Aqui se fala do som dos estados do Norte do Brasil: Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins

terça-feira, 8 de setembro de 2009

Festival Casarão 10 anos*

* Este foi o texto de nossa coluna de estreia no portal Visto Livre, publicada em 31 de agosto (o link remete à postagem original). Novo texto entrou no ar agora à tarde: "Porque o Norte recebe poucas bandas de outras regiões"

Esta semana acontece em Porto Velho (RO) a décima edição do Festival Casarão, um dos maiores eventos da cena independente no Norte. De 4 a 6 de setembro, se apresentam as bandas Hey Hey Hey!, Miss Jane, Soda Acústica, Made in Marte, Di Marco, Ultimato, Whiteshoe, Djow, Coveiros, Sanctify, Merda Seca, Enmou e Digitos (RO), Survive (AC), Mini Box Lunar (AP), Gloom (GO), Pato Fu, Porcas Borboletas e Melda (MG), Dimitri Pellz (MS), Linha Dura e Lopes (MT), Johny Rockstar (PA), Cerva Grátis (PB), Moptop (RJ), Veludo Branco (RR) e Ratos de Porão (SP) e a boliviana Gothika. A movimentação inicia nos dias 2 e 3 com as festas Prévia Casarão.

O músico Rinaldo Santos comemora o fato de sua banda, a Soda Acústica, tocar no festival logo após a turnê de lançamento do primeiro CD: "A gente vem com vontade de tocar, ainda mais em um festival que tem repercussão, tudo isso é um movimento, uma circulação de ideias musicais".

Para que as ideias circulem, a programação inclui os seminários Circuito Fora do Eixo: Edital de Circulação e Associando-se na Música: Casas e Abrafin; o workshop Como fazer um vídeo independente; o debate Potencial e viabilidade do Circuito Rondoniense de Música Independente, com os coletivos Raio Q U Parta (Porto Velho), Interior Alternativo (Cacoal e Ji-Paraná) e Vilhena Rock (Vilhena); e o encontro Sempre um Papo - Especial Casarão com a banda Pato Fu.

Será a primeira vez em que o festival não terá evento algum no casarão de 1878 que lhe dá o nome; o local está interditado pelas obras das usinas do Rio Madeira. Foi ali, no meio da selva, que tudo começou em 2000, conta o organizador do festival, Vinicius Lemos: "Sempre só fizemos uma festa ao ano. A importância do evento foi crescendo; abraçamos o independente desde 2004 e aumentamos para um festival com bandas do Brasil inteiro". Lemos lembra que um marco fundamental na mudança foi a aprovação do evento no edital da Petrobras em 2007, pois não há apoio nem do Estado nem do Município (a prefeitura, segundo Lemos, ficou de "ajudar esse ano e deu pra trás faltando 20 dias, um descaso imenso com a cultura local").

Serviço


  • A venda de passaportes para os seminários e os shows encerrou no dia 29/8. O acesso às festas Prévias Casarão independe do passaporte.


Nenhum comentário:

Postar um comentário