Aqui se fala do som dos estados do Norte do Brasil: Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins

sábado, 28 de agosto de 2010

Disco do Mês: Veludo Branco no Canoa na Estrada Cantá

Chegou o grande dia! É hoje que a Veludo Branco, a banda do nosso Disco do Mês, toca no Festival Megafônica, em Belém. Pra todo mundo já entrar no clima, vamos assistir este vídeo que registra a participação da banda tocando "O Gigolô", em show no projeto Canoa na Estrada no município roraimense de Cantá, no dia 19 de junho.

O Canoa na Estrada é uma parceria do Coletivo Canoa Cultural, de Boa Vista, com o SEBRAE que leva cultura, entretenimento e conhecimento a cidades do interior de Roraima, através da exibição de filmes regionais, shows, palestras, debates e oficinas - nesse dia Mr. Gonzo realizou uma oficina de guitarra (ao lado, em foto do Núcleo de Redação e Imprensa do Coletivo Canoa Cultural). Saiba mais sobre o projeto e sobre a edição de Cantá no blog do Canoa Cultural.


Se você ainda não ouviu o CD Veludo Branco Rock'n'Roll, clique aqui e ouça agora. Quem já ouviu também está convidado!

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Filme do Dia: Pelos Seus Poros


Nesta quarta, um dos destaques da Mostra Clube de Cinema Fora do Eixo no Cinema Olympia, em Belém (evento que abre o 1º Festival Megafônica), será a exibição em tela grande do clipe "Strange", da Boddah Diciro, dirigido por Caio Bretas. Agradeço ao curador da Mostra, Caio Mota, do Coletivo Difusão, que aceitou de imediato minha sugestão de incluir este clipe na Sessão Norte.

Aproveito a ocasião para publicar aqui no Som do Norte o curta goiano Pelos Seus Poros, de Caio Rodrigues, com Beatriz Menezes e Juan Martínez, que utilizou em sua trilha sonora duas músicas da Boddah, "A Viagem" e "Sem Querer" (são as gravações do CD Strange). O filme foi lançado na Bolha Cultural, em Anápolis (GO), em 22 de maio, logo após o show em que se apresentaram as bandas Lady Lanne, local, Cassino Supernova, de Brasília, e, claro, a Boddah Diciro. Leia a sinopse do filme, escrita pelo próprio diretor, e na sequência curta o curta!

"Uma mulher traída envenena seu grande amor. Ele, ao acordar, busca apenas respostas para entender o motivo de sua morte certa. Cabe saber se sua curiosidade não é uma forma de deixá-la culpada o resto de sua vida, ou uma forma de aceitar sua morte. Seja o que for, ela tem uma 'carta na manga'. Um curta de 'zero' custo, Pelos seus poros é uma tentativa de produção cinematográfica independente em Anápolis, mas que promete uma reflexão um pouco mais íntima do homem."


domingo, 22 de agosto de 2010

Foi Show: Mini Box Lunar em Fortaleza

Vemos aqui uma imagem do show da Mini Box Lunar em Fortaleza, durante a Feira da Música 2010.


O próximo compromisso na agenda da galera do Amapá é o show no Festival Megafônica, em Belém, na sexta, dia 27.

Imprensa nacional destaca bandas de Rondônia

Por Bruna Cruz

A música rondoniense colhe frutos do seu trabalho e, timidamente, vai mostrando a sua produção para veículos da grande imprensa nacional. Neste mês, as bandas Expresso Imperial e Di Marco tiveram seus nomes estampados em matérias de duas das maiores revistas especializadas em música e cultura pop: Rolling Stone e Billboard.


A primeira delas, o trio de música instrumental Expresso Imperial, é uma das novidades da música independente de Porto Velho, e teve seu início no fim de 2009. O trio está presente na coluna ‘Ouça Também’, assinada por Leonardo Dias Pereira, na edição de agosto da revista Rolling Stone. O texto (acima) insere a banda no emergente contexto das bandas instrumentais do Brasil, e destaca o flerte com ritmos nacionais, como a guitarrada e o baião. A música destacada na matéria, “Do Campo”, pode ser ouvida em http://myspace.com/expressoimperial

Expresso Imperial por Raoni Ferreira

Já a revista Billboard dedicou uma matéria na edição deste mês ao trio jiparanaense de indie rock Di Marco, que completa seis anos de estrada. O texto, assinado por Marcos Bragatto, aborda questões como o trabalho físico e o conceito visual da banda, além de prever a presença dela em festivais do centro-sul do país. Para conhecer o som da banda, acesse o http://myspace.com/dimarcojp


Festival Megafônica: Do RJ para PA: TEREZA

Por Bárbara Andrade | Coletivo Megafônica

Continuando a sessão explicativa de porque as bandas que estão vindo pro Festival, após o saudosismo da minha história conhecendo o Gomez (ARG), vamos pra Tereza.

O Tereza vem pela primeira vez à Belém, diretamente do Rio de Janeiro. Primeiro ponto. Segundo ponto, acho que Cuiabá é a minha cidade das descobertas, tudo de mais legal que conheci esse ano, foi lá, e com esses 5 meninos aí, não foi diferente. Grito Rock 2010 Cuiabá.

Uma banda totalmente despretensiosa, de repente sobe no palco e contagia o público inteiro. Tanto que no outro dia, o sir Pablo Capilé colocou a gurizada no palco novamente, show dobradinha no mesmo festival, já viram isso? É, quem viu o show do Tereza, muito foda, entendeu direitinho.

Agora é a vez de bis aqui em Belém, depois de tanto de espera (nem tanto assim, rs), chegou a hora.

E de lá pra cá, eles vieram arrastando públicos em todos os lugares, circulando por vários estados e garantindo uma boa listinha de festivais pra esse ano.



Capa do EP que pode baixar entrando no myspace

Agora e esperar e conferir de perto se eu tô ou não falando a verdade. rs. E faltam 7 dias.

Publicado originalmente no blog do

Nanna Reis: de mente aberta para a música


Por Nicolau Amador*

"Acho que só não gosto de brega, funk e doom metal".
Foto de Felipe Accioli no show Brasilidade

Nanna Reis fez 19 anos em maio, mas desde os 17 já canta em festivais pelo país. Filha do compositor Alfredo Reis e irmã de Luma, ela canta desde os oito anos de idade, quando entrou para o conservatório Carlos Gomes. Estudou flauta transversal, flauta doce e fez cinco anos de canto popular e técnica vocal. Atualmente se dedica aos estudos de canto lírico e ao curso de licenciatura em música na Universidade Federal do Pará. Cantou em shows de muitos artistas, antes de participar do projeto de Renato Gusmão, “Cor da pátria”, em 2008, o que a fez decidir-se de vez a encarar a carreira artística. Sua mais recente conquista foi ganhar o prêmio do Festival RBA de Música, de Edgar Augusto, com a música “Iluminada”, de Tynnôko Costa, concorrendo inclusive com uma música do pai Alfredo Reis. Quando a ouvi cantar pela primeira vez ao lado de outras cantoras no show em homenagem a Billy Blanco, fiquei impressionado. Mais impressionado ainda quando ela me disse que acabara de completar 18 anos. Ontem, antes de gravar uma participação no aniversário do programa Invasão, da TV Cultura, com Pro.Efx e Simba Amlak, ela concedeu com exclusividade ao Qualquer Bossa a seguinte entrevista.

Nicolau: Você pensou em fazer em outra coisa na vida além de música?
Nanna: Pensei em fazer Letras e Administração. Mas mudei de idéia porque não ia adiantar fazer Administração e ser uma profissional frustrada. Quero ser uma profissional feliz e realizada. Eu já fazia música, sempre fiz isso e não tinha porque não seguir a carreira de musicista. Acho que fiz a opção certa.

Você gosta de ragga?
Acho que só não gosto de brega e funk, e talvez de doom metal, que é aquele estilo de heavy metal meio depressivo. Mas gosto de algumas bandas de metal que tem cantores líricos e tal. Mas meu lance é mesmo é MPB. Mas misturar é tão legal. Gosto de muita coisa mas no momento o erudito está totalmente presente na minha vida agora.

O que você está fazendo agora?
Estou nesse projeto com o Pro Exf. Ele me mandou umas três bases e eu gostei de uma, em que pus uma letra. Como ficou legal a idéia é fazer um EP com cinco músicas e lançar pelo selo Ná Music. Também vou começar a tocar com uma banda de reggae a partir de setembro chamada Mahara. No mais, eu me viro, estou no curso de licenciatura e fazendo gig por aí. Dando aulas de canto. Ano que vem se for aprovado em algum edital e for captado rola o primeiro CD.

Do que falam as tuas letras?
Eu gosto de coisas viscerais. Eu gosto de brincar de compor. Na UFPA a gente fez isso, brincar de compor. Com o Pro Efx rolou de desenvolver um tema que era o “compromisso” então pensei no caso da garota que assume um compromisso. Musicalmente, para fazer isso hoje, eu me alimento de muita música latina e música africana. É bom não se bitolar em música tem tanta coisa para se fazer e conhecer. E eu tenho sede de fazer coisas diferentes e conhecer coisas novas. Música te dá tantas possibilidades de ritmos, de cultura que dá pra agregar isso à tua própria cultura. O importante é não se bitolar e somar isso na tua vivência. A música que você faz é sempre o reflexo da tua vivência.

Como foi se decidir pela carreira artística?
Depois do show “Brasilidade”, que eu fiz em maio deste ano, eu pensei “e agora, como vai ser?” Achei que já tinha maturidade psicológica e técnica para me jogar nisso. Depois de ter aprendido de forma ostensiva e na marra de cantar nos shows, achei que era a hora. Nunca havia saído de Belém e viajei pela primeira vez para um festival aos 17 anos. Isso abriu a minha mente. Depois veio o projeto com o Renato Gusmão, que foi o primeiro cara que me deu moral mesmo para poder cantar e eu sempre lembro dele por isso. Sempre que ele me chamar vou cantar no Cor da Pátria.

E como tu pensas profissionalmente a tua carreira?
Estou com uma produção agora. O primeiro passo é me afirmar aqui em Belém mesmo, enquanto eu me formo. Nesse período eu vou pesquisando e desenvolvendo a minha música. Meu ideal é ter uma produção e não deixar de dar aula porque assim acredito que posso passar alguma coisa para as pessoas e deixar isso também somar na minha vivência de cantora. Trocar essas experiências com as pessoas.

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Festival Megafônica: Programação Completa


O Coletivo Megafônica realiza no final de agosto, em Belém, o 1º Congresso Regional Fora do Eixo Norte e o 1° Festival Megafônica de Artes Integradas. Além das noites de shows, o Festival tem como eventos paralelos a Mostra Clube de Cinema Fora do Eixo e o Pocket Show Esquenta Festival Megafônica. Boa parte da programação é de acesso gratuito.
  • Festival Megafônica
Serão duas noites de shows, com alguns dos principais nomes da cena independente do país, com destaque para a banda Black Drawing Chalks, cujo CD Life is a Big Holiday for Us foi apontado pela revista Rolling Stone Brasil como o melhor disco brasileiro de 2009, e que toca pela primeira vez em Belém.

Programação

Sexta, 27/8, Espaço Cultural Cidade Velha
20h - Felipe Cordeiro (Belém)
20h50 - Projeto Secreto Macacos (Belém)
21h40 - Paralelo XI (Primavera - PA)
22h30 - Tereza (Rio de Janeiro)
23h20 - Juca Culatra e os Megafônicos - Juca Culatra (Belém), com participação especial de integrantes de várias bandas do Coletivo Megafônica
0h - Mini Box Lunar (Amapá)
0h50 - Johnny Rockstar (Belém)
1h40 - Proyecto Gómez (Argentina)
Mais DJs Pogobol; e no Palco Casarão Floresta Sonora, Jungle Band, MG Calibre e a banda Cabocrioulo (Amazonas)

Sábado, 28/8, Açaí Biruta
20h - 16-Bits (Novo Repartimento - PA)
20h50 - Destruidores de Tóquio (Capanema - PA)
21h40 - Beatle George (Amapá)
22h30 - Veludo Branco (Roraima)
23h20 - Turbo (Belém)
0h - Brown-Há (Distrito Federal)
0h50 - Delinquentes (Belém)
1h40 - Black Drawing Chalks (Goiás)
Mais DJs Se Rasgum, Pogobol e Durango'95.

Ingressos antecipados à venda a partir do sábado, 21 de agosto, nas lojas Ná Figueredo, a R$ 10. Na hora dos shows, os ingressos serão vendidos a R$ 15.
  • Mostra Clube de Cinema Fora do Eixo
Dentro do Circuito Fora do Eixo, a frente que trabalha a produção independente de vídeos, clipes, documentários, transmissões ao vivo de eventos, cineclubes, mostras é denominada Clube de Cinema Fora do Eixo. A Mostra terá uma seleção de documentários, videoclipes e curtas produzidos pelo circuito, sendo uma das sessões dedicadas apenas à produção da região Norte. A programação inclui a exibição de um documentário da premiada cineasta paraense Priscilla Brasil, que em seguida realiza palestra sobre sua trajetória.

Quarta, 25/8, Cinema Olympia
14h - Abertura
14h10 - Sessão Clube de Cinema Fora do Eixo
16h10 - Intervalo
16h15 – Sessão Norte - docs e curtas
17h15 – Intervalo
17h30 - Filme: As Filhas da Chiquita (direção: Priscilla Brasil)
18h30 - Palestra: Vivências e experiências audiovisuais do Norte – com a cineasta Priscilla Brasil
19h50 – Encerramento

Ingresso: grátis.
  • Pocket Show Esquenta Festival Megafônica
O primeiro evento musical da programação reúne quatro bandas do Coletivo Megafônica:

Quinta, 26/8, Espaço Aberto Ná Figueredo
Dharma Burns
S.I.m
La Orchestra Invisível
Cryptatrio

Início: 17h
Ingresso: grátis.
  • 1º Congresso Regional Fora do Eixo Norte
O crescimento da Rede Fora do Eixo gerou a necessidade de se planejar as ações do Circuito não apenas nacionalmente, mas também considerando-se as especificidades regionais. Por isto em 2010, congressos regionais antecipam a realização do 3º Congresso Fora do Eixo, que ocorre em outubro. As inscrições para o 1º Congresso Regional Fora do Eixo Norte são gratuitas e podem ser feitas no blog do Coletivo Megafônica - http://megafonica.blogspot.com

Sexta, 27/8, SEBRAE
9:00 às 12:00 - Credenciamento
Apresentação dos Pontos Fora do Eixo
Apresentação dos candidatos a Ponto Fora do Eixo
Atualizações das ações da rede e crescimento do CFE em 2010

14:00 às 16:00
Palestra: Música Ltda - com Leonardo Salazar

16:00 às 18:00
Mesa de debate: Gestão de carreira do músico independente - com Leonardo Salazar (PE), Pablo Capilé (MT), Heluana Quintas (AP), Ná Figueredo (PA)

Sábado, 28/08, SEBRAE
9:00 às 12:00
Grupos de trabalho:
Sustentabilidade
Circulação
Distribuição/Produção
Comunicação
Tecnoarte

14:00 às 18:00
- Discussão acerca do PCult Norte
- Debates livres sobre planejamento da regional
- Rotas de Circulação e Turnês (TNB, Música FDE)
- Ativação de empreendimentos na rede social FDE
- Debate sobre a criação do Selo Norte (distro)

Domingo, 29/8, SEBRAE
9:00 às 12:00
Grupo de Discussão: Revisão de Carta de Princípios e Regimento Interno CFE 2010.

14:00 às 18:00 - SEBRAE
Apresentação dos Grupos de Trabalho:
Sustentabilidade
Circulação
Distribuição/Produção
Comunicação
Tecnoarte

19:30 às 20:00
Fechamento dos trabalhos e encaminhamentos finais

Coletivo Megafônica e Circuito Fora do Eixo

Formado há dois anos em Belém pela união de bandas, produtores e jornalistas que trabalham para estimular a cadeia produtiva da cultura sob a perspectiva da cooperação, o Megafônica é desde 2009 o Ponto Fora do Eixo no Pará. O Circuito Fora do Eixo surgiu em 2005 através de uma parceria entre produtores culturais das cidades de Cuiabá (MT), Rio Branco (AC), Uberlândia (MG) e Londrina (PR), que queriam estimular a circulação de bandas sem vínculo com grandes gravadoras, o intercâmbio de tecnologias de produção e o escoamento de produtos da cena independente, na qual se encontra a parcela mais criativa da produção musical brasileira atual. O Fora do Eixo está presente hoje em 25 dos 27 Estados brasileiros, e sua articulação permite fazer eventos do porte do Grito Rock América do Sul 2010, realizado nos meses de janeiro e fevereiro em 74 cidades do Brasil, Argentina, Uruguai e Bolívia, e que vem sendo considerado o maior evento cultural cooperativado do mundo.
  • Outras informações:

Festival Megafônica: Belém sedia 1º Congresso Regional Fora do Eixo Norte


O que era apenas um sonho em 2005 - a união dos esforços de produtores culturais de Cuiabá (MT), Rio Branco (AC), Uberlândia (MG) e Londrina (PR), para atingir objetivos como estimular a circulação de bandas sem vínculo com grandes gravadoras e a distribuição de CDs independentes - hoje se transformou no Circuito Fora do Eixo, a maior rede independente articulada do país, presente em 25 dos 27 Estados brasileiros. Essa dimensão que a rede tomou, ao mesmo tempo em que permite articular o maior evento cultural cooperativado do mundo - o Grito Rock América do Sul 2010, realizado nos meses de janeiro e fevereiro em 74 cidades do Brasil, Argentina, Uruguai e Bolívia -, gera o que a agente do núcleo de sustentabilidade do Circuito Fora do Eixo, Marielle Ramires, define como "desafios semelhantes ao do Estado (respeitadas certamente as suas devidas proporções) quando o tema é o desenvolvimento de políticas públicas para cada região brasileira." É por isto que, em 2010, estão sendo realizados congressos regionais antes do 3º Congresso Fora do Eixo (agendado para os dias 10 a 17 de outubro, em Uberlândia), onde se irá discutir em âmbito nacional os temas debatidos em cada região. O 1º Congresso Regional Fora do Eixo Norte acontece no SEBRAE em Belém, nos dias 27., 28 e 29 de agosto, dentro da programação paralela do 1° Festival Megafônica de Artes Integradas, sendo ambos realizados pelo Coletivo Megafônica, o Ponto Fora do Eixo do Pará. As inscrições para o Congresso já podem ser realizadas através do blog do Coletivo Megafônica - http://megafonica.blogspot.com

No dia da abertura do Congresso, sexta dia 27, acontecem a palestra "Música Ltda", com o pernambucano Leonardo Salazar; e o debate sobre "Gestão de carreira do músico independente", com as presenças de Heluana Quintas(AP), Leonardo Salazar (PE), Ná Figueredo (PA) e Pablo Capilé (MT). A programação inclui também reuniões dos Grupos de Trabalho de Sustentabilidade, Circulação, Distribuição/Produção, Comunicação e Tecnoarte.

O 1º Congresso Regional Fora do Eixo Norte tem por objetivos: promover a transversalidade entre a cultura e outras áreas sociais; fomentar a tecnologia social entre os coletivos da Regional Norte FDE; promover o intercâmbio e a troca de conhecimentos, serviços e tecnologias entre os coletivos da região; fomentar a discussão de políticas públicas culturais; e promover a qualificação artística e de gestão cultural da Regional Norte.

Festival Megafônica: Direto da Argentina, Proyecto Gomez

Por Bárbara Andrade | Coletivo Megafônica


Era início de novembro do ano passado, peguei o elevador no Hotel Taiamã (Cuiabá), e encontro um cara super estranho. Falei com ele, ele respondeu, mas não entendi nada. Era um argentino. Mais tarde, no MISC, local onde rolavam os pockets shows do Festival Calango, lá estava o argentino do elevador, com uma espécie de saia e uma barba tão estilosa quanto. Ele subiu no palco. Sozinho. Pensei logo que seria alguma viagem. Bingo.

O cara senta na bateria e começa a fazer uns sons loucos, depois pega o baixo que ele minutos antes, tinha pedido emprestado pro Ney (Macaco Bong). Mas ali começou a surpresa, quando ele foi pro baixo, a bateria continuou tocando, ele gravava cada barulhinho, e fazia uma sobreposição de sons absurda, guitarra, voz, uns samples e sabe-se lá mais o que ele tocava àquela altura do campeonato.

No myspace, dá ver coisas do tipo "En este proyecto lo vemos a Gomez solo, tocando el dobro, batería, voz , bajo de tres cuerdas, guitarra, ruidos, cables conectados a la nada."

No outro dia, no Festival Calango, tudo aquilo se repetiu, e dessa vez já dava pra acompanhar o que ele cantava, as músicas já tinham ficado na cabeça, e o show já era mais intimista. Totalmente sensacional.

Agora vamos ter o imenso prazer de receber o Gomez aqui, na cidade das mangueiras, e os megafônicos que estavam ali em Cuiabá, vendo tudo aquilo (Vinil Laranja, eu e Sincera), mal podem esperar pelo espetáculo no nosso festival, e o mais legal, poder compartilhar isso com o público paraense, tendo a plena e convicta certeza que o show dele vai ser uma das grandes revelações do Festival Megafônica.

Ficou curioso? Dá uma olhada no myspace do cara pra aquecer, vale muito à pena.




Esse vídeo é de uma das músicas mais loucas e legais do Gomez.



Agenda Belém: Tynnôko Costa

O maestro Tynnôko Costa, sem dúvida alguma, vive um grande momento de sua vida artística. Depois de conquistar o primeiro lugar no 2º Festival de Música Popular Paraense com "Iluminada", cantada por Nanna Reis, a Melhor Intérprete do Festival, e de estrear novo show com Juliana Sinimbú (o Tem Mais Samba, neste sábado, dia 21 no Teatro do CCBEU), ele participa na próxima quinta, dia 26, de uma espécie de show-entrevista no SESC Boulevard.

Com a mediação do jornalista Edgar Augusto, Tynnôko tocará ao piano composições próprias, além de interagir com a platéia presente, respondendo perguntas e até falando de forma didática a respeito de sua produção profissional.

O evento tem entrada franca e inicia às 18h30.

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Agenda Belém: Mostra Clube de Cinema Fora do Eixo


A Mostra Clube de Cinema Fora do Eixo é o primeiro evento do Festival Megafônica. A programação acontece no dia 25 de agosto, quarta-feira, no Cinema Olympia; todas as atividades são gratuitas.

PROGRAMAÇÃO

14h - Abertura

14h10 - Sessão Club de Cinema Fora do Eixo

16h10 - Intervalo

16h15 – Sessão Norte - docs e curtas

17h15 – Intervalo

17h30 – Filme – As Filhas da Chiquita (direção: Priscilla Brasil, 2006)

18h30 – Palestra - Vivências e experiências audiovisuais do Norte – com a cineasta Priscilla Brasil

19h50 – Encerramento
  • Priscilla Brasil nasceu em Belém. É graduada em Arquitetura e Urbanismo (UFPA) e Comunicação (Unama), e pós-graduada em Marketing, Gestão Empresarial e Film and Television Business (FGV – RJ). É mestranda em comunicação (PUC-Rio). Iniciou sua carreira no audiovisual produzindo programas para TVs estrangeiras (Mainichi Broadcasting, Japão) dentro da Amazônia Brasileira. Seu primeiro trabalho como diretora foi o curta-metragem “Os Escolhidos de Deus” (2003), seguido pelos documentários de longa-metragem “As Filhas da Chiquita” (2006) e “Serra Pelada – Esperança não é sonho” (2007) e o media-metragem “Salvaterra – Terra de Negro” (2008). Dirigiu os videoclipes “Devorados” e “Vela”(da banda Madame Saatan), “Japan Pop Show” (Curumin) e “Come to Me” (de Daniel Peixoto, ex-Montage), além do mais recente clipe do Macaco Bong. Finaliza atualmente o longa-metragem “Mulheres da Floresta” e o curta-metragem “Notas sobre Waldemar”.
  • As Filhas da Chiquita - Há 28 anos, no segundo domingo de outubro, a bicentenária procissão do Círio de Nazaré – maior romaria católica do Brasil e uma das maiores do mundo – é obrigada a conviver com a Festa da Chiquita, o mais tradicional encontro gay da Amazônia que, contra tudo e contra todos, ocorre no mesmo dia, na mesma hora e na mesma rua. São dois milhões de católicos fervorosos de uma lado e alguns milhares de homossexuais do outro. Em 2004, o IPHAN incluiu a Festa da Chiquita no processo de tombamento do Círio como patrimônio imaterial da humanidade, dando início a uma grande polêmica: afinal, a festa da Chiquita faz parte do Círio? O filme foi realizado sem patrocínio.

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Disco do Mês: Veludo Branco no VI Roraima Sesc Rock


Hoje vamos assistir a Veludo Branco num momento muito especial vivido recentemente: a participação na 2ª noite do VI Roraima SESC Rock, em 31 de julho, com o baixista Mirócem Beltrão "atacando de blues" tocando o contrabaixo acústico (também conhecido como rabecão), como se fazia nos anos 1960. A música é a inédita em disco "Ela Só quer me Fazer Delirar", que eu conheci já no show de Porto Alegre (no histórico 17 de março de 2010).

Depois de ver o vídeo, não esqueça de curtir na íntegra o CD Veludo Branco Rock'n'Roll, nosso Disco do Mês de agosto, no Música do Norte. Lá dá pra baixar o CD também, de boa.

domingo, 15 de agosto de 2010

Diz Aí: Mini Box Lunar

Fabio Gomes entrevistando JJ
(foto: Suelen Bauen)

Uma das atrações confirmadíssimas do Festival Megafônica 2010, a Mini Box Lunar tem um carinho especial por Belém - além dos laços familiares (quase todos da banda nasceram ou moraram aqui), foi no Festival Se Rasgum 2008 que a banda teve a primeira grande oportunidade de mostrar seu som para um grande público. Mesmo com a proximidade geográfica (de Macapá pra Belém é menos de uma hora de avião), só em junho de 2010 os miniminis voltaram a tocar na capital do Pará - e duas vezes na mesma noite, pra compensar a demora: primeiro, abrindo o Conexão Vivo Belém, no Pier das 11 Janelas; e mais tarde, no Baile dos Capuletos, festa promovida pelos DJs Pogobol no bar Palafita, em que também tocaram The Baudelaires e Paris Rock.

São dessa noite, 11 de junho de 2010, estas entrevistas que fiz com metade da banda, gravadas entre um show e outro. JJ fala da relação da banda com Belém, Heluana comenta a participação da Mini Box em outro Conexão Vivo, o de Belo Horizonte (onde a banda tocou no mesmo palco que a Cidade Negra) e Otto fala do show daquele dia 11, e as sutis mudanças de arranjos de músicas como "A Boca" de uma apresentação para outra.

JJ



Heluana



Otto





As fotos que ilustram este post foram buscadas no texto Conexão Vivo Belém, postado por JJ Nunes no blog da Mini Box Lunar em 26 de junho; exceto a que abre o texto, que é inédita.

Música do Dia: Da Calçada pro Lobato (2)


Oh! 1 - Uma "Música do Dia" repetida?
Oh! 2 - Uma música de banda nordestina no Som do Norte?

Sim, sim, é a segunda vez que uma banda de fora do Norte figura na seção Música do Dia, e casualmente trata-se da mesma banda com a mesma canção - porém (ahá!) em outra gravação! E por um excelente motivo: a Baiana System renova a homenagem ao guitarrista paraense Pio Lobato, no CD lançado pelo blog Eu Ovo hoje.

Ah, ok, então é notícia!

Sim, é notícia e música muito boa. Leia a seguir o trecho da entrevista publicada no Eu Ovo, em que Robertinho Barreto fala sobre a música e suas parcerias (existentes ou nem) com Pio.

"Tem uma música no disco, chamada ‘Da calçada pro Lobato’, que é dedicada ao Pio Lobato. Tem alguma coisa a ver com o ‘Recado pro Lúcio Maia’ do Lobato? Ou com a resposta do Lucas Santtana em ‘Recado pro Lobato’? - Já existe uma resposta do Lúcio Maia, ‘Recado pro Lobato, extensivo ao Lucas Santtana’).

Mais ou menos... Na verdade quando soube da música do Lucas para o Lobato, eu já tinha feito essa pensando no Pio - sem o nome lógico de ‘Recado...’. Eu e Pio tínhamos tocado juntos e feito um workshop de guitarra baiana e guitarrada e começamos um projeto chamado ‘
Trio Fuleráge’ , com Patrick Torquato. Ficou só no projeto por enquanto... rsrsrsrs. Fizemos algumas músicas, trocamos bases e idéias, mas não se concretizou ainda... Pio tb tinha feito uma participação no último disco dos ‘Lampirônicos’, uma vinheta, eu e ele tocando... Mas eu achava que tinha de fazer uma guitarrada de guitarra baiana pra fechar isso, e saiu essa. Que eu tb brinquei com esse lance do Pio piuuu do trem... E Calçada é um bairro aqui em Salvador, onde tem uma estação de trem, que passa pelo Lobato, outro bairro do subúrbio ferroviário... rsrsrsrs."

BAIANA SYSTEM
Da Calçada pro Lobato
2010






(Ficha técnica em imagem - tem coisas que só o Som do Norte faz pra você)

Recordar é viver
  • Veja o outro post em que "Da Calçada pro Lobato" foi nossa Música do Dia, em 10/2/10

sábado, 14 de agosto de 2010

Central de Abastecimento: Serial Killer - Profetika


A Central de Abastecimento Som do Norte traz a você neste fim de semana o EP Serial Killer, que a banda amapaense Profetika gravou em Macapá em junho e lançou durante o Festival Quebramar 2010, no começo de julho. Destaque para a boa gravação dos vocais, não é sempre que é possível entender tão claramente a letra cantada por um vocalista de Trash Metal.

Antes de baixar o disco, ouça a entrevista que fiz com a Profetika, em que falamos do disco (então ainda em finalização), do Pólvora Cultural, e também das viagens da banda neste ano - Roraima em fevereiro para o Grito Rock Boa Vista, e Belém em junho para tocar no Espaço Aberto Ná Figueredo (gravamos logo após o final do show, em 26 de junho).




Para baixar o EP, basta clicar na capa.


SERIAL KILLER - 2010
Profetika

1 - Serial Killer
2 - Mãos ao Alto
3 - Ele Vem para Roubar e Matar
4 - O Início do Final
5 - Cova do Pecado

Áudios em formato MP3 - 256 kbps - 44 KHz
Duração - 19:37
Lançamento: julho de 2010

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Cartaz do Festival Megafônica

Música do Dia: Iluminada


A nossa Música do Dia é a grande vencedora do 2º Festival de Música Popular Paraense: "Iluminada", do maestro Tynnôko Costa, cantada por Nanna Reis - também escolhida como Melhor Intérprete do festival. A final, que terminou há pouco na Assembleia Paraense, em Belém, premiou também: em 2º lugar, “De passagem” (Mário Mousinho), cantada por Andreia Pinheiro - a música recebeu ainda o prêmio de Melhor Arranjo; e em 3º, “Lá vem ela” (Gil Pimentel), com Adilson Lima. "Trelelê" (Felipe Cordeiro - Iva Rothe), interpretada por Aíla, foi a mais votada pela internet.

Em entrevista ao Diário do Pará de 31 de julho, Tynnôko justificou a escolha por Nanna para interpretar "Iluminada" por estar certo de que ela teria "facilidade de entendimento das nuances da música" e também por considerá-la "uma das (cantoras) mais promissoras dessa nova geração". Leia a matéria completa clicando aqui.

Vamos ouvir aqui Nanna Reis cantando "Iluminada" ao vivo no Pará Clube em 21 de julho, por ocasião da primeira eliminatória do Festival. A foto também é deste dia.

NANNA REIS
Iluminada
(Tynnôko Costa)
21.07.10



ILUMINADA
( Tynnoko Costa )

Se vejo é pela chama azul dos olhos teus
Tão viva irradiante ao tato meu
Na bruma imaginária te concedo o céu
Da noite eterna e mansa de um anjo cego
Iluminado amor da estrela guia
Caminho do meu sol a cada dia
São flores cintilantes em nossas asas
Do amor que irradiam entrelaçadas
Num rodopio de luzes das constelações
Meu universo é uma flor iluminada
Pelas ruas e calçadas

Sigo nas tuas mãos em teu dossel
Vivo a canção o menestrel
Entre a razão e o paraíso onde tudo tem teu brilho
Neste enlevo infinito onde o nosso amor nasceu
Minha estrela

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Diz Aí Especial: Gaby Amarantos


Gaby Amarantos está em São Paulo para fazer shows (SESC Pompeia e Vila Mariana) e principalmente iniciar a produção de seu novo CD com a Banda Tecnoshow, no qual contará com um time de produtores entre os quais se incluem Carlos Eduardo Miranda e Kassin (da Orquestra Imperial). Esta é a ocasião perfeita, portanto, para enfim publicarmos aqui a entrevista que fiz com ela momentos antes de seu show no Conexão Vivo Belém, em 12 de junho, contando tudo sobre o disco. E também falou, pela primeira vez, do que acha de ser chamada "a Beyoncé do Pará".

Você vai ouvir o áudio, gravado no camarim ao lado do palco, exatamente como o captei, sem edição nem cortes. Gaby relembra as condições muito longe do ideal das primeiras gravações de tecnomelody, e compara com a preparação para o próximo disco - a mudança, como eu digo uma hora, foi da auto-produção para a alta produção. Ao final, há uma breve participação de Ney Messias, que entrou no camarim exatamente no momento em que Gaby iria mencioná-lo (isso é que é timing!).

GABY AMARANTOS
Entrevista a Fabio Gomes - Som do Norte
12.06.10



As fotos que você vê aqui são de autoria de Renato Reis e mostram momentos do show que Gaby fez logo depois de me conceder esta entrevista exclusiva.


Festival Megafônica traz a Belém a vanguarda da cena independente nacional


No final de agosto, Belém se tornará a capital da cultura independente nacional durante a realização do 1° Festival Megafônica de Artes Integradas (dias 27 e 28) e do 1º Congresso Regional Fora do Eixo Norte (dias 27 a 29). Paralelamente ao Festival, acontecem a Mostra Audivisual Fora do Eixo (25 de agosto) e uma tarde de pocket shows no Espaço Aberto Ná Figueredo (26 de agosto). Os eventos serão realizados pelo Coletivo Megafônica e irão reunir na capital paraense alguns dos principais nomes da cena independente do país, com destaque para a banda Black Drawing Chalks, cujo CD Life is a Big Holiday for Us foi apontado pela revista Rolling Stone Brasil como o melhor disco brasileiro de 2009, e que estará se apresentando pela primeira vez em Belém.


Black Drawing Chalks

O Festival Megafônica terá duas noites de shows. Na sexta, 27 de agosto, tocam no Espaço Cultural Cidade Velha: Felipe Cordeiro (Belém), Projeto Secreto Macacos (Belém), Paralelo XI (Primavera - PA), Tereza (Rio de Janeiro), Juca Culatra (Belém), Mini Box Lunar (Amapá), Johnny Rockstar (Belém) e Proyecto Gómez (Argentina); além das presenças do Casarão Floresta Sonora e DJs Pogobol. No sábado, 28, acontecem no Açaí Biruta os shows de 16-Bits (Novo Repartimento - PA), Destruidores de Tóquio (Capanema - PA), Beatle George (Amapá), Veludo Branco (Roraima), Turbo (Belém), Brown-Há (Distrito Federal), Delinquentes (Belém) e Black Drawing Chalks (Goiás); além da discotecagem dos DJs Se Rasgum, Pogobol e Durango'95.


Brown-Há

Na quarta, dia 25, o Cinema Olympia sedia a Mostra Clube de Cinema Fora do Eixo, que terá a exibição de curtas, documentários e clipes realizados pelos Coletivos Fora do Eixo da região Norte, além de uma palestra sobre Vivências e Experiências Audiovisuais do Norte com a cineasta paraense Priscilla Brasil.

Na tarde de pocket shows no Espaço Ná Figueredo, quinta, 26 de agosto, irão se apresentar as bandas S.I.m, La Orchestra Invisível, Dharma Burns e Cryptatrio, que integram o Coletivo Megafônica.


Mini Box Lunar

O Congresso Regional Fora do Eixo Norte acontece entre os dias 27 e 29 no SEBRAE e terá debates e workshops sobre os novos paradigmas do cenário musical no Brasil e as alternativas de viabilidade do cenário frente à questão; o evento é uma das etapas preparatórias do 3º Congresso Nacional Fora do Eixo, previsto para outubro.

Formado há dois anos em Belém pela união de bandas, produtores e jornalistas que trabalham para estimular a cadeia produtiva da cultura sob a perspectiva da cooperação, o Megafônica é desde 2009 o Ponto Fora do Eixo no Pará. O Circuito Fora do Eixo surgiu em 2005 através de uma parceria entre produtores culturais das cidades de Cuiabá (MT), Rio Branco (AC), Uberlândia (MG) e Londrina (PR), que queriam estimular a circulação de bandas sem vínculo com grandes gravadoras, o intercâmbio de tecnologias de produção e o escoamento de produtos da cena independente, na qual se encontra a parcela mais criativa da produção musical brasileira atual. O Fora do Eixo está presente hoje em 25 dos 27 Estados brasileiros, e sua articulação permite fazer eventos do porte do Grito Rock América do Sul 2010, realizado nos meses de janeiro e fevereiro em 74 cidades do Brasil, Argentina, Uruguai e Bolívia, e que vem sendo considerado o maior evento cultural cooperativado do mundo.


Release oficial do Festival
Assessoria de Imprensa Som do Norte

Na Rede: Gaby Amarantos no SESC Pompeia


Ela já havia cantado na cidade antes, mas a repercussão parece a de uma estreia. De fato, o show de Gaby Amarantos nessa terça, 10 de agosto, que contou com participações especiais de Fafá de Belém e Daniel Peixoto (da banda Montage) foi a primeira apresentação dela em São Paulo desde que sua carreira passou a ter maior destaque na mídia nacional. Isto atraiu para o SESC Pompeia um público (definido por Danilo Saraiva como "indies e moderninhos") diverso daquele que frequenta as festas de aparelhagem em Belém. Mas, como o próprio Saraiva bem observou, "...Gaby consegue dominar todo mundo de tal forma, que não há mais como distinguir o que é cafona do que é conceito. Gaby serve tanto para a Daslu como para a periferia. Em São Paulo, ela é o exemplo perfeito de multiculturalismo...". Leia a resenha completa de Danilo Saraiva, intitulada Beyoncé do Pará rasga calcinha e conquista moderninhos em SP, publicada ontem no Terra Música.

A própria Gaby comemorou ontem no Twitter o resultado do show:
  • Foi luxo, poder, glória e carnaval!
  • Sampa tremeu!
  • Muito bom ver o povo moderno tremer no frio de SP ao som de "Galera da Laje"!
  • Melhor de tudo foi ter atirado confetes coloridos no preconceito de quem achava que ia ver vexame, com a negona o buraco é mais embaixo
No próprio dia 10, a fotógrafa Adriana Spaca publicou 19 imagens que fez do show. Clique na imagem e abra o álbum completo no Flickr.

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Disco do Mês: Veludo Branco no Festival Quebramar


Neste documentário, que entrou no ar no canal do Coletivo Canoa Cultural no YouTube no dia 22 de julho, você acompanha a mais recente participação da banda Veludo Branco em festivais - mais exatamente o Festival Quebramar 2010, realizado em Macapá de 8 a 10 de julho. Podemos acompanhar a banda em vários momentos desde a saída de Boa Vista no avião (com direito a conexão em Brasília), passando por um giro de helicóptero sobre Macapá, entrevista de Mr. Gonzo falando do Fora do Eixo e das recentes viagens da banda, a hospedagem solidária na casa de Felipe da banda amapaense Profétika - e, claro, vários trechos do show de 10 de julho. (curiosidade: as imagens do show da Veludo que aparecem no vídeo foram filmados por mim - já é a segunda vez que isto acontece, a primeira foi em Porto Alegre em 17 de março.)

Mais? Sim: na abertura, vêem-se momentos das apresentações de várias das outras bandas que também tocaram no Quebramar, como The Baudelaires e Mini Box Lunar.

O primeiro CD da Veludo Branco, Veludo Branco Rock'n'Roll, tem o apoio do Som do Norte e é o nosso Disco do Mês de agosto. Você pode ouvi-lo na íntegra e baixá-lo no Música do Norte.





segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Festival Megafônica

Por Andro Baudelaire
Núcleo de Comunicação - Coletivo Megafônica

O Festival Megafônica está batendo na porta, e a tensão aumenta cada vez mais. O Coletivo Megafônica realizará em Belém nos dias 27 e 28 de agosto, nas casas de show Sarajevo e Açaí Biruta, dois dias de muita música e Rock, com várias atrações do Pará, do Brasil e ainda uma atração internacional direto da Argentina.

O festival acontecerá em conjunto com o Congresso Fora do Eixo Norte que será realizado na Sede do Sebrae. O coletivo anunciará todas datas logo logo.

Aqui estão então alguns dos nomes já confirmados no festival:


Black Drawing Chalks (GO) http://www.myspace.com/blackdrawingchalks

Proyecto Gomez (ARG) http://www.myspace.com/gomezproyecto

Tereza
(RJ) http://www.myspace.com/bandatereza

Brown-Há (DF) http://www.myspace.com/brownha

Destruídores de Tóquio (PA) www.myspace.com/destruidoresdetoquio

Johny Rockstar (PA) http://www.myspace.com/johnyrockstar

Postado originalmente no

***

Textos sobre as bandas que participam do Festival, publicados no blog do Coletivo Megafônica:

domingo, 8 de agosto de 2010

Foi Show: São João com Gonzagão

Por Fabio Gomes, jornalista cultural



Em abril, quando eu ainda residia em Porto Alegre, em função das chuvas torrenciais que caíram no Rio de Janeiro e em Niterói, e de ter lido reflexões do músico Ariel Andrade (da banda paraense The Baudelaires) no Twitter a respeito da consciência social que todos devemos ter frente a casos como este, eu decidi que dali em diante todos os eventos apoiados ou promovidos pelo Som do Norte deveriam ser solidários, ou seja, funcionarem como postos de arrecadação de alimentos, roupas, remédios etc. para serem doados a entidades assistenciais. O texto em que expus minha tomada de posição recebeu o título de Música Solidária: A Propósito de "Uma Noite para o Rio" (assim se chamaria o show beneficente que Ariel quis promover, mas que acabou não acontecendo por motivos alheios à vontade dele).

Ainda em abril, me lembrei que uma boa ocasião para fazer um evento solidário em Belém seria junho, pois já há varios anos, sempre nesse mês, Yuri Guedelha (foto à direita) promove um show em homenagem a Luiz Gonzaga. A minha dúvida era se neste ano o show iria acontecer na capital paraense, já que Yuri desde o início do ano se encontrava cursando o Doutorado em Educação Musical na Bahia. Conversei com Juliana Sinimbú, que topou a ideia de produzir o show comigo, se por acaso Yuri não voltasse a Belém a tempo de fazer o evento. Escrevi a Yuri, que considerou a ideia excelente e imediatamente me colocou em contato com a produtora de seus shows, sua esposa, a produtora Maria do Carmo Santos, e nestes e-mails trocados entre Porto Alegre, Salvador e Belém começamos a traçar a história do show deste ano. Foi Yuri que chamou minha atenção para o fato de que o homenageado, Luiz Gonzaga, se destacava por ser um homem solidário.

De fato, além de ser considerado a maior expressão musical já produzida pelo Nordeste, e responsável pela consagração nacional dos ritmos de sua região como o baião e o forró, o cantor e compositor pernambucano Luiz Gonzaga (1912-1989) sempre se preocupou em ajudar o próximo. Seu primeiro show no Nordeste, logo após a consagração nacional com "Baião", em 1946, foi para arrecadar dinheiro para a reforma do Hospital São Francisco, no Crato (CE). Já em 1984, mobilizou o país por oito meses para envio de dinheiro, medicamentos e alimentos para os flagelados da seca no Nordeste, além de pessoalmente dar o exemplo doando os cachês de todos seus shows neste período. E, para completar o simbolismo do evento, eu descobri que foi em Belém que Gonzaga fez em 1952 o show do encerramento de sua primeira turnê nacional, iniciada em... Porto Alegre. Nada é por acaso MESMO!

Entre a idealização e a concretização do show, aconteceu minha mudança para Belém, no dia 10 de junho. Logo retomei contato com Yuri e Maria do Carmo me colocando à disposição para ajudar no que pudesse. 

Assim como em 2009, neste ano o São João com Gonzagão foi realizado em duas noites. A primeira, 24 de junho, uma quinta, aconteceu no SESC Boulevard, com realização da Federação do Comércio do Estado do Pará, SESC e SENAC. O Grupo Sarau Brasil - Yuri Guedelha (voz, flauta e sax); Diego Leite (violão), Bruno Mendes (percussão e voz) e Marcelo Ramos (contrabaixo e cavaquinho) - teve como convidados Adriana Cavalcante, Gigi Furtado, Juliana Sinimbú, Léo Meneses, Nanna Reis, Roguesi e Samantha Allevato.

A edição solidária aconteceu na sexta, 25 de junho, no Teatro Gasômetro; o ingresso consistia na doação de dois quilos de alimento não-perecível, com doação destinada ao Abrigo João de Deus. A produção foi de Nívia RibeiroGeuliana Rupf, com apoio da Secretaria de Saúde, Som do Norte e Abelhuda. São deste dia as fotos que vemos em seguida.


Grupo Sarau Brasil


Nanna Reis brilhou na interpretação...


... de "O Xote das Meninas"


Yuri fez de tudo: cantou, tocou flauta e pandeiro, foi mestre de cerimônia...


Léo Meneses impressionou a todos...


... com o agudo final na interpretação de "Assum Preto"


Gigi Furtado nos divertiu...


... com sua versão de "Cintura Fina"


Adriana Cavalcante escolheu como figurino um vestido de noiva...


...para marcar sua apresentação de "A Vida do Viajante"


Gaby Amarantos foi, como de hábito, o grande destaque...


... ao cantar "Forró nº 1"


Banda, Adriana, Nanna, Aíla, Gaby e Léo se aprontam para o número final...


... "Asa Branca", que Yuri chamou de "2º Hino Nacional". A letra estava no telão...


... e também à frente das cantoras...


...para que todos cantassem junto, encerrando uma noite de alegria...


...e de solidariedade.

O momento com certeza mais belo do show foi justamente o que teve menos plateia. Foi quando, na tarde do sábado, dia 26, Yuri Guedelha foi ao Abrigo João de Deus...

entregar os mais de 80 quilos de alimentos arrecadados na véspera.