Aqui se fala do som dos estados do Norte do Brasil: Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Quando as guitarras se encontram*


*Este foi o texto de nossa coluna de 28 de setembro no portal Visto Livre. Novo texto entrou no ar ontem à tarde: "O Tecnobrega Visto Por Dentro"

Dois expoentes da guitarra elétrica do Brasil tocaram juntos pela primeira vez num estúdio de Belém do Pará na sexta-feira, 25 de setembro: Herbert Vianna, d'Os Paralamas do Sucesso, e Mestre Vieira, 75 anos. A iniciativa foi da jornalista Luciana Medeiros, que produz um documentário sobre a vida de Vieira e aproveitou a presença em Belém dos Paralamas para um show da turnê conjunta com os Titãs, também na sexta.

O encontro aconteceu no final da tarde nos estúdios da AM&T (Academia de Música e Tecnologia) e durou cerca de uma hora. Outro integrante dos Paralamas, o baixista Bi Ribeiro, também esteve presente, mas não chegou a tocar. Tudo foi filmado; algumas cenas devem entrar no documentário que ainda não tem data para lançamento.

- O encontro foi lindo, lindo. Herbert é o máximo e os dois se deram muitíssimo bem. Foi uma tarde inesquecível - comemorou Luciana.

Herbert é um admirador confesso do músico paraense; o jornalista Ismael Machado, ao informar no Diário do Pará em 18 de setembro que o encontro estava sendo planejado, comentou que o solo de guitarra de "Alagados" (do disco Selvagem?, de 1986), "poderia ter sido de Vieira".

Vieira já foi saudado certa vez pelo irmão de Herbert, o antropólogo Hermano Vianna, por ser o consolidador do estilo que o estudioso denominou como "guitarra popular brasileira". Sua criação, a guitarrada, alia elementos do choro, da jovem guarda e do merengue e tem influenciado músicos de várias gerações - de Herbert aos paraenses do grupo La Pupuña, passando por Chimbinha, da banda Calypso.

Natural de Barcarena, interior do Pará, Vieira certamente não esperava nada disso há 50 anos, quando resolveu se dedicar inteiramente à música, depois de ter sido técnico em eletrônica, carpinteiro e lavrador (sua família é pioneira na produção de abacaxi no município). A partir do final dos anos 70, gravou dez LPs que foram sucesso em todo o Brasil e até no exterior - chegou a ser coroado como "melhor guitarrista do mundo" na Escócia. Mas só agora sua música chega ao CD - Guitarrada Magnética sai na segunda quinzena de outubro pelo selo Ná Music. Parte do repertório já foi apresentada por Vieira, no show na praça Batista Campos que encerrou o projeto Pelas Praças de Belém, em 20 de setembro.

E novos encontros, podem acontecer? Se depender do mestre, sim: Vieira já disse a Luciana Medeiros que gostaria de dividir o palco com Pepeu Gomes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário