Aqui se fala do som dos estados do Norte do Brasil: Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins

sábado, 2 de janeiro de 2010

Na Rede: Pablo Capillé faz balanço 2009 do Fora do Eixo

Exatamente às 23h55 do dia 31 de dezembro, Pablo Capillé enviou aos membros dos 47 coletivos que formam o Circuito Fora do Eixo um e-mail intitulado "Sobre ontem, hoje e amanhã!", publicado hoje no site Fora do Eixo acrescido do subtítulo "dialética no processo de fortalecimento". Reproduzo a seguir alguns trechos.

Circuito Fora do Eixo no II Congresso Fora do Eixo
(Rio Branco, setembro de 2009)
  • Estamos chegando ao fim do ano mais estimulante e desafiador dessa grande rede nacional que é o Circuito Fora do Eixo. O quarto ano de luta, articulação, correria, comprometimento, razão/paixão, foco, diversão, erros, acertos, conquistas, perdas e todas as demais dialéticas que um movimento como o nosso pode proporcionar, pessoal, comportamental e estruturalmente.
  • Saímos de pouco mais de 20 coletivos no início do ano e estamos fechando a tampa de 2009 com quase 50. Saímos de uma perspectiva de se montar regionais e finalizamos com 5 regionais sólidas e em constante diálogo propositivo. A regional Nordeste começou o ano com apenas um coletivo, hoje são nove, só faltando o Piauí e o Maranhão. A Sudeste crescendo absurdamente com destaque para os estados de minas e São Paulo. A Norte só falta o Tocantins para fechar a tampa. A Centro-Oeste fechou a tampa com destaque para o FDE Goiás. A Sul é a nossa caçula, mas com tanto potencial de crescimento quanto as outras.
  • Ano em que nossos festivais se fortaleceram ainda mais, Calango, Jambolada, Varadouro, Contato, Quebramar, Novas Tendências, Pequi, Release Alternativo, Vaca Amarela, Goma Festival, Seda, Feira da Música de Fortaleza, Ponto CE, Fogo no Cerrado, Maionese, Big Bands, Boombahia, entre vários outros.

  • Ano em que tivemos clareza que não circulamos apenas artistas, jornalistas e produtores , circulamos conhecimento. Transformamos varias ideias e ideais em inteligência coletiva. Valorizamos o processo em detrimento do produto, os valores em detrimento dos interesses. O indivíduo em detrimento do individualismo. O comportamento em detrimento do mercado.

  • Ano em que definitivamente pautamos a construção de um sistema nacional de música independente, transformando coletivos, festivais e casas em uma força política una e umbilicalmente conectada, representadas pelas suas respectivas entidades/movimentos: CFE, ABRAFIN E CASAS ASSOCIADAS. Sistema este que capitaneou e organizou o surgimento da Rede Música Brasil. E onde tudo começou? Em uma reunião do CFE em Recife durante o Porto Musical, contando também com a presença dos parceiros de primeira ordem do MPB-Musica pra baixar e do Fórum Nacional da Música.

  • Ano em que potencializamos ainda mais nossas rotas, podemos hoje sair de Fortaleza e chegar até Rio Branco no Acre, com 22 shows em 24 dias com somente dois day offs. Fizemos juntos mais de 600 eventos no ano, colocando aproximadamente 2 mil bandas diferentes para se apresentar ou mais especificamente uma média de 8 mil artistas. E preparamos o terreno para mais um ousado projeto capitaneado pelo CFE em parceria com abrafin, Casas e BMA que é o TOQUE NO BRASIL.

  • Ano de nosso segundo congresso, no Acre, na vibe do Acre, no melhor lugar possível para transformarmos os avatares em pele e osso. Um momento único dessa nossa jornada, onde nos encontramos , onde construímos nossa carta de princípios e nosso regimento interno/estatuto/pacto nacional. Documentos esses que estão em fase de maturação, que se desenvolve conforme o nosso desenvolvimento, que amadurece conforme a nossa maturidade e que nada mais é que um espelho, um reflexo dessa nossa inteligência coletiva.

Nenhum comentário:

Postar um comentário