui

* Monique Malcher, paraense, é estudante de Jornalismo.

Texto publicado originalemente no blog
Monique Malcher - 23.12.11

N.R: João Eduardo saiu da banda após o lançamento do CD. O guitarrista atual de Los Porongas é Carlos Gadelha.

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Joelma Klaudia no Acústico Conexão Cultura dia 26


A cantora Joelma Klaudia estará no Acústico Conexão Cultura da segunda, 26 de dezembro, a partir das 10h da manhã.

Acompanhada de Willy Benitez (cajón, prato) e Guibson Landim (violão microfonado), ela fala da a participação nos concertos da Orquestra de Violoncelistas da Amazônia, do novo cd que começa a gravar em janeiro e da agenda 2012.

O programa é apresentado pela Rádio Cultura (Belém). Acompanhe pelo 93,7 no dial, ou http://www.webtv.pa.gov.br/funtelpa_aovivo/radio.html, na hora em que estiver no ar.

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

É Show: Tu, Já Rainha - Luê

O presente de Natal do Som do Norte para vocês é a postagem de um show daquela que é para nós a grande revelação de 2011 da música paraense: Luê. Não é a primeira vez que postamos um show (isto já aconteceu com Brasilidade, de Nanna Reis, em maio do ano passado), mas é a primeira vez que colocamos todas as músicas para download (você pode baixar uma a uma, ou clicar direto no botão "Clique aqui para baixar" lááá do final e fazer o download, via PagSocial, do pacote com músicas, ficha técnica e esta foto que abre o post).

Se pensarmos o quanto Luê conquistou neste ano, já podemos notar o quanto isto é incomum. Mas se lembrarmos que este também é o ano inaugural de sua carreira como cantora, o espanto é ainda maior. Luê começou a cantar em novembro de 2010, participando de um show de Arthur Espíndola, em fevereiro já cantava nos bares de Belém ao lado de Renato Rosas, no final de março fez um show no Sesc Doca, ampliado na temporada no Sesc Boulevard em abril, mesmo mês em que para grande alegria minha deu canja em duas edições do Fuxicando. Em junho já estava em São Paulo, a bordo do Terruá Pará 2 e gravando clipe de "Brasil Pandeiro" ao lado de artistas da Bahia, Ceará e São Paulo. Voltaria à capital paulista em novembro, isso depois de vários outros shows na capital e no interior do Pará, com ou sem o Terruá, e participações especiais, como a que fez ao lado de Pio Lobato no show dos 25 anos de carreira de Mahrco Monteiro. Vocês têm acompanhado essa trajetória através dos vídeos dela que publicamos, na Videografia 1 e na Videografia 2.

Estamos na prática lançando um CD virtual ao vivo, o primeiro da carreira da cantora. Em novembro, incluímos uma destas faixas, "Sei Lá", na coletânea virtual Som do Norte 2011. Sem planos imediatos para a gravação de um CD em estúdio, Luê deve estrear oficialmente em uma participação no CD que Arthur Espíndola grava, no qual os dois repetem o dueto em "Saara", música dele que ambos cantaram no show em que ela estreou.

Tu, Já Rainha - 26.5.11
(foto: Valério Silveira)

Este show que você irá ouvir e baixar em seguida é especial. Mostra uma jovem intérprete segura, de canto agradabilíssimo (daqueles que você deixa na função "repetir infinito" no player e não enjoa), que sabe suingar quando preciso e ser romântica quando convém, e pondo sua voz a serviço de um repertório onde se combina a tradição herdada do Arraial da Pavulagem (do qual seu pai, Júnior Soares, é um dos fundadores) com os novos ventos de renovação da música paraense (presentes na inclusão de temas de Felipe Cordeiro e Renato Torres). Júnior participa cantando a canção-título do show, que profeticamente escreveu quando a filha nasceu. A tradição também se faz presente no toque da rabeca em quase todas as músicas - Luê é violinista de formação e tocava em orquestra muito antes de se aventurar a cantar; sua amiga, a cantora e compositora Juliana Sinimbú foi uma grande incentivadora para que Luê tomasse esta decisão. De certo modo, Luê retribuiu se tornando a primeira pessoa a cantar música de autoria de Juliana depois da própria.

Luê e Gaby Amarantos (foto: Valério Silveira)

Outros destaques são a participação de Gaby Amarantos (que declara Luê como a nova diva paraense), cantando "Merengue Latino", que estará em seu CD Treme!, a ser lançado em 2012; e uma raríssima vez em que Luê cantou "Saara" sem a participação do autor (ela inclusive brinca com isso).

Nesta noite Luê cantou ainda "Faróis" (Ronaldo Silva e Júnior Soares) e "Campo do Meio" (Júnior Soares e Alfredo Reis). Júnior Soares também interpretou "Capitulador", dele em parceria com Ronaldo Silva e Toni Soares.


TU, JÁ RAINHA
Luê - 2011

1. Dunas da Princesa (Ronaldo Silva)

2. Sei lá (Felipe Cordeiro)

3. Alumiará (Ronaldo Silva e Júnior Soares)

4. Ave Manhã (Nilson Chaves)

5. Sim (Renato Torres)

6. Tu já Rainha - por Júnior Soares (Júnior Soares e Ronaldo Silva)

7. Sestrosa c/ participação de Renato Rosas (Renato Rosas e João Marcelo Rocha)

8. Saara (Arthur Espíndola)

9. Merengue Latino c/ participação de Gaby Amarantos (Ronaldo Silva)

10. Delicadeza (Juliana Sinimbú)

11.Tempo Invertido (Renato Torres)

12. Nós Dois (Ronaldo Silva e Júnior Soares)


O clique no link acima vai abrir uma página do site PagSocial, que vai solicitar que você faça login em uma de suas redes sociais (Facebook, Twitter ou Orkut). Na rede escolhida, será postada uma mensagem em seu nome divulgando este lançamento - Baixei de graça o show "Tu, Já Rainha", da Luê (@luesoares), o presente de Natal 2011 do @SomdoNorte pagsocial.com/r/0BL.aspx -, o que na prática funciona como um convite para que seus amigos também conheçam o trabalho da cantora e do blog. Postada a mensagem, basta clicar no botão "Baixar arquivo" para que se inicie o download do CD virtual.

Foto: Aryanne Almeida

Globo Repórter destaca Orquestra de Violoncelistas nesta sexta


Nesta sexta, 23 de dezembro, vai ao ar o Globo Repórter cujo tema é o papel da educação como elemento transformador. Uma equipe do programa esteve aqui em Belém em 11 de novembro, gravando o concerto que a Orquestra de Violoncelistas da Amazônia realizou no intervalo da Mostra de Intérpretes da UFPA, tendo a participação das cantoras Joelma Klaudia (foto acima) e Gabriella Florenzano.

O que motivou a vinda do GR pra cá foi o projeto Cordas da Amazônia desenvolvido pela UFPA e do qual a Orquestra faz parte. Outras iniciativas do projeto incluem o trabalho com jovens autistas, mencionados na chamada disponível no site do programa (http://g1.globo.com/globo-reporter/noticia/2011/12/globo-reporter-mostra-como-arte-e-educacao-estao-mudando-vida-de-muitas-criancas-brasileiras.html)(que, ops, refere-se aos jovens como altistas).

Lá você vê também um vídeo com a chamada que as emissoras da Rede Globo já estão apresentando.


quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Videografia Especial: Luê no 4 Cantos


Em junho, poucos dias depois da estreia do show Terruá Pará 2 em São Paulo, Luê foi convidada pela Zapipele Filmes para participar da gravação de um clipe do samba "Brasil Pandeiro", de Assis Valente, compositor baiano cujo centenário se comemorou agora em 2011.

(Em 1940, Assis escreveu este samba para Carmen Miranda, sua intérprete favorita, gravar, mas ela rejeitou, pois viu ali um comentário - elogioso, é bem verdade - à sua temporada de sucesso nos Estados Unidos, onde fora morar no ano anterior. Sorte dos Anjos do Inferno, que gravaram "Brasil Pandeiro" e tiveram assim o primeiro e um dos maiores sucessos de sua carreira. Mas a versão que passou à posteridade foi a que abre o LP Acabou Chorare, dos Novos Baianos, volta e meia apontado como o melhor disco nacional de todos os tempos - e provavelmente seja mesmo).

O vídeo foi dirigido por Betão Aguiar e reúne talentos de várias partes do Brasil: da Bahia, Bule Bule (voz e prato), Orlando Costa (percussão); do Ceará, Di Freitas (rabecão), Marinês e Marias do Coco Frei Damião (voz e coro), Samuel Macedo (violão), Mestra Zulema Galdino (dança); do Pará, Luê (voz); de São Paulo, Calixto (voz e dança), Guilherme Kastrup (percussão), Renato Dias (voz e caixa de fósforo), T.Kaçula (voz e cavaquinho) e Wem (voz e violão) - a soma dos diferentes estilos de cada um deu um toque todo especial ao vídeo. Alguns improvisaram ao final, durante os créditos - Luê aproveitou para incluir iguarias paraenses entre os pratos que o Tio Sam estaria querendo apreciar.


Luê aparece também no making off que a Zapipele fez, abrangendo não só este mas outro clipe lançado simultaneamente e também sem muito alarde no Vimeo em setembro (o clássico natalino "Bate o Sino", versão de Evaldo Rui para "Jingle Bells", de James Lord Pierpont). A paraense fala da decisão de começar a cantar, tomada no final do ano passado. Novamente a direção é de Betão Aguiar.

4 Cantos Making Of from Zapipele Filmes on Vimeo.

No dia 9 de dezembro, Luê participou do programa Metropolis, da TV Cultura (São Paulo). Ela e Betão Aguiar foram divulgar o lançamento do DVD que a Zapipele produziu para a loja Luigi Bertolli (mais informações ao final do post). É apresentado um trecho de "Brasil Pandeiro", e depois Luê, acompanhada por Betão ao violão, interpreta "Nós Dois" (Ronaldo Silva - Júnior Soares). Sim, ela toca rabeca nesse vídeo.


  • Como faz para obter o DVD 4 Cantos? A cada R$ 200,00 em compras na lojas Luigi Bertolli, localizadas nos estados da Bahia, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo e no Distrito Federal, os clientes ganham um DVD exclusivo (capa abaixo) contendo os vídeos de "Brasil Pandeiro" e "Bate o Sino".

Ouvimos: Dino Sapiens - Juca Culatra

Hoje acontece no Teatro Estação Gasômetro (Belém), a partir das 19h, o lançamento de três CDs do projeto A Nova Música da Amazônia, idealizado pelo empresário Ná Figueredo, um dos maiores incentivadores da música paraense. Por coincidência, justamente os três que eu resenhei em junho para o site Pará Música. Os discos são: Temporal, de Delcley Machado, Curimbó de Bolso, do grupo de mesmo nome, e Dino Sapiens, de Juca Culatra. Reproduzo abaixo minha resenha sobre esse disco, linkada acima.

Amanhã, no mesmo local e horário, shows de lançamento dos discos Daime Soul, de Magrus Borges e Adriana Cavalcante, Caminhando com São Benedito, de Toni Soares, e Vem dançar carimbó, de Curica. Nos dois dias a entrada é franca, quem quiser poder doar um brinquedo, que será repassado a uma instituição beneficente.

***

Crítica social dançante

O álbum Dino Sapiens marca a estréia do irreverente cantor Juca Culatra
Por Fabio Gomes
Dino Sapiens é o primeiro CD do cantor e compositor paraense Juca Culatra. Músicas como “Crioulo Doido” e “Brócolis” já são sucesso nos shows que o artista tem feito tanto em festivais da cena independente, entre eles o Se Rasgum (Belém, 2009) e o Quebramar (Macapá, 2010) quanto em Estados como o Rio Grande do Sul, São Paulo e Minas Gerais, através do circuito Fora do Eixo.

O que garante o sucesso das músicas de Juca é, em primeiro lugar, seu ritmo contagiante, onde o reggae se combina aqui e ali com elementos de rock ou de samba. Suas letras bem-humoradas usam metáforas nada herméticas para falar da condição humana (em “Brócolis”, “o repolho, que coisa feia, só fala da vida alheia”) e da situação política do país (os ‘mosquitinhos’ de “Sobrevoando a Babilônia” são os membros do Congresso Nacional, que “andam de carro importado e todos eles bem engravatados... aumentando a sua pança”). Já em “Xingu”, Juca fala, com seriedade, de um tema atualíssimo, a usina de Belo Monte, listando os povos indígenas que vão se preparar para a guerra, porque "o Xingu merece a vida".

O CD é um lançamento da Ná Music patrocinado pelo Conexão Vivo, através da Lei Semear, Fundação Tancredo Neves e Governo do Pará.


Incentive a produção musical do Pará. Compre este disco AQUI.

13 de junho, 2011 - 16h07

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Música da Semana: Hoje é Natal


A Rádio Diário FM (Macapá) encomendou aos compositores Enrico Di Micelli e Joãozinho Gomes um jingle para sua programação de final de ano. O resultado foi a canção "Hoje é Natal", que, gravada em dueto por Patricia Bastos e Amadeu Cavalcante, em poucos dias passou de uma peça promocional para a música mais pedida na programação da emissora, e ganhou as ruas, sendo interpretada nas escolas, nos eventos de repartições públicas e festividades em geral.

Ouça e baixe, compartilhe com quem você quiser. Valorize os músicos do Norte neste Natal!


Hoje e Natal - Patricia Bastos e Amadeu Cavalcante by SomdoNorte

hoje é natal

ó maninha a estrela no céu
é sinal que o menino nasceu
mande a ele o seu d’ouro véu
que a santa mãe dele lhe deu

mando a ele o meu d’ouro véu
que a santa mãe dele me deu
e você mande a ele o chapéu
que a seu filho o pai dele teceu

*
hoje
é natal
noite feliz
cristo acendeu
um cristal no país

ó maninho quão lindo é o céu
com a estrela ampliada no breu
veja os reis em sagrado tropel
indo ao berço do rei que nasceu

estou vendo o sagrado tropel
sob a estrela ampliada no breu
a levar murta, tambor e pastel
a um menino Jesus que nem eu

Ficha técnica

Vocal infantil - Vitória Bastos, Ana Flor Di Miceli e Amanda Bastos
Direcäo musical e baixo - Alan Gomes
Caixa de Marabaixo - Neilton Pezäo
Teclado - Jefrei Redig
Bateria - Hian Moreira
Violäo - Fabinho

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Tudo pronto para o lançamento do novo CD de Juliele


Na sexta, 23 de dezembro, Juliele lança seu aguardado segundo CD, intitulado Balé de Luz, com direção musical de Manoel Cordeiro. O show será realizado no Teatro das Bacabeiras, em Macapá.

O repertório inclui regravações como "Banquete", que deu nome ao primeiro CD de Felipe Cordeiro, e mesmo de "Pérola Azulada", que fazia parte do disco de estreia da própria Juliele, saído em 2007 (esta versão tem novo arranjo), e inéditas como "Eterna", de Manoel Cordeiro e Osmar Júnior, "Filha de Iemanjá", que a cantora ganhou de Evaldo Gouveia, e "Sonho Real", que Luiz Melodia e Renato Piau escreveram especialmente para Juliele gravar - nós já postamos aqui esta canção numa preview do disco, em outubro (clique aqui para ouvir).

Estas são as músicas que fazem parte do disco:

1 - Banquete (Felipe Cordeiro)
2 - Pedra de Mistério (Enrico Di Micelli - Osmar Júnior)
3 - O Teu Prazer é o Meu Prazer (Zé Miguel)
4 - Toque (Zé Miguel)
5 - Eterna (Osmar Júnior - Manoel Cordeiro)
6 - Sonho Real (Luiz Melodia - Renato Piau)
7 - Essa é a Nossa Dor (Cléverson Baía)
8 - Amor, Amor (Magno - Carlos André)
9 - Quando Chegar o Amanhã (Leonardo Sullivan)
10 - Novo Amor (Edu Krieger)
11 - Filha de Iemanjá (Evaldo Gouveia - Jair Amorim)
12 - Pot-Pourri (Marudá - Vital Lima / Canto de Carimbó - Vital Lima/ Nilson Chaves - Manoel Cordeiro)
13 - Balé de Luz (Fernando Canto - Manoel Cordeiro)
14 - Luz del Mundo (Luz do Mundo)(Manoel Cordeiro - Ronery. Versão Zuleide Cordeiro - José Castellano)
15 - Pérola Azulada (Zé Miguel - Joãozinho Gomes)

Na Rede: Sessão Maquinários

A banda palmense de rock n’ roll Maquinários esteve em estúdio nos dias 16 e 17 deste mês, para a gravação de uma sessão de vídeos, a ser lançada no início de 2012. O projeto chama-se Sessão Maquinários, uma produção audiovisual independente, cujo objetivo principal é divulgar duas canções do EP 1, lançado em 2011, e três canções inéditas que expressam a atual fase da Maquinários, em que o quinteto vem se dedicando às composições autorais e profissionalização, buscando fortalecer a cena rock do Tocantins.

A Sessão Maquinários, de acordo com os membros da banda, é mais uma demonstração de que a Maquinários está preparada para representar, junto às diversas bandas do underground tocantinense, o rock do Brasil. O material será editado entre janeiro e fevereiro de 2012, e divulgado no YouTube. Segundo a banda, a produção é uma forma significativa de fechar o produtivo ano de 2011 com chave de ouro, além de ser fonte de inspiração para os vários projetos musicais que serão executados ano que vem

O projeto Sessão Maquinários conta com a participação do CEULP/ULBRA, que cedeu seus estúdios e ilha de edição para a gravação do projeto, além de amigos da banda, que ajudaram a montar o cenário, filmar, carregar equipamentos e construir o roteiro.

* Publicado originalmente no site Roberta Tum


Saiba mais:
  • O EP 1 da Maquinários foi lançado em maio pelo Som do Norte - clique aqui para baixar.

Foi Show: 3 Anos do Caldo de Piaba


A foto de Talita Oliveira ilustra o momento em que Jorge Cardoso fez participação especial no show que comemorou os 3 anos da banda Caldo de Piaba, no sábado, 16, em Rio Branco. Também participaram Lígia Martins, Fred Margarido (tecladista que integrou a primeira formação da banda, em 2008) e Heloy de Castro. O Caldo incluiu uma música de Jorge Cardoso, "Lambada do Amapá", em seu primeiro disco, o EP Volume Um.

Gravado em 2009, o disco foi lançado pelo Som do Norte como Disco do Mês em março deste ano (clique aqui para ouvi-lo na nossa caixinha cantante). Um mês antes, a versão original da música (esta que postamos logo abaixo) havia sido incluída em nosso 4Shared junto com outras 616 músicas acreanas (no superpost Vamos Ouvir o Acre?).


JORGE CARDOSO

"Lambada do Amapá"

domingo, 18 de dezembro de 2011

Central de Abastecimento: Uns Todo Mundo, Outros Tudo Bem - Alaídenegão


Trazemos a você neste domingo pré-Natal o EP Uns Todo Mundo, Outros Tudo Bem, da banda amazonense Alaídenegão (a banda você vê lá embaixo e a Alaíde aqui do lado).

O disco foi gravado em abril de 2010 em Olinda (PE) - pois é, o quinteto de Manaus é fã confesso de Nação Zumbi, Mundo Livre S/A, Chico Science, Otto e vários outros pernambucanos, além de já ter tocado por lá, na festa O Bagulho é nas Alturas (em 14 de maio de 2010, dividindo o palco da Escola de Samba do Preto Velho, no Alto da Sé, com Kumina Roots e Dubeck Soulto). Já se apresentaram também em outros eventos, como a Noite Fora do Eixo em Boa Vista, no réveillon da Praia do Algodoal (Pará) e Festival Cauxi (Manaus).

Mais recentemente, participaram do nosso CD Som do Norte 2011 (clique aqui para baixar) com uma das melhores faixas, "Tecendo o Som", gravada neste ano, mas revelando a mesma gama de influências samba-rockísticas, manguebitísticas e brega-regionais deste EP. Ao final do post, reproduzimos um artigo sobre a banda publicado essa semana no Facebook.

Alaídenegão é:

Davi Escobar (guitarra, violão, efeitos, samples e voz)
Agenor Vasconcelos (contrabaixo e voz)
Rafael dos Santos (guitarra)
Markito Rock (flauta e trompete)
Anastácio Jr. (bateria)

Para baixar o EP, clique na capa abaixo.

Uns Todo Mundo, Outros Tudo Bem
Alaídenegão - 2011

1 - Coumprida
2 - A Mesma Merda
3 - Mulher de Olinda
4 - Minha Praia É A Lua
5 - Bebé
6 - Concessões
7 - Alaíde Negão (Zapata)

Formato: MP3 - 128 kbps - 44 KHz
Duração - 21:11
Lançamento virtual: 2011

***
Aproveitando o ensejo, dividimos com vocês também esse belo texto publicado em 15 de dezembro como nota no Facebook por Marcelo Araújo, sócio da Livraria Arqueólogo (Manaus).

Tem algo de diferente no ar - SOBRE ALAIDENEGÃO


Dificilmente o cenário musical de uma cidade como Manaus sofre mudanças bruscas, ou sente as influências músicais de estilos específicos, ou mesmo, participa de movimentos singulares relacionados a música, não, Manaus não é assim. O máximo que pode acontecer é um novo hit pop de um “fenômeno” adulto ou mirim (virou moda) do sul do país ganhar as casas noturnas, e conseqüentemente cair no gosto, e depois no desgosto do povo. Durante 10 anos apreciando a noite manauara (não tão freqüente nos últimos anos, confesso), nunca tive o prazer de me surpreender com uma banda local. É fato também, que não tive o prazer acompanhar todas, porém tive o desprazer de algumas. O cenário alternativo da cidade inexiste, ou resiste às varias tentativas de fomentar uma cultura musical diferenciada, apesar da existência de movimentos nos guetos, mas algo ainda muito tímido e particular.

Numa despretensiosa Sexta Cultural da UFAM, a qual até a minha ida foi rodeada de estranheza, diante de uma festa que começou quase às 22h por conta de infinitas quedas de energia, mas lá estava a festa e seu público cativo. E de repente entra uma banda, e eu sempre curioso pergunto – “que banda é essa? – o outro responde, - “Alaidenegão”(é junto mesmo), e logo me veio a cabeça o meu amigo e produtor cultural Daniel Fredson, o qual deliciava-se falando do som dos caras e sua conexão com eles, e sempre enfatizando que eu precisava assistir, afirmando com toda a certeza do mundo que era a minha cara, e então me questionei “qual é a musica da minha cara?”, sigamos. Na verdade, Daniel não quis fazer referência ao meu gosto exatamente, mas sim, ao estilo bastante diversificado da banda, o que dá esse toque diferenciado. Por fim, assistiao show e fui pra casa fazer as minha reflexões acerca da experiência que acabara de passar à minha frente, eu precisava de tempo.

Pesquisando sobre a banda, deparei-me com algumas informações preliminares, porém importantes, aliás, as informações de bandas regionais são bastante escassas na rede, mas tornou-se suficiente somando a impressão visual daquela apresentação. Passeando pelo surgimento, vem à tona o que me parecia evidente, banda local. Nascida no carnaval de 2008, e já havia rodado algumas cidades do Norte e participado de festivais na região Nordeste, mais especificamente em Olinda-PE, incluindo a gravação de um EP, ou seja, tão jovem e já buscando um horizonte na imensidão da musica, caminhos longínquos e vistas à exploração do cenário alternativo.

As influências de Alaíde, são na verdade, um passeio despretensioso entre estilos que essencialmente se convergem na formação de uma melodia de extremo agrado, que se fortifica na trinca de samba-rock-latino, tudo isso, com elementos da musica regional (amazônica), o que o diferencia das melodias de outras bandas, que em vários momentos seguem estilos e se petrificam com o tempo, a não ser que se reinvente a todo instante, e essas características somente aos gigantes pertencem. Há outros aspectos que compõem a musicalidade da banda, como por exemplo as letras, que em sua maioria resgatam elementos da filosofia e da política com toques viscerais, bem como as ilustrações de apresentação no site ou na capa do EP, constituindo-se primorosamente como belíssimas pinturas, ou seja, Alaíde consegue aliar um gama de elementos que montam a sua caixa musical (entendendo que música é tudo isso), o que dá corpo e densidade ao seu som. O humor também é marca da banda, quando colocam que suas influências são SEU MADRUGA E CHAPOLIM COLORADO. Fazendo leitura do humor presente, desmonta a seriedade boba e remonta um ambiente musical de maior relaxamento, não que isso seja comungar com a bagunça e a desordem, nem mesmo a omissão da observância de mundo e crítica social. E convenhamos, aliar MÚSICA, FILOSOFIA E ARTE com uma melodia singular, dificilmente poderia sair algo ruim.

A impressão inicial, quando a Alaídenegão subiu ao palco (nem mesmo existia um palco) foi a personificação de um relaxamento universal, sob gritos daqueles que já o acompanhavam, fiquei à espreita, observando onde iriam chegar os caras. Então, começa o show com “Alaíde tecendo o som”, criatividade e embalo que me confundiu com “Alaíde passando o som”, dualidade fonética não ficando na banalidade, pelo contrário, transformou-se em uma entrada triunfal, neste ponto já estava convencido da diferença que anteriormente haviam me informado. Durante a apresentação, por diferentes momentos me recordei de uma banda folk americana chamada NEUTRAL MILK HOTEL e seu álbum maravilhoso IN THE AEROPLANE OVER THE SEA, especificamente na entrada do trompete e conjuntura da banda.

Aos poucos, criam uma espécie de campo magnético, ambientado essencialmente pela contagiante melodia, e interação com o público, equilibrada e desorientada em alguns momentos, mas expressamente dominada na totalidade do tempo, e preferencialmente convidando-os a saborear a salada musical proposta pela banda. Apresentam-se em um estilo desarrumado e despretensioso, em busca de novas experiências musicas e níveis de emoção com maior intensidade, um sobe e desce, variante deliciosa de show curto e intenso, perfeitamente completo.

O olhar lançado sobre a banda não é uma crítica “profissional”, e nem mesmo, a ampliação do marketing da banda, até porque, só consigo escrever sobre aquilo que me surpreende; e também não seria torná-los heróis musicais da cidade, ou mesmo, a ultima banda amazônica de todos os tempos, mas sim, evidenciar o contrário do que costumo enxergar em bandas que abdicam de arriscar e sobem ao palco para tocar um basicão maçante e repetitivo, e feito por meio milhão de músicos no mundo inteiro. Acreditar em suas potencialidades é fundamental para uma caminhada longa e vencedora, e aliado à ousadia e autenticidade forma estruturas fortes que resistirão a grandes terremotos. Portanto, Alaidenegão é o velho-novo, ousado e criativo da cena manauara, passa o sentimento e a confiança do estilo alternativo, faz isso com certa tranqüilidade, porque constitui vínculos amorosos com a música, o prazer é amplamente notado, e quando isso acontece é a essência da própria naturalidade, e os beneficiados de todo esse processo somos nós, os ouvintes.

Alaídenegão (foto: Lucas Jatobá)

sábado, 17 de dezembro de 2011

Na Rede: Caldo de Piaba na lista dos melhores CDs de 2011 do La Cumbuca


No dia 12, recebi uma pergunta via Twitter de Eric Alvarenga, vocal e guitarra da banda paraense Aeroplano:

não vai rolar uma lista com os melhores discos que tu escutou esse ano lançados aqui no norte?

O que eu respondi é que isto ainda não estava definido. Nos dias seguintes, pensei melhor e resolvi não fazer esta lista, como aliás ocorre desde que o blog é blog. Em 2009, quem elegeu a Música do Ano foram os 21 mil votos dados por internautas. No ano passado, tentei uma mudança que não deu certo - eleger o Clipe do Ano, cujo resultado seria pelo número de visualizações no YouTube, o que se mostrou tecnicamente inviável. Já neste ano, convidamos as bandas do Norte a mandarem seu som para integrarem nossa coletânea Som do Norte 2011 (baixe em http://t.co/QqTf2tBZ).

Por que não faço essas listas? Porque entendo que, por mais que eu procure acompanhar tudo o que rola na cena nortista, é impossível que eu tenha ouvido tudo. Afora isso, muito do que surge de relevante ao longo do ano quase sempre é publicado em seguida no blog, de modo que a lista acabaria sendo redundante.



O que não quer dizer que eu seja contrário a listas do gênero. Inclusive comemorei quando, no dia seguinte ao da pergunta do Eric, vi na 6ª posição do ranking dos Top 11 Discos Nacionais do site La Cumbuca o EP Volume 3, da banda acreana Caldo de Piaba, que foi lançado pelo Som do Norte, através da nossa Central de Abastecimento, em 20 de maio deste ano - http://somdonorte.blogspot.com/2011/05/central-de-abastecimento-volume-3-caldo.html. Pouco antes, em março, eu lançara o Volume Um, e para grande alegria uma bela manhã de maio o baixista Miúda me chamou no bate-papo do Facebook para me oferecer o lançamento exclusivo do Vol. 3 (inclusive, no post do La Cumbuca, o link de download aponta para uma postagem no blog da banda - http://piabanokombao.blogspot.com/2011/05/volume-3-caldo-de-piaba.html - que reproduz o texto que escrevi sobre o lançamento).

Em tempo: o Volume 3 do Caldo foi o único disco de banda do Norte a entrar na lista do La Cumbuca.
Em tempo 2: melhor que o Caldo em 2011, para Otaner (o autor da lista), só Erasmo Carlos, Violins, Criolo, Apanhador Só e Rômulo Fróes. Que tal?

Ei: Se você ainda não baixou o Volume 3, clique aqui.

Adendo: Outro blog que destacou o Vol. 3 foi o Esforçado, de Dafne Souza Sampaio (também responsável pelo Gafieiras), que inclui os piabas numa "lista-monstro" de CDs que ele achou importante ao longo do ano - onde também consta O Segundo Depois do Silêncio, dos Los Porongas, nosso Disco do Mês de junho, e Café Dois, do paraense Pio Lobato, disco lançado pelo site Pará Música. Esta "lista-monstro" seria, digamos, uma terceira divisão do Esforçado. Antes, tem os "25 discos brasileiros de 2011" - na qual consta o Kitsch Pop Cult de Felipe Cordeiro, e outra com outros 15 discos "que também merecem (e muito) ser ouvidos". O post, foi publicado na segunda, 19, neste link.