Aqui se fala do som dos estados do Norte do Brasil: Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins

quarta-feira, 16 de junho de 2010

Gaby Amarantos vai gravar "Pimenta com Sal"


Para mim, e muita gente que estava no Conexão Vivo Belém, o maior momento do festival foi quando Gaby Amarantos participou do show de Nina Becker no domingo, dia 13, cantando "Pimenta com Sal". O entrosamento no palco era tanto que não parecia que os músicos de Nina, que são a banda Do Amor, tinham aprendido a música na véspera (tinham). Com isto, Gaby se credenciou como o grande nome do evento, pois no sábado fez um show sensacional em sua volta aos palcos paraenses.

Foi isso que falei a Gaby após o show, e ela me disse que queria incluir essa música no próximo CD, mas não sabia quem é o autor de "Pimenta com Sal. Respondi que a música é do grande compositor Eliakin Rufino, meu amigo, e que eu intermediaria com ele o pedido de autorização para ela gravar. (Gaby inicia em agosto em São Paulo a gravação de novo CD com a Banda Tecnoshow, com produção de grandes nomes como Carlos Eduardo Miranda e Kassin. Em breve, publico a entrevista inédita e exclusiva em que ela me contou tudo sobre o disco.)

Na segunda, dia 14, escrevi a Eliakin às 11h39, e em menos de uma hora ele respondeu autorizando:

- Que notícia linda! Essa pimenta é boa! Vai ser um prazer ouvir essa pimenta na voz da Gaby.

A cantora Euterpe, que incluiu "Pimenta com Sal" no CD Batida Brasileira, nosso Disco do Mês de abril, comentou hoje comigo por e-mail:

- Fiquei super feliz de saber que a Gaby vai gravar "Pimenta com Sal". Gaby tá o maior sucesso e vai atrair as atenções para a música do norte.

Comunicado


Acredito que os caros amigos & leitores que podem estar estranhando a falta de atualizações do Som do Norte, afinal, nos primeiros 10 meses a média foi superior a 3 posts diários. Ocorre que resolvi aproveitar a vinda a Belém para participar do Conexão Vivo para permanecer mais algum tempo no Norte - fico aqui até 15 de julho.

Porém não consegui ainda colocar para funcionar 100% uma estação de trabalho semelhante à que eu vinha usando em Porto Alegre antes de viajar. Não há como, numa lan house, eu atualizar o blog com a qualidade a que vocês estão habituados. Minha prioridade é deixar tudo funcionando novamente o quanto antes.

Nestes primeiros dias no Pará, participei da programação paralela do Conexão e acompanhei todos os shows, além de já ter visto tocando (enfim!) nomes que venho destacando no blog The Baudelaires, Paris Rock, Olivar Barreto, Juliana Sinimbú, Arthur Nogueira e Felipe Cordeiro. Em breve, detalhes sobre tudo isto! Só não vou fixar uma data para a volta das atualizações porque isto não depende só de mim.

quarta-feira, 9 de junho de 2010

Diz Aí: Cidoca (Banda Frisson)


Por Ronaldo Campbell*

Cantor, compositor, instrumentista e produtor, Sidney Printes, o popular Cidoca, fala de Cultura regional no Pará e o trabalho da Banda Frisson, conhecido grupo musical da Região Norte do país. Nesta entrevista gravada em Oriximiná/PA, em 28 de março de 2010, Cidoca mostra seu amor pela arte. Movido pelos irmãos, o então professor de Educação Artística em Belém/PA começou a se interessar pela música em 1990, se tornando compositor e cantor. Após anos de estrada, Cidoca pode ser considerado um dos precursores do movimento musical Calipso no Brasil (esse gênero de música popular é originalmente proveniente do Caribe). Agora, ele e a banda voltam suas atenções para a internet, uma ferramenta que pode contribuir na divulgação nacional e internacional de seu trabalho.

RONALDO CAMPBELL: O que é sustentabilidade para você?

SIDNEY PRINTES, CIDOCA: A grosso modo, seria conseguirmos desenvolver um trabalho e continuar nele, sem uma dependência, conseguindo sobreviver através dele. Através desse trabalho conseguimos nos sustentar, sem ficar na dependência de terceiros.

RONALDO: Como você vê a Cultura no Baixo Amazonas?

CIDOCA: Eu vejo que é muito grande, vasta. Tem muita coisa rica. E, infelizmente, muita gente ainda não enxergou isso, apesar de termos melhorado. Veja, nós (o povo do Pará) temos um grupo folclórico que todo mundo que vem, assiste, acha lindo, fica fascinado. Porém, vamos ver uma apresentação desse grupo? Não dá. Porque não existe um apoio, não existe uma capacitação rigorosa, que enxergue os pontos fracos e os melhore. Então falta isso. É incrível a variedade. Costumo dizer que o pessoal daqui da região (Norte) é privilegiado, porque tem acesso à cultura do Sul e do Sudeste, através da mídia, e já conta com nossa riqueza. A nossa cultura não é retratada assim para fora. As pessoas não sabem o que temos aqui.

RONALDO: Fale um pouco do seu trabalho artístico...

CIDOCA: Bom, eu e a banda já nos apresentamos nos principais palcos de Macapá/AP, Belém/PA e Manaus/AM, chegando a realizar shows até no Oiapoque/AP. Com oito CDs e dois DVDs gravados em 15 anos de carreira, nós sabemos bem a dificuldade em se divulgar morando no interior e isso certamente dificultou um pouco a consolidação do nosso trabalho no cenário nacional. Mas, apesar de tudo, estamos aí tocando em bailes, festas, festivais, realizando muitos shows e sempre priorizando os ritmos populares que fazem sucesso por aqui como o Forró, o Brega e o Calipso.

RONALDO: O que você acha da internet e das novas propostas que surgem para difundir não só trabalhos musicais, mas artísticos em geral, como sites, blogs e portais especializados?

CIDOCA: Eu acredito que possa ser uma luz. Pois, tudo vai ficando muito difícil. Hoje vemos o exemplo da internet. Eu acredito nisso. Um vídeo na web só pelo fato de ser acessado quer dizer que alguém está vendo e pode se interessar. Inclusive, penso que é uma das poucas saídas que temos para divulgar o trabalho daqui. Eu acredito que uma hora alguém vai ver isso (o trabalho musical dos grupos na internet) e vai querer saber onde é isso, quem faz, qual o contato, etc. Todo mundo acessa a internet hoje. Vejo como uma solução, com grandes chances de dar certo. Inclusive, estamos planejando essa inserção na internet para a Banda Frisson.

* Ronaldo Campbell, jornalista, gestor e especialista em projetos culturais e mecanismos de incentivo, de Ouro Preto, Minas Gerais, foi meu último aluno no Curso à distância de Jornalismo Cultural, que ministrei via internet entre janeiro e maio deste ano. Como trabalho final do curso, apresentou esta entrevista com Cidoca, que já havia feito, e que além de lhe valer a aprovação no curso resultou também no convite para a publicação no blog Som do Norte. (Fabio Gomes)

Agenda Macapá: Começa nesta quarta Festival Junino no Sambódromo


Por Mariléia Maciel

Inicia amanhã, 9 de junho, o Festival Junino do Pólo Macapá, organizado pela FEFAP (Federação das Entidades Folclóricas do Amapá) com apoio do Governo do Estado e Prefeitura de Macapá. O concurso é eliminatório e além da capital é realizado também nos pólos Amapá, Santana, Jari e no sub-pólo Bailique, quando os jurados escolhem escolhidos os grupos que disputarão o Festival Estadual. Neste último fim de semana foi realizado no Bailique, das quatro participantes, foram eleitas as duas melhores para o Estadual.

A quadra junina amapaense é considerada a maior da Região Norte. São 104 grupos que participam em todo o Estado, unindo mais de 1.400 participantes, incluindo coordenação e dançarinos. A presidente Daiana Ronieli fala que a grandeza do evento não se resume a quantidade de dançarinos. “É uma festa muito grande que une jovens, potencializa seus talentos, dá oportunidade de emprego para muitas pessoas como costureiras, coreógrafos, marcadores, historiadores e o resultado é a apresentação criativa e luxuosa dos grupos que deixam o mês de junho mais colorido”, diz a presidente.


O Concurso do Pólo Macapá acontece nos dias 9, 10 e 11 de junho e é disputado entre 39 grupos divididos em três chaves, 13 por noite. O dia 12 o concurso é em Amapá, onde disputam grupos de Tartarugalzinho, Porto Grande, Calçoene e Amapá. O pólo Santana elege as melhores no dia 18 e no dia 20 a festa é do pólo Jari que escolhe grupos de Laranjal e Vitória do Jari. As quadrilhas com melhor pontuação disputam o Estadual do dia 25 a 28 de junho, no Arraiá do Meio do Mundo, no Parque de Exposições de Fazendinha.

As eleitas irão para a final estadual nos dias 30 de junho e 1º de julho. Uma das inovações este ano é o concurso de quadrilhas tradicionais, que será também no Parque de exposições no dia 29 de junho. A entrega da premiação será dia 2 de julho com a banda Solteirões do Forró. As apresentações do Festival Municipal iniciam às 19h e o ingresso custa R$ 3.

Clique aqui para ver em pdf a programação com os grupos divididos por chaves. Imprima e leve pro Sambódromo com você!

Obs: as fotos são do festival de 2009

terça-feira, 8 de junho de 2010

Comunidade do Curiaú festeja Santo Antônio


Por Mariléia Maciel

Iniciou nesta segunda-feira, 7, a Festa em homenagem à Santo Antônio, na comunidade de Curiaú de Baixo, no Quilombo do Curiaú,em Macapá. Festejado no dia 13, o santo conhecido como casamenteiro leva para a comunidade centenas de fiéis para os sete dias de festejos que incluem ladainhas, almoços, batuques, alvorada de fogos e bailes, numa grande mobilização dos descendentes dos primeiros moradores do quilombo.

A festa iniciou em junho de 1944 por iniciativa da família Silva e até hoje é coordenada com a ajuda de toda a comunidade do quilombo que se mobiliza para receber os convidados, visitantes, fazer homenagens e pagar promessas. Deusa Silva, filha dos já falecidos Maria Agda Silva e Joaquim José de Oliveira, que iniciaram os festejos, preside a comissão de organização.Ela explica que a festa é importante por manter viva a tradição folclórica da comunidade.

Desde ontem estão acontecendo as ladainhas que seguem até dia 10, sempre às 19h. No dia 11 inicia a programação festiva às 12h com o almoço, jantar às 19h seguido da última ladainha e encerra com o batuque até a aurora do dia 12, quando às 6h os batuqueiros saem pelas casas da vila levando a tradição em cada porta.

Após a visita dos batuqueiros, começa o baile dançante. Ao meio-dia, ainda do dia 12, é servido o almoço e às 19:00 o jantar e logo após o baile. O dia de Santo Antônio, 13, começa com a festiva alvorada de fogos, às 06h. Ao meio-dia é servido o almoço e após a refeição começa o último baile até as primeiras horas da madrugada. Toda a programação acontece no Centro Comunitário de Curiaú de Baixo.




segunda-feira, 7 de junho de 2010

Começa hoje 4ª edição do Observatório Fora do Eixo

Observatório Fora do Eixo Musical promoverá debate
sobre movimentos de vanguarda de ontem e hoje


Na oportunidade, as heranças deixadas por movimentos como o Modernismo e a Tropicália nos movimentos culturais atuais estarão em destaque. Para debater o tema, um time de peso foi escalado para compor a mesa de debates, que terão duração de três dias.

A próxima edição do Observatório Fora do Eixo vem com um objetivo especial - debater dois dos maiores movimentos da cultura brasileira e suas influências na cultura independente hoje: A Tropicália e o Modernismo. A ação acontece de 07 a 09 de junho e é capitaneada pelo Circuito Fora do Eixo que, através da internet, cria um ambiente de alcance nacional para debates acerca de temas diversos. Esta obra foi selecionada pela "Bolsa Funarte de Produção Crítica sobre Conteúdos Artísticos em Mídias Digitais/ Internet”.

Eles são os dois movimentos culturais que propuseram maiores rupturas culturais no Brasil e agora o CFE procura debater influências herdadas pela produção cultural independente. O primeiro (que pode ser chamado ainda de Tropicalismo) foi responsável pela mistura de vertentes tradicionais da cultura com variadas inovações estéticas, influenciados por correntes artísticas de vanguarda e cultura pop. O Modernismo é como é caracterizado os trabalhos artísticos do início do século XX, permeando manifestações amplas da arte (arquitetura, design, música, teatro), deixando as tradicionais como artes plásticas e literatura , em busca de uma 'nova cultura'.

Usando a internet como base de seus trabalhos e na conexão com outros coletivos, esse observatório tem como objetivo orientar a estruturação dos coletivos, implementando uma moeda, coletando trabalhos desenvolvidos pelo Circuito, estimulando a troca de tecnologias sociais e promovendo mais uma frente gestora na rede.

Agenda 

A 4° edição do Observatório acontece nos dias 07, 08 e 09 de junho na sala do Observatório Fora do Eixo a partir das 20h e sua metodologia é um pouco diferente das edições anteriores, mantendo o grupo de trabalho sobre cada subtema.

Mediado pelo jornalista Alex Antunes junto a outros membros do CFE, os grupos de discussão receberão convidados com duração de quase uma hora de exposição. Os mediadores receberão as perguntas dos internautas via freenode e twitter do CFE e repassarão aos convidados, estimulando assim a interação entre debatedores e público. Todo esse debate será transmitido ao vivo pela Web Rádio Fora do Eixo.

A programação oficial será lançada nesta semana, fiquem atento ao twitter do @foradoeixo e ao blog oficial: http://wwww.foradoeixo.org.br/observatorio-fora-do-eixo

Campanha Em busca do Elo Perdido

Outra ação que será realizada na edição intitulada 'Observatório Fora do Eixo Musical' é a campanha "Em busca do elo perdido" que levantará artigos e textos referentes ao tema. A promoção será lançada nesta semana, e os selecionados receberão prêmios que os permitirão participar do III Congresso Fora do Eixo, que será realizado em outubro deste ano. Além disso, os artigos inscritos darão origem a um ensaio crítico sobre o tema, que será divulgado em versão E-Book ao final do projeto.

Circuito Fora do Eixo

O Observatório é mais uma inciativa da rede colaborativa Circuito Fora do Eixo, que é pautada pelos princípios da Economia Solidária e tecnologias livres, formada por produtores culturais e artistas espalhados por todo o País. Fundada em 2005, a rede conta hoje com 46 pontos Fora do Eixo em todo o Brasil, distribuídos por 23 estados do país. Esses pontos de produção administram 46 veículos de comunicação independente e realizam colaborativamente mais de 1 mil eventos por ano.


PROGRAMAÇÃO


07/06 – segunda-feira - 20h

‘Cunhas utópicas na realidade’
Debatedores: Claudio Prado e José Celso Martinez
Mediador: Alex Antunes

08/06 – terça-feira – 20h
‘Perspectiva Musical’
Debatedores: Jorge Mautner, Jards Macalé e José Flávio Jr.
Mediador: Alex Antunes

09/06 – quarta-feira – 20h
‘Da Tropicália a Cultura Digital’
Debatedores: José Miguel Wisnik e Rodrigo Savazoni
Mediador: Alex Antunes

SERVIÇO

O que: Observatório Fora do Eixo
Quando: 07 a 09 de Junho
Onde: Online - www.observatorioforadoeixo.wordpress.com
Mais informações: negociosaocubo@gmail.com, cubocard@gmail.com

Publicado originalmente no blog do Coletivo Palafita


É Show: Brasilidade - Nanna Reis

Foto: Felipe Accioli

No dia 20 de maio, a cantora paraense Nanna Reis, 19 anos, realizou seu primeiro show solo, Brasilidade, no Teatro Margarida Schivasappa, em Belém. É este show que você passa a ouvir daqui a pouco, direto da nossa caixinha cantante.

Natural de Belém, Nanna começou seus estudos musicais aos 8 anos, no Conservatório Carlos Gomes. Aos 13 anos foi estudar Técnica Vocal voltada para o Canto Popular, na Escola de Música da Universidade Federal do Pará (EMUFPA). Participa de festivais, dentro e fora do estado, desde os 16 anos. Em junho de 2007, fez, ao lado do pai, Alfredo Reis, seu primeiro show oficial - Reflexo. Em setembro de 2009, foi uma das convidadas para o show de lançamento do DVD Billy Blanco, o Compositor, no Teatro Maria Sylvia Nunes. Atualmente, cursa o Técnico em Canto Lírico, no Conservatório Carlos Gomes, e Licenciatura Plena em Música na Universidade Federal do Pará (UFPA).

Como vocês sabem, esta é a primeira vez que um show completo é publicado no blog, em forma de caixinha cantante. O que vamos ouvir é o que foi gravado direto no dia do espetáculo, sem aplicação de efeitos posteriores, salvo o corte de falas, a normalização do volume etc, mas nada que alterasse em essência o que foi captado. Ao concordar com a publicação, Nanna fez questão de escrever um recado...

Aos ouvintes da Caixinha Cantante do Som do Norte.

Primeiramente, tô tirando a sandália e pedindo licença pra entrar (rsrs).

Eu sou Nanna Reis, cantora paraense, e este show Brasilidade foi gravado ao vivo no Teatro Margarida Schivasappa aqui em Belém, e foi o meu primeiro show solo. Com direção musical do maestro Tynnôko Costa, foi um passeio pela música brasileira, onde tentei deixar um pouco da identidade musical de cada região, dando ênfase maior pra nossa onda regional, mas saindo um pouco daquela história do "açaí com tapioca", misturando com influências latinas e afro-brasileiras, porque afinal a nossa musicalidade é uma mistura de tantos povos distintos, e tantas culturas diferentes que se fundem formando a nossa música brasileira. Então tem um pouco de tudo, foi do samba e choro ao lundu e carimbó. Doei-me de todo jeito a esse projeto desde a fase de escolha do repertório, a escolha de arranjos das músicas e tudo mais. Foi uma responsabilidade muito grande, e um desafio mostrar minha musicalidade e me lançar com tanta vontade.

Tivemos os problemas técnicos a que todo show ao vivo, sem tantos recursos assim, pode se submeter (rsrs) e até por isso fiquei um tanto receosa com o convite do Fabio, por que enfim, podia não passar no “controle de qualidade” do blog e tal, mas acho que é uma boa as pessoas me conhecerem musicalmente na mais pura expressão, com uma verdade na voz, sem muitos enfeites e “mágicas” que as gravações em estúdio nos proporcionam. Uma parte das músicas do show é inédita, de compositores locais, que provavelmente estarão no meu primeiro disco, dessa vez sem mais problemas técnicos (hehe).

Então é isso meus queridos, espero que vocês gostem! Escutem, baixem "A Tentação", que disponibilizei pra download, e mandem as suas opiniões, suas críticas, sugestões, que estou aqui para atendê-los. Até a próxima! Beijos gigantes!

Nanna Reis
***

As inéditas do show são: "Brasilidade", "À Flor da Pele", "Saga Marajoara", "A Tentação", "Curimbó - O Baque Certeiro dos Mestres" e "Toda Manhã". A rigor, o grande problema técnico que se vai notar é uma microfonia em "Brasilidade".




Som do Norte

Gostou da nossa caixinha cantante?
Então copie o código e leve-a para cantar em seu site ou blog!


1 - Chovendo na Roseira (Tom Jobim)
2 - Igapó (Sebastião Tapajós) adaptação do "Estudo nº 1 para Violão" (Heitor Villa-Lobos)
3 - Brasilidade (Alfredo Reis)
4 - À Flor da Pele (Alfredo Reis)
5 - Saga Marajoara (Alfredo Reis)
6 - Paragens do Meu Canto (Alfredo Reis) canta Alfredo Reis
7 - Místico Solar (Alfredo Reis) canta Alfredo Reis
8 - A Tentação (Alfredo Reis) Baixe a música
9 - Tunuka (Mayra Andrade)
10 - Falando de Amor (Tom Jobim) part. Charme do Choro com Diego Xavier (cavaquinho)
11 - Iluminada (Roberto Mendes - Jorge Portugal)
12 - Acalanto (Tereza Cristina)
13- Rosebud - O Verbo e a Verba (Lenine - Lula Queiroga) part. Adriano Cruz
14 - Tambor de Couro (Ronaldo Silva)
15 - Curimbó - O Baque Certeiro dos Mestres (Ziza Padilha)
16 - Toda Manhã (Alfredo Reis)
17 - Nega (Antônio Carlos Maranhão - Alfredo Reis)

Oportunidade Brasil: 4º TOME


O 4º TOME - Tocantins Música Expressa - está com inscrições abertas até o dia 23 de julho para bandas de outros Estados.

O festival é aberto aos mais diversos estilos musicais e acontece no Tendencies Rock, em Palmas, de 16 a 18 de setembro. 

O material (release, fotos, indicação de páginas onde ouvir a banda) deve ser enviado para o e-mail tendenciesrock@gmail.com  

domingo, 6 de junho de 2010

Debate Brasil: Publicação de Projetos Culturais em Fase de Captação via Lei de Incentivo


Ontem eu conversava com uma artista do Norte quando me dei conta de há uma lacuna na cobertura que é feita na área cultural: os veículos divulgam abertura de editais para inscrição de projetos culturais em leis de incentivo, posteriormente anunciam os contemplados para iniciar captação de recursos, e estes projetos só voltam a ser noticiados muito tempo depois, quando tiverem sido concluídos - o que só vai acontecer se de fato captarem os recursos que precisavam. A lacuna se dá justamente na fase da captação: não existe um espaço onde artistas, bandas e produtores culturais possam divulgar os projetos que têm aprovados em leis de incentivo à cultura (ou, se existir, eu desconheço).

Pessoalmente, acredito que um espaço como este aumentaria as possibilidades das diversas iniciativas obterem o patrocínio que buscam. Bem, mas esta é a minha opinião. Quero saber a sua. Pergunto, então:
  • Você - artista ou produtor cultural - considera importante publicar seus projetos que estão em fase de captação de recursos? Acredita que aumentar a visibilidade do projeto facilitaria a obtenção dos patrocínios?
O espaço para debate é este post, que ficará em destaque no blog até a noite do domingo, 6 de junho. Utilize o campo de comentário. Peço que comece o comentário com "Sim" ou "Não", para facilitar o acompanhamento por todos. Relatos de casos são bem-vindos. Informe se você conhece algum site ou blog onde a referida publicação já ocorra. Ofensas pessoais ou mensagens de cunho político-partidário serão apagadas.

Na hipótese da maioria dos debatedores optar pelo "Sim", comprometo-me a criar dois espaços para a publicação proposta - um, aqui no blog, apenas para projetos da região Norte, e outro, no site www.jornalismocultural.com.br, para iniciativas do Brasil todo.

Fabio Gomes - 31.05.10

AM&T destaque na revista Áudio Música & Tecnologia

Recebi no sábado e-mail de Kim Azevedo, comemorando a matéria que a revista Áudio Música & Tecnologia fez em seu nº 225, de junho de 2010, com Academia de Música & Tecnologia e o AM&T Vinttage Studio. Não é toda hora que um estúdio de Belém, ou mesmo fora da região Sudeste, é tema de uma revista como a Áudio Música & Tecnologia, publicada no Rio de Janeiro pela Musitec e a única do gênero no país, destinada aos profissionais de áudio e afins. Na mensagem, Kim agradece aos editores da revista - Mônica e Allan - e diz ainda:

- Eu realmente não sei o que falar, apenas que isto é o resultado do trabalho honesto e sincero que fazemos aqui na AM&T, é a recompensa por aquilo que procuramos fazer de melhor. Um agradecimento super especial ao nosso super engenheiro de áudio IVAN JANGOUX, sem ele as produções do Vinttage Studio não teriam o brilho que tem. 

A revista deve estar nas bancas de todo o país nos próximos dias. Nossos parabéns ao Kim, Ivan e toda a equipe da AM&T, e dizer que nós do Som do Norte ficamos felizes em que este destaque coincida com o mês em que lançamos o EP à Sua Maneira, da Aíla - a faixa-título do nosso Disco do Mês foi gravada na AM&T em maio de 2009.


Oportunidades Brasil: Tangolomango 2010 – Festival da Diversidade Cultural


Estão abertas até 12 de junho as inscrições para o Tangolomango 2010 – Festival da Diversidade Cultural, iniciativa que reúne grupos populares brasileiros e internacionais, para participar de intercâmbios que resultam em uma apresentação única de música, dança e circo, promovendo a diversidade cultural e a preservação, a integração, a renovação e a recombinação dessa diversidade. É focado na generosidade intelectual e na produção compartilhada e propõe uma metodologia de trabalho em que o resultado das dinâmicas de trocas é apresentado no final, quando todos os grupos selecionados criam um espetáculo integrado. Em sua nona edição, o festival acontece em Fortaleza, no mês de agosto, em data a confirmar. 

Em 2009, foram selecionados para o festival, realizado no Rio de Janeiro, os grupos Grial de Dança (foto), de Recife, Cultural Pé de Cerrado e Irmãos Saúde, do Distrito Federal, Paideguará, de Belém, e Banda Caixa Preta, do Rio de Janeiro, além dos argentinos Circo Social Del Sur, de Buenos Aires, e dos venezuelanos Tambores de Barlovento – Elleguá, de Caracas.

Podem participar pessoas jurídicas, não-governamentais e sem fins lucrativos, religiosos ou políticos, com projetos que sejam inovadores, promovam o fortalecimento da identidade e da diversidade sócio-cultural de crianças e jovens, gerem impactos sociais e culturais mensuráveis na comunidade em que atuam, e estejam trabalhando na perspectiva da produção colaborativa ou manifestem desejo de trocar experiências.
 
A ficha de inscrição, juntamente com toda a documentação obrigatória, deverá ser enviada pelos Correios para o seguinte endereço: INSCRIÇÕES TANGOLOMANGO 2010, RUA CONDE LAGES, 44, SALA 307 – GLÓRIA. CEP: 20241-040 – RIO DE JANEIRO – RJ.
 
Mais informações poderão ser obtidas no site www.tangolomango.com.br e pelo e-mail contato@tangolomango.com.br

sábado, 5 de junho de 2010

Agenda Macapá: Encerramento do Ciclo do Marabaixo


Por Mariléia Maciel

Após dois meses de festejos encerra neste final de semana o Ciclo do Marabaixo 2010 com a derrubada dos mastros da Santíssima Trindade e Divino Espírito Santo e a escolha dos festeiros de 2011. No bairro Laguinho, o Ciclo iniciou no Domingo de Páscoa com o Marabaixo da Ressurreição e seguiu com o corte dos mastros nas matas do quilombo Curiaú, missas, novenas, rodadas de marabaixo até o amanhecer e levantamento dos mastros enfeitados com ramos ao raiar do dia.


A festa centenária é realizada dentro da tradição e este ano a Associação Folclórica Raimundo Ladislau comemora duas conquistas, conseguiu resgatar o respeito da Igreja Católica reatando os laços com a coordenação da paróquia São Benedito após um mal entendido em 2009 que impediu que as imagens fossem colocadas no altar, e ainda a união dos quatro grupos que realizam o Ciclo na capital. 

- Conseguimos nos unir e isso é muito importante para que a nossa cultura não fique somente nos livros, somos todos parentes dos negros antigos que lutaram contra muitos preconceitos para manter viva essa tradição - fala Danniela, presidente da Associação e bisneta de Mestre Julião Ramos, um dos primeiros moradores do Laguinho.  


No domingo, chamado na tradição de Domingo do Senhor, às 17h começa a festa com rodadas de marabaixo na Casa da Tia Biló com toques de caixas, fogos e distribuição de caldo e gengibirra. Como manda a tradição, às 18h os mastros são derrubados a som dos “ladrões” e caixas de marabaixo. O festeiro do próximo ano é quem pega uma das bandeiras que ficam no alto dos mastros. A festa termina à meia-noite. A casa da Tia Biló fica na rua General Rondon, entre Mãe Luzia e Nações Unidas.


As fotos são de momentos do Ciclo de 2010.


Na Rede: Sob o Signo da Delicadeza

Quinta-feira, 03/06/2010, 08h09

ENTREVISTA
Sob o signo da delicadeza
Cantora paraense Aíla brinda os fãs com EP virtual

por Sidney Filho, colaborador da Ecleteca
edição: Amanda Aguiar

Em apenas dois anos, a cantora paraense Aíla se tornou uma das grandes revelações da música do Pará. Nesse pouco tempo, ela já venceu várias etapas para o desenvolvimento da carreira, como por exemplo: em janeiro de 2009, o show ‘Intimidade’, em que dividia com Juliana Sinimbú e a banda Clepsidra o palco do Teatro Margarida Schivasappa, foi escolhido para abrir a programação cultural do Fórum Social Mundial. O show repetiu o sucesso ao ser reapresentado no mesmo local três meses depois.

Roberta CarvalhoA parceria com Juliana rendeu ainda uma apresentação na 13ª Feira Pan-Amazônica do Livro (Hangar, outubro de 2009) e uma longa temporada (de outubro de 2009 a fevereiro de 2010), no bar Relicário, do show ‘Fuxico de Madame’, que contou com várias participações especiais, como as de Arthur Nogueira, Gigi Furtado, Renan Pinheiro e a banda Tio Nelson.  O principal palco de Aíla têm sido os bares da noite de Belém – e não são poucos. Nestas apresentações, acompanham Aíla excelentes instrumentistas, a exemplo de Felipe Cordeiro, Márcio Jardim, Renato Torres, Arthur Kunz, Adelbert Carneiro e Minni Paulo Trio, marcando o nome com um talento inquestionável.  

Para sedimentar um pouco mais esta fase importante, os fãs da cantora poderão ouvir seu novo EP, ‘À Sua Maneira’, no blog Som do Norte, do jornalista Fábio Gomes, gaúcho e divulgador inquestionável da música daqui. Esse momento especial acontece nesta quinta-feira (3).

Para celebrar esse momento, Aíla conversou com a Ecleteca sobre a carreira, os planos para o futuro e relembrou as tardes musicais em família que a levaram aos palcos. Para conhecer mais sobre o trabalho de Aíla é só clicar aqui.

Quando e como começou o teu interesse pela música?

Esse interesse musical começou muito cedo. Lembro que minha mãe, que sempre foi uma amante de música brasileira, toda tarde separava uns vinis de sua vasta coleção e colocava para escutarmos. Passávamos a tarde toda ouvindo Rita Lee, Gal, Elis, Fafá, Caetano, Roberto, Wanderléia, Fagner, dentre tantos outros que eram seus ídolos. Todas essas tardes, de alguma forma, fomentaram minha paixão pela música. Meu avô Alexandre Magalhães também foi um grande motivador de tudo isso, ele era compositor e violonista autodidata, excelente violonista por sinal, e eu, indiretamente incentivada pelo talento dele e pelas influências musicais da minha mãe, com 11 anos iniciei meus estudos de musicalização na Escola de Música da UFPA (SAM), e lá permaneci por um ano e meio.

Parceria com Arthur Nogueira: sintonia

E quais são as tuas principais influências?

Bem, como citei anteriormente, convivi com as influências musicais da minha mãe desde pequena. Contudo, com o decorrer do tempo, naturalmente, comecei a ter contato com a obra de outros artistas também, de variadas cenas musicais, como Vinicius, Tom, Nara, Maria Bethânia, Gil, Benjor... outros mais recentes também, como Adriana Calcanhotto, Marina Lima, Maria Rita, Ceumar e Zeca Baleiro, além de músicos que fazem parte do meu meio de convívio, e que são fortes influências pro trabalho que realizo hoje, como Eliakin Rufino, Joãozinho Gomes, Dona Onete, Pinduca, Felipe Cordeiro, La Pupuña, dentre tantos outros...

Como você analisa o universo de possibilidades de divulgação do teu trabalho, através da internet?

Acredito que hoje a internet é a principal fonte de divulgação do meu trabalho, através, essencialmente, dos blogs, MySpace, Orkut, YouTube, que desde o início sempre foram de extrema importância para a interação com outros artistas e também a via mais rápida de contato com o público. Nesta quinta (3) acontece o lançamento do meu primeiro EP virtual, ‘À Sua Maneira’, pelo blog Som do Norte. Escolhemos que seja virtual porque é uma forma de conseguirmos atingir um número de pessoas consideravelmente maior do que se fosse um disco físico. E assim, acabamos nos adequando à tendência do mercado, que está cada vez mais voltada a essa nova maneira de distribuição, através de downloads.


Rodolfo Braga

 Aíla e Juliana Sinimbú: amizade que extrapola os palcos

Quais são os teus próximos projetos?

Nesse exato momento, o foco encontra-se no projeto do meu primeiro CD, ‘Vamos!”. Estamos na fase de pré-produção, iniciando o processo: concebendo a estética, fechando o repertório, encontrando a sonoridade, elaborando os arranjos, encontrando as timbragens dos instrumentos, e inúmeras outras tarefas que envolvem uma gravação de CD. Quando o CD estiver finalizado, terá início à fase mais trabalhosa, em que outros projetos virão para realizar nosso intuito de levar o trabalho para as mais diversas regiões do país - e para fora dele também, quem sabe? Sidney, agradeço a oportunidade de falar com você e com os leitores da Ecleteca e, para finalizar, quero informar em primeira mão que farei em agosto, no Teatro Margarida Schivasappa, um show com a prévia do CD.

* Publicado originalmente na Ecleteca em 03.06.10
  • Esta entrevista foi republicada por Sidney Filho hoje em seu blog Ver-o-Pop, com uma foto inédita e exclusiva de Aíla em ensaio de Aryanne Almeida, o clipe "À Sua Maneira" (2009) e a caixinha cantante do EP À Sua Maneira - a primeira vez que alguém atende ao convite que sempre fazemos: "Gostou da nossa caixinha cantante? Então copie o código e leve-a para cantar em seu site ou blog!" Obrigado, Sidney!

sexta-feira, 4 de junho de 2010

Post nº 1000: Dez meses do Som do Norte


Neste dia 3 de junho, o blog Som do Norte completou 10 meses de atualizações diárias, o que coincidiu com este post nº 1000, e também com uma série de notícias muito boas, que passo a dividir com vocês.

As boas notícias, felizmente, foram várias desde o final de maio. Vou dar uma atualizada nelas aqui. Pra começar, devo dizer que, de uns tempos para cá, tenho evitado postagens da seção "Nós na Rede", afinal mesmo que eu curta muito e até me emocione (sério!) com as diversas referências ao blog pela internet afora, elas tem sido tantas (felizmente) que blogar todas aqui iria no mínimo cansar vocês, além de perigar eu incorrer no auto-elogio. Mas enfim... tudo indica que o blog está consolidado como um legítimo veículo da produção musical nortista, sendo respeitado pelos artistas e pelo público - o que só quem faz sabe o quanto é difícil atingir, e também é uma imensa alegria, com toda a certeza!


Tive a agradável surpresa de, em dois dias consecutivos, ver o blog do Coletivo Megafônica reproduzir dois posts meus - The Baudelaires divulgam capa e contra-capa do CD School Days e - Sobre os 2 anos de Megafônica (este, originalmente publicado como "Foi Show: Show dos 2 Anos da Megafônica"). Ambos absolutamente pessoais, a meu ver, e segundo as regras do "jornalismo clássico", só interessantes para "a massa" se eu não "me colocasse" tanto no texto. No primeiro, lembrei o período em que vendi LPs nos anos 80, para justificar porque valorizo contra-capa; no segundo, simplesmente fiz uma resenha a partir do que consegui ouvir da transmissão da web rádio Independentes do Brasil. A publicação no blog do Megafônica - lembrem, o próprio coletivo que produziu a festa - indica que todas as pessoas que estavam lá, no local, consideravam no mínimo válido o depoimento de alguém que contou o que ouviu a 3.850 km de distância. E a marca pessoal estava muito mais presente neste - ao publicar o texto, a Megafônica não mexeu em nada, nem em termos que me são muito próprios ("madruga" por "madrugada"), nem nos comentários sobre os problemas técnicos na transmissão IdB.

O próprio Raul Bentes, da IdB, quando veio falar comigo dias depois no MSN, não foi para se queixar da observação. Comentou, claro, a respeito, não quis de forma alguma que eu alterasse o texto - e me fez, na sequência, dois convites. O primeiro, para gravar comigo uma entrevista via Skype para o programa em que ele trabalha na TV Cultura de Belém; o segundo, para ter um programa Som do Norte no IdB!

Ambos os convites muito honrosos, claro, mas que não pude aceitar de imediato: o primeiro, por não ter webcam; o segundo, por não querer que um novo programa meu sobre música nortista para web rádio siga a mesma toada do que fiz em 2009. Enquanto não chego ao formato ideal, combinamos que eu redija um quadro "Som do Norte" dentro do programa Independentes do Brasil, que vai ao ar aos sábados a partir das 18h no http://www.independentesdobrasil.com. Agradeço ao Raul ainda a abertura para indicar o som nortista que eu quiser, sem necessariamente ser rock, que é a marca do IdB. "O espaço é teu", me disse, tendo uma atitude louvável, por ser rara (quem é do meio sabe). Ele disse que pode rolar MPB, sem problemas.


Assim, programei para a estreia, neste sábado, dia 5, o single que Juliana Sinimbú gravou com Pio Lobato dentro do projeto Massa Grossa, uma regravação para "Quando o Samba Acabou", de Noel Rosa - single lançado pelo Som do Norte em 28 de maio e que até este minuto que escrevo conta 897 execuções no Goear. No dia 29, Renato Torres autorizou que eu colocasse para download o single anterior de Juliana, "Bem Musical", que ela gravou para lançamento no meu site Brasileirinho, isso no final de 2008, quando eu nem sonhava com este blog... mas pelo visto ele já estava em gestação!).

Outra grande alegria foi a feliz coincidência do convite do jornalista Sidney Filho a Aíla para uma entrevista, justamente às vésperas de sair seu EP À Sua Maneira, o primeiro disco virtual que o blog lança. Ficou acertada uma ação coordenada, na qual neste dia 3 foi publicada na Ecleteca a entrevista com Aíla comentando o EP, simultaneamente à entrada no ar da caixinha cantante no Música do Norte.


Neste mesmo dia 3, no Estúdio Parixara, em Boa Vista, a banda AltF4 deu início à gravação de seu novo single, "Lembranças de um Dia", de Jubah, que na enquete que realizamos em dezembro foi eleita como a Música do Ano (2009) da região Norte.

Fechando este texto, mais duas alegrias: a primeira, é que na quarta foi confirmada minha ida a Belém para ministrar dentro da programação do Conexão Vivo, no próximo dia 11, o workshop Jornalismo Cultural 2.0 - Blog Som do Norte, em que a proposta é "dividir com os participantes a experiência de fazer, no Sul do país (mais especificamente em Porto Alegre), um blog voltado à veiculação da movimentação musical dos sete Estados do Norte". É a segunda vez que vou à capital do Pará, pelo mesmo motivo - em agosto de 2005, ministrei no Colégio Ideal o módulo de Jornalismo Cultural do MBA em Gerência de Jornalismo do programa FGV Management. A segunda alegria é o convite para que eu tenha uma coluna fixa "Som do Norte" na revista Intera, que deve ser lançada pela Paranoise, de Manaus, na 2ª quinzena de junho - na minha estreia, a pedido dos editores, falo da banda Veludo Branco. Será a primeira vez, desde que o blog é blog, que uma "ação Som do Norte" será feita fora do âmbito da internet.

quinta-feira, 3 de junho de 2010

Disco do Mês: Aíla À Sua Maneira


O Som do Norte orgulhosamente apresenta como seu Disco do Mês de junho a estreia fonográfica de Aíla, lançando seu EP virtual À Sua Maneira, que representa um verdadeiro balanço nos dois primeiros anos de carreira da cantora, ao reunir quatro gravações de músicas que ela interpretou em festivais paraenses.

Todas são de autoria de Felipe Cordeiro. Três já são conhecidas do público, por terem sido veiculadas no MySpace de Aíla ou aqui no Som do Norte: "Vamos" "À Sua Maneira" e “Tambor de Luz”; uma é inédita: "Cinema Tupiniquim", com o qual ela concorreu no Festival da Canção de Marabá.

Inéditos também são alguns aspectos que envolvem o lançamento do EP em si: pela primeira vez o Som do Norte apresenta ao público como seu Disco do Mês um EP - os seis anteriores eram todos CDs - e, melhor ainda, lança um disco exclusivo, pois estas quatro músicas, reunidas, nunca saíram antes em nenhum outro lugar. Além disso, como já destacamos no Música do Norte, embora todas estas canções estejam cotadas para fazer parte do CD Vamos!, que Aíla começa a gravar em agosto, não vão utilizar nenhum destes fonogramas - Aíla e o diretor musical do disco, Felipe Cordeiro, fazem questão de dedicar inteiramente o CD à nova sonoridade que começou a ser nascer nos dois pocket shows realizados em maio.

O EP virtual À Sua Maneira tem produção de Fabio Gomes e capa com arte de Roberta Carvalho sobre foto de Aryanne Almeida e é um lançamento Som do Norte com apoio da RKE Design e Comunicação Multimídia. Participaram das gravações, todas realizadas em 2009, os músicos Felipe Cordeiro e Manoel Cordeiro (violão), Renato Torres (guitarra), Adelbert Carneiro (baixo), Márcio Jardim (percussão) e Arthur Kunz (bateria).

Ouça agora À Sua Maneira em nossa caixinha cantante!

Aíla por Aryanne Almeida

Agenda Belém: Aíla


Aíla (à esquerda, em foto de Aryanne Almeida) faz, nesta sexta, dia 4, seu primeiro show após o lançamento do EP À Sua Maneira pelo blog Som do Norte. É a partir das 19h, no palco permanente da Praça Ver-o-Rio, abrindo a programação da última semana do projeto O Som da Maré, uma realização da MM Produções. Acompanha a cantora ao violão Felipe Cordeiro, diretor musical do seu primeiro CD, Vamos!, em fase de pré-produção. Juntos, eles irão interpretar músicas que farão parte do CD e também presentes no EP recém-lançado, como "Cinema Tupiniquim" e a própria "Vamos", além de outras canções de seu repertório habitual na noite belenense.

Dali, Aíla e Felipe seguem para o Galpão 2 da Estação das Docas, onde ela inicia temporada em todas as sextas de junho, a partir das 20h. No dia 11, novamente Felipe toca com Aíla; no restante do mês, o violão estará a cargo de Renato Torres. 

Outras apresentações já agendadas da moça neste mês são:
  • Quarta, dia 9 - Bar Municipal, com Felipe Cordeiro ao violão (eles já tocaram lá ontem) - 21h. Antes, às 19h30, Aíla canta na exposição Art Party, no Le Marchand, às 19h30.
  • Quarta, dia 16 - Participação no show de Reginaldo Vianna no Teatro Margarida Schivasappa, às 20h
Nos dias 24 e 25, Aíla é uma das convidadas de Yuri Guedelha e Sarau Brasil para o tradicional show São João com Gonzagão, que neste ano terá apoio do Som do Norte. A edição do dia 25 será um evento solidário, em que em lugar de cobrar ingressos a produção do show irá solicitar a doação de dois quilos de alimento não-perecível, a serem destinados a entidades sociais de Belém. Nos próximos dias iremos anunciar maiores detalhes.

Agenda Belém: 2ª Noite Fora do Eixo

Oportunidade Pará: 2º Festival de Música Popular Paraense


Estão abertas até 2 de julho as inscrições para o 2º Festival de Música Popular Paraense, promovido pela Rede Brasil Amazônia. O lançamento aconteceu na noite da segunda, 31 de maio, em evento para convidados em Belém (você pode ver fotos da festa, como esta, no Blog do Poeta Ronaldo Franco).

Embora seja mencionado na matéria RBA lança II Festival de Música Popular Paraense, publicada na terça, dia 1, no Diário do Pará, que o regulamento está disponível no site do jornal (www.diariodopara.com.br), eu não o encontrei. Adianto aqui alguns itens que constam dos referidos textos. Cada compositor só pode participar com uma música. A inscrição é gratuita e pode ser feita das 10 às 16h, nas lojas dos Classificados Tem!, do Diário, nas lojas do IT Center e nos shoppings Iguatemi e Castanheira, todos em Belém - o que pode dificultar a participação de músicos do interior, como observou Elias Mocbel em comentário à notícia que anunciava o lançamento do evento.

A música deve ser entregue gravada em CD-R (na notícia publicada terça, consta "CD+R", mas neste caso o promotor do festival estaria, além de exigir a entrega numa mídia mais cara - por ser regravável -, expondo-se à perda acidental do material inscrito. Na dúvida, procure esclarecer antes de se inscrever).

Uma equipe de profissionais das rádios e da TV do grupo RBA irá selecionar 24 músicas para as duas etapas classificatórias, apontando as 12 finalistas. Não foi anunciado se o grupo lançará CD ou DVD com as finalistas, a exemplo do que ocorreu no ano passado, quando a 1ª edição teve por vencedora “Piano Blues” (Jacinto Kahwage), defendida por Andréa Pinheiro; em 2º lugar “À sua maneira” (Felipe Cordeiro), com a Melhor Intérprete do festival, Aíla Magalhães; e em 3º “Tinhosa” (Carla Cabral - Camila Alves), cantada por Juliana Sinimbú. A premiação anunciada para este ano é de R$ 10 mil para o 1º lugar, R$ 6 mil para o 2º e R$ 3 mil para o 3º, além de R$ 1 mil para melhor arranjo e igual valor para melhor intérprete. A final será realizada em 12 de agosto.


Aíla na 2ª eliminatória do 1º FMPP,
no Pará Clube - 2/7/09
(Foto: Rogério Uchôa)

quarta-feira, 2 de junho de 2010

Na Rede: São Paulo Fora do Eixo


A Web TV Fora do Eixo publicou ontem no YouTube este vídeo onde destaca a realização, entre 6 e 11 de abril, do Festival Fora do Eixo em São Paulo. Com realização do Circuito Fora do Eixo e realização audiovisual do Filmes para Bailar, São Paulo Fora do Eixo é descrito pelos produtores como um "Documentário sobre a ocupação da maior cidade do Brasil pelo Circuito Fora do Eixo. Entre os dias 06 e 11 de abril aconteceu na capital paulista o Festival Fora do Eixo. Vários artistas de todo o país circularam pelos palcos paulistanos, trazendo um pouco da música e cultura independente produzidas hoje."

Mais que isso, é um testemunho vivo de por pessoas que estão fazendo acontecer a renovação da cena musical brasileira - renovação que começa a ser estendida a outras áreas, como o teatro. E o melhor, tudo ao som de bandas como Caldo de Piaba (até os 2:50 só dá músicas do EP Volume Dois na trilha) e Mini Box Lunar (da qual foi utilizada "Amarelasse" na trilha, e que aparecem em cenas do show com Jards Macalé que já nasceu histórico desde a hora que foi agendado).

terça-feira, 1 de junho de 2010

Na Rede: Lia Sophia surpreende Neca Machado


Hoje, a professora e administradora Neca Machado, bacharel em Direito Ambiental, de Macapá, publicou em seu blog Olhar Urbano, esta breve nota sobre a cantora Lia Sophia, que no final da semana esteve na capital do Amapá lançando seu CD Amor Amor, o Disco do Mês de maio do Som do Norte. Neca Machado perdeu o show, e o texto é sobre a tristeza de... mas enfim, tão breve é o texto que transcrevê-lo é, sem dúvida, o mais recomendado.

***

terça-feira, 1 de junho de 2010
SURPRESA
OLHAR URBANO
Lia Sophia

Infelizmente eu perdi uma oportunidade de assistir um evento musical de qualidade no Amapá.

O show de LIA SOPHIA.

Por aqui aparece tanta gente RUIM querendo um lugar ao sol...

Mas, a cantora LIA SOPHIA surpreendeu.

Eu a escutei no programa do radialista J.Ney e me surpreendi com sua SIMPATIA, uma jovem de uma qualidade humana espetacular, sensível, carismática, cheia de vida, com uma intimidade singular com o publico, respeitosa com sua platéia, conhecedora de sua potencialidade vocal.

Hoje saí para adquirir seu CD na Banca do Dorimar e não tinha, por favor, se alguém souber onde eu encontro esta preciosidade que me escreva.


Só de escutar eu já babei pelo seu potencial, ela não grita, tira do âmago as palavras, coloca sonoridade onde não tem,

Olha!

eu estou triste porque perdi um show espetacular, o de LIA SOPHIA.

Agenda Belém: Show Janis & Raul chega à terceira edição


É nesta quarta-feira, 2 de junho, a terceira edição do show Janis & Raul, com Joelma Klaudia e Sérgio Leite, no Old School Rock Bar, a partir das 22h.

Desde que era uma adolescente cantora de igreja em Altamira, interior do Pará, Joelma Klaudia teve sua atenção despertada para a voz rouca de Janis Joplin. A influência foi tão marcante que, anos depois, ao se mudar para Belém e participando do projeto baile Flores Astrais, fez questão de incluir clássicos interpretados pela texana ao lado de hits de Beatles, Pholhas, Secos e Molhados, Mutantes, Pink Floyd e Creedence, entre outros.

Agora, com sete anos de carreira, e depois de ter lançado seu primeiro CD (Dias Assim, 2009) e recebido vários prêmios – Cantora Revelação 2009; a Plaqueta Waldemar Henrique; e o 5º lugar no 1º Festival de Música Popular Paraense -, Joelma Klaudia resolveu colocar em prática o sonho que alimenta desde a época em morava às margens do rio Xingu: um show-tributo a Janis Joplin. Acreditando nas palavras de Raul Seixas na canção “Prelúdio” - "Sonho que se sonha junto é realidade” -, a cantora viu a possibilidade de “sonhar junto” com o consagrado intérprete de Raul, Sérgio Leite.

- A mistura deu muito certo porque Sérgio é uma pessoa irreverente e super interativa; além disso, contamos com uma banda qualificada para executar o repertório dos dois ícones do rock nacional e mundial somando todas as vibrações vintages em um mesmo palco - afirma Joelma Klaudia. – A cada edição, sinto que amadurecemos em performance e interpretação.


A banda que acompanha Joelma Klaudia e Sérgio Leite é formada por André MacClaury na bateria, Guibson Landim na guitarra e Fernando Costa no contrabaixo. O show vem sendo realizado mensalmente desde abril; depois de estrear no bar Garota da Braz (cartaz acima), aconteceu no Municipal (cartaz abaixo) em maio, e agora em junho chega ao Old School Rock Bar, justamente o local onde há poucos dias se apresentou parceiro de Raul Seixas, Marcelo Nova.

Serviço
Show Janis&Raul com Joelma Klaudia e Sérgio Leite
Old School Rock Bar – 2 de junho – quarta - 22h
Couvert: R$ 5
Apoio: Som do Norte