Aqui se fala do som dos estados do Norte do Brasil: Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Menos dos mesmos

* Este foi o texto de nossa coluna de 9 de novembro no portal Visto Livre. Novo texto entrou no ar ontem à noite: Músicas regionais do Brasil se encontram em Porto Alegre

"Estamos trabalhando na proteção das diversidades culturais mas a gente não tem o canal de divulgação da cultura, que são os meios de comunicação. Não se trata de reserva, mas de abrir espaços para poder distribuir nossos conteúdos."

Estas frases poderiam ter sido ditas por qualquer artista ou produtor cultural brasileiro, mas não: fazem parte da entrevista concedida pelo secretário da Identidade e da Diversidade Cultural do Ministério da Cultura, Américo Córdula, ao jornalista Hermano Freitas e publicada pelo portal Terra na quinta, 5 de novembro (leia o texto completo: MinC quer TVs como forma de distribuir produção regional). O titular da SID/MinC afirma que a política de concessões das TVs se trata de um "problema para o qual o governo ainda não encontrou caminhos". É por isso que, ainda nas palavras de Córdula, "acabamos vendo mais do mesmo".

O secretário chegou a falar do Norte ao comentar a falta de circulação dos conteúdos audiovisuais (no caso, filmes): "Se você mora no Rio ou em São Paulo não vê uma produção do Amapá, do Pará". De fato, afora sessões especiais em festivais de cinema, não vê mesmo. Em TV, mais ainda: o Norte está ausente da mídia. OK, recentemente o documentário paraense Brega S/A foi exibido na MTV. Mas quantas bandas nortistas têm seus clipes exibidos regularmente pela emissora?

A desculpa de que não há o que exibir deixou de ser aceitável faz tempo: os músicos do Norte produzem material de alta qualidade, produção esta que há muito deixou de ser esporádica. Mas as TVs raramente apostam na produção independente, então as bandas preferem usar canais próprios (sites ou blogs) e principalmente o YouTube para divulgarem seus clipes. Realmente, a internet tem sido o principal meio para que possamos ver menos dos mesmos, e mais de tantos ausentes da mídia.

Sugiro à SID que estude formas de incentivar a difusão da produção audiovisual independente na internet. É difícil enquadrar sites e blogs como o Visto Livre e o Som do Norte, veículos jornalísticos online especializados em música, nas linhas de financiamento abertas pelo MinC. Em parte, porque em geral os editais de financiamento de iniciativas ligadas à música se destinam apenas a CDs e shows; mas principalmente porque estes sites e blogs jornalísticos sobre música não são projetos, com prazo definido para encerrar, e sim ações permanentes. O ideal seriam editais de fomento semelhantes aos oferecidos para manutenção de grupos teatrais. Estamos à disposição da Secretaria e do Ministério para debater o assunto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário