Aqui se fala do som dos estados do Norte do Brasil: Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Nós na Rede (2): Música e Jornalismo no Qualquer Bossa

Ontem à tarde, o jornalista paraense Nicolau Amador veio me agradecer no MSN a nota em que, no sábado, repercuti o comentário que ele escrevera sobre o show do Projet Magnetique, que reunira na quinta em Belém músicos das bandas Madame Saatan e Clepsidra.

Além de reproduzir na íntegra ontem mesmo em seu blog Qualquer Bossa meu texto Na rede: Magnetique por Nicolau Amador em seu post O Norte ressoando - e de dizer que "Fabio Gomes contribui em muito para que a cena do Norte seja reconhecida pelo Brasil afora" -, Nicolau aproveitou o ensejo para me entrevistar sobre dois de nossos assuntos preferidos, nascendo assim novo post, Música e jornalismo: entrevista com Fábio Gomes, também publicado nessa segunda. Destaco na sequência alguns trechos do que Amador qualificou de "um papo muito interessante para artistas e jovens jornalistas e estudantes das áreas":
  • Sobre o surgimento do Som do Norte: "Chegou uma hora que tava dando um nó na minha cabeça em chegar a mim tantas referências de produção [nortista] de qualidade, e saber que nada daquilo aparecia na mídia. E óbvio que nunca iria aparecer mantido o status quo. Aí, resolvi fazer o blog pra começar a mudar o status quo."
  • "O melhor jornalismo cultural no Brasil hoje está sendo feito na internet. A mídia impressa não dá mais conta de acompanhar a efervescência. As revistas mensais equilibram optando por ensaios, entrevistas etc. Agora, o jornal diário poderia entrar numa de hard news na área cultural mas se omite. Sem querer me gabar, [no domingo] eu dei em 1ª mão que a banda classificada nas prévias do Grito Rock Belém foi a Paralelo XI. Às 23h39, hora de Belém. Essa informação saiu nos jornais daí hoje? O mais provável é que saia na edição de terça, quando quem se interessa já viu na internet." (Observação: em 1ª mão por escrito, é claro que a informação foi divulgada primeiro pelas webrádios Independentes do Brasil e Fora do Eixo, através das quais eu ouvia a transmissão)

  • Sobre a formação do jornalista cultural: "O jornalista interessado na pauta cultural em geral acaba se aperfeiçoando por conta própria, pois são poucos os cursos oferecidos pelas universidades na área de pós-graduação e especialização, e quase todos em São Paulo e no Nordeste."

Lembrando: uma opção para que o jornalista interessado na pauta cultural se aperfeiçoe é o nosso Curso à distância de Jornalismo Cultural.

2 comentários:

  1. Ah! Fabio tu é mt bom merrrmo!
    Admiro teu trabalho.
    Nhá!
    Su Bauen

    ResponderExcluir
  2. Su Bauen,

    Mas quando já...
    Fico muito grato por seu comentário sobre meu trabalho.

    ResponderExcluir